terça-feira, 10 de setembro de 2019

Milagre eucarístico de Cássia
para padre relaxado com o Santíssimo

Pedaço da folha do breviário impregnado pelo Sangue de Cristo, Cássia
Pedaço da folha do breviário impregnado pelo Sangue de Cristo, Cássia
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs






Em Cássia, na mesma basílica dedicada a Santa Rita, se conserva a relíquia de um milagre eucarístico acontecido perto de Siena em 1330.

De acordo com antigos documentos conservados no convento agostiniano de Cássia, naquele ano solicitaram a um sacerdote relaxado que levasse a Comunhão para um camponês doente.

O religioso achou melhor simplificar dispensando o cuidadoso procedimento da Igreja na condução do Santíssimo Sacramento e evitar o acompanhamento de fiéis comum nos bons tempos de piedade eucarística.

Ele colocou a hóstia consagrada entre as páginas do breviário, livro de orações que outrora os padres deviam rezar todos os dias.

Chegando junto ao doente, no momento de lhe administrar o Sacramento, ele notou que a partícula havia se transformado em sangue, embebendo as duas páginas do breviário.

O sacerdote se arrependeu logo de sua leviandade e foi até o convento agostiniano em Siena, confessado sua falta ao padre Simone Fidati da Cascia, hoje beatificado.

O confessor lhe deu a absolvição considerando a contrição que mostrava o sacerdote.

Mas lhe pediu as páginas impregnadas com o Preciosíssimo Sangue para que todos pudessem ver o milagre operado.

Assim, as páginas ficaram preservadas: uma em Siena, e outra em Cássia.

Em Cássia está exposta no santuário construído sobre a antiga igreja de Santo Agostinho, e que abriga os restos de Santa Rita e do Beato Simone Fidati, confessor do sacerdote relaxado e arrependido.

Basílica de Santa Rita em Cássia, onde também se guarda o milagre eucarístico
Basílica de Santa Rita em Cássia,
onde também se guarda o milagre eucarístico
Muitos soberanos Pontífices promoveram a adoração e concederam indulgências a quem rezar diante dessa relíquia.

O documento de reconhecimento do milagre eucarístico foi lavrado em Cássia em 1687 e reproduz um código muito antigo do convento de Santo Agostinho com informações valiosas sobre o prodígio.

O episódio miraculoso impressionou tanto as pessoas que também ficou registrado nas Atas da Prefeitura de Cássia do ano 1387.

Essas atas também ordenam que todos os anos na festa de Corpus Christi, todas as autoridades e todos os cidadãos da cidade compareçam na igreja de Santo Agostinho e acompanhem a procissão em que o clero da cidade leva pelas ruas a venerável relíquia do Santíssimo Sacramento.

No dia 10 de janeiro de 1401, o Papa Bonifácio IX por meio de uma Bula proclamou o milagre e concedeu as mesmas indulgências dadas aos peregrinos que visitam o santuário da Porciúncula, ligado a São Francisco de Assis, e que visitem “contritos e confessados” a igreja onde está exposta a santa relíquia, no dia de Corpus Christi.

Essa é venerada há séculos no local. Algumas testemunhas garantem que se distingue um rosto humano que sofre na mancha de sangue impressa na página do breviário.

Também dizem que da relíquia emanaria por vezes o mesmo perfume percebido em volta do corpo de Santa Rita.

Infelizmente, não ficaram restos da outra página conservada na cidade de Siena, mas da qual existem documentos escritos de época confirmando a devoção que outrora a rodeava.


Mais dados em Wikipédia, verbete Miracolo Eucaristico di Cassia


terça-feira, 27 de agosto de 2019

Prédios com cúpulas ou com tetos chatos?

Nas noites, as cúpulas de Buenos Aires dão um espetáculo muito procurado
Nas noites, as cúpulas de Buenos Aires dão um espetáculo muito procurado
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs






Um atrativo inesperado move fluxos de turistas em Buenos Aires: eles procuram as elegantes ou grandes cúpulas dos prédios da cidade construídas em variados estilos arquitetônicos durante a Belle Époque, destacou reportagem de “La Nación”.

Nisto Buenos Aires acompanhou as tendências das cidades mais cultas da Europa que privilegiavam o bom gosto irmanado à hierarquia social e cultural proporcionada e harmônica.

Segundo os livros de arquitetura, Buenos Aires é a cidade das 300 cúpulas, mas calcula-se que na realidade tenha mais de 2.000 nos mais diferentes estilos.

Porém, com a entrada da modernidade os prédios de estilo caíram no desinteresse ou no abandono. Suas belas cúpulas se degradaram e algumas foram demolidas.

As novas modas pediram arranha-céus com forma de paralelepípedos de vidro de grande altura e que culminavam num teto chato sem estilo. No máximo admitia-se torres de comunicação ou para-raios.

Foram décadas de vitória do igualitarismo nas moradias e escritórios, também verificada em muitos outros aspectos de vida e dos costumes.

Cúpula em Palermo, residência particular
Cúpula em Palermo, residência particular
Porém, nos últimos anos, após a experiência sem graça da modernidade niveladora, as preferências voltaram de novo para as velhas cúpulas

“Quem morará ali acima nessa maravilhosa cúpula?”, passou a ser pergunta comum dos turistas que observavam para o alto.

Os curiosos passaram a tocar a campainha do último andar dos numerosos prédios coroados pelos domos admirados. Quiçá alguém responderia.

Ficou atrativo conhecer àquele que se afasta da agitação urbana oca para ir morar ou trabalhar em locais mais cerca do céu.

Imagina-se que ali devem acontecer eventos dignificantes como espetáculos de música clássica ou refinados jantares.

As respostas atenderam parcialmente as expectativas. Sim, há elegantes apartamentos de amantes da arte antiga que reformaram as cúpulas e fizeram requintadas residências. Cfr.: “La Nación”.

E também há os requintados jantares.

Muitas outras continuam abandonadas. Mas, não por muito tempo. A procura de uma cúpula das “mil e uma noites” estimulou aos proprietários – indivíduos ou empresas – a refazer as torres decadentes e atender aqueles que as procuram. E que até as querem comprar por preços elevados.

Tournées, cocktails e festas foram prontamente organizados. Grande atrativo: a cúpula desde onde se pode avistar mais cúpulas, hoje cada vez melhor iluminadas em noites que procuram ser contos de fadas.

Dois proprietários privados que moram em cúpulas gêmeas, mas que pediram manter o anonimato, abriram suas portas para um evento de arte e gastronomia rotulado “La Noche de las Cúpulas”, que não foi quase mencionado nas guias turísticas.

Há cúpulas em prédios públicos ou empresariais
Há cúpulas em prédios públicos ou empresariais
Aconteceu na parte mais alta do prédio de La Inmobiliaria, ex Palacio Heinlein, um dos mais fotografados do centro histórico de Buenos Aires.


As referidas cúpulas dominam o panorama diante da Praça do Congresso, onde brilha a cúpula do Legislativo argentino parecendo desafiar se há algum domo mais belo e grande que o seu.

As curadoras do evento, as irmãs Ana e Verónica Groch, disseram que jamais imaginaram que a proposta despertaria tanto interesse e agora se propõem reproduzi-lo em outras cúpulas portenhas.

“Sentimos grande orgulho de viver e aproveitar desta bela vista sobre a Praça, de dia e de noite”, disse a “La Nación” uma das proprietárias enquanto exibia sua casa de alguns andares concêntricos.

As cúpulas passaram a ser imagem de Buenos Aires além do gigantesco Obelisco sem charme.

Culminam em agulhas de ferro e zinco se projetando aristocraticamente sobre as casas de tetos rasos e atingem até 68 metros de altura.

O Palacio Barolo oferece em sua histórica cúpula do 16º andar um mirante e um bar. A arquitetura é eclética como foi típico na Belle Époque, entre gótica e islâmica, e fascina aos que andam pela rua.

Molduras e grandes, arcadas, escadas e recepções marcam o ingresso do prédio. O elevador vai até o 14º andar. Depois, a nobreza da cúpula oblige e é preciso completar a pé os dos últimos andares por estreitas e encaracoladas escadas.

As cúpulas mais visitadas por turistas estão no Edificio Bencich, sendo comparadas com algumas de Paris.

Por volta de 2.000 cúpulas dos mais variados estilos.
Por volta de 2.000 cúpulas dos mais variados estilos.
São locais abertos a festivais de arquitetura como o Open House e as filmadoras as procuram para fazer suas publicidades.

Está em restauração uma das mais emblemáticas surgida de uma outra fantasia: a da Confiteria del Molino, inaugurada em 1916 e que agora ressurge das cinzas da decadência. Ela tem forma de agulha e movimenta suas aspas como o moinho que lhe dá o nome.

Desde a antiga Roma as cúpulas estão imersas no mistério, cativam e comovem, aproximam as hierarquias celestes que parecem inalcançáveis, comenta “La Nación”.

Elas começaram representando o poder religioso e espiritual como pode se apreciar nas basílicas de Roma.

Os Estados cristãos sentiram a necessidade de impregnar de sacralidade as instituições políticas que mais deviam ser objeto de respeito.

Por isso, os Parlamentos que se prezam fizeram questão de serem coroados por cúpulas, como o Congresso dos EUA.

Prefeitura, museus e empresas também rivalizam em cúpulas
Prefeitura, museus e empresas também rivalizam em cúpulas
As grandes lojas de luxo também sentiram que não atrairiam o público amante do bom gosto se não coroavam seus prédios com cúpulas como a Galeria La Lafayette de Paris ou Harrods de Londres. Também o fizeram em Buenos Aires.

“Em geral, só se pode acessar as cúpulas públicas”, conta a desenhadora Alejandra Giraud, que ficou tão cativada por uma cúpula portenha que acabou comprando-a.

“Quando o pessoal visita minha cúpula ficam impactados, se emocionam”, explica.

Sua cúpula parece custodiar desde cima os principais bancos públicos e privados da City.

Quem tem acesso a esse local privilegiado contempla desde o Río de la Plata até os edifícios mais históricos e emblemáticos.

“São locais que seduzem. Têm mistério”, explica ela, enquanto sai para um terraço privado imerso no azul do céu.



Vídeos: Prédios com cúpulas ou com tetos chatos?






terça-feira, 13 de agosto de 2019

A Assunção: prêmio pelos sofrimentos da co-redenção

Assunção, Fra Angelico  (1395 – 1455), Google Cultural Institute
Assunção, Fra Angelico  (1395 – 1455), Google Cultural Institute
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs








Nosso Senhor quis Ele mesmo subir aos céus contemplado pelos homens. Mas, também quis que a Assunção de Nossa Senhora para o Céu, depois da dEle, se desse diante do olhar humano.

Por quê?

Era preciso que a Ascensão fosse vista por homens que pudessem dar testemunho desse fato histórico duplo: não só de que Nosso Senhor ressuscitou, mas de que tendo ressuscitado Ele subiu aos céus.

Subindo ao Céu, Ele abriu o caminho para as incontáveis almas que estavam no Limbo esperando a Ascensão para irem se assentar à direita do Padre Eterno.

Antes de Nosso Senhor Jesus Cristo ninguém podia entrar no Céu. Ali só os anjos estavam lá.

Então Nosso Senhor, na Sua Humanidade santíssima, foi a primeira criatura – porque Ele ao mesmo tempo era Homem-Deus – que subiu aos Céus.

E enquanto Redentor nosso, Ele abriu o caminho dos Céus para os homens.

Também era preciso que Ele, que sofreu todas as humilhações, tivesse todas as glorificações.

E glória maior e mais evidente não pode haver do que o subir aos Céus.

terça-feira, 6 de agosto de 2019

60 anos depois, padres jovens retomam a batina que padres velhos jogaram fora para dar impressão de jovens

Para o simples fiel, padre sério anda de batina
Para o simples fiel, padre sério é o que anda de batina
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs








Há quase 50 anos o cardeal arcebispo de Paris, Mons. Maurice Feltin, aprovou que os padres deixassem de usar a batina em condições normais.

Sua decisão, tomada em 29 de junho de 1962, não se apresentou como doutrinária ou moral, mas pastoral, visando adaptar os costumes eclesiásticos às mutações da sociedade.

Ela significou uma mudança histórica e foi acompanhada no mesmo ano pela maioria das dioceses francesas.

O “clergyman” foi acolhido até com euforia por sacerdotes novos e “beatas” de sacristia, relembrou certa vez o colunista da revista “La Vie”, Jean Mercier em artigo sob o sugestivo título de “A veste de luz”.

Mercier insiste na “embriaguez de modernidade” daquele momento pouco anterior ao Vaticano II para se compreender que a mudança foi recebida como “verdadeira liberação”.

Aproximadamente desde o Concílio de Trento os sacerdotes usavam batina para se diferenciarem do resto dos homens.

A batina adquiriu sua forma bem conhecida no século XIX.

O entalhe foi abolido pela forma ampla de cor preta, escreve Mercier:

terça-feira, 30 de julho de 2019

Os peixes que recuperaram as formas eucarísticas

Local e mosaico do 'Milagre dos Peixes', Alboraya, Valencia, Espanha
Local e mosaico do 'Milagre dos Peixes', Alboraya, Valencia, Espanha
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs








O “milagre dos peixes” (em valenciano, língua local: miracle dels peixets) foi um prodígio eucarístico acontecido em julho de 1348, entre os atuais municípios de Alboraya e Almácera, na região autônoma de Valencia, uma das mais importantes da Espanha. Cfr. Wikipedia, verbete Milagro de los Peces.

O milagre é comemorado com uma romaria na segunda-feira de Pentecostes que vai até a capela neogótica construída em lembrança do fenômeno sobrenatural. Ela é conhecida como “Ermida do Milagre” ou também “'Ermita dels peixets”.

Centenas de fiéis da região e de cidades vizinhas comparecem para as cerimonias nessa ermida. Assim foi no último ano segundo informou o jornal regional “Las Provincias”.

No remoto ano de 1348, o pároco de Alboraya levava o Santíssimo Sacramento para os doentes. Notadamente para um mouro recém convertido de nome Hassam-Arda, gravemente ferido.

segunda-feira, 15 de julho de 2019

O escapulário de Nossa Senhora do Carmo e a mais antiga devoção marial do mundo

Nossa Senhora do Carmo, São João del Rei
Nossa Senhora do Carmo, São João del Rei
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs





A Ordem do Carmo foi fundada pelo Profeta Elias, tendo sido Santo Eliseu seu sucessor e sendo conhecida no Antigo Testamento como a “escola dos profetas”. Tal vez o próprio São João Batista tenha se ligado a ela.

Alguns acham que até Nosso Senhor Jesus Cristo os frequentou durante o período de sua vida no deserto.

O fato é que a Ordem do Carmo representa o primeiro filão da devoção marial no mundo, em virtude da famosa visão do profeta Elias de uma nuvenzinha que preanunciou uma imensa chuva após uma seca devastadora.

A nuvenzinha foi uma prefigura de Nossa Senhora, Mãe dAquele que atrairia um sem-fim de graças para o mundo.

terça-feira, 2 de julho de 2019

Onda pela vida varre os EUA

Mike Gonidakis, Sue Swayze Liebel e Eric Johnston obtiveram vitórias legislativas estaduais pela vida
Mike Gonidakis, Sue Swayze Liebel e Eric Johnston
obtiveram vitórias legislativas estaduais pela vida
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs








É uma onda na maioria dos estados dos EUA. E é uma onda pela vida, avaliou com pesar o jornal arauto do aborto “The New York Times”.

Um estado após outro aprovou amplas restrições do massacre dos inocentes neste ano, chegando à proibição quase total em Alabama, à proibição em Ohio após detectar latido fetal e à interdição em Utah após as 18 semanas.

Vários estados sancionaram leis que desafiam as proteções judiciárias federais ao aborto com júbilo dos setores conservadores e temor nas esquerdas.

Por isso, diz o “The New York Times”, o movimento antiaborto, desenvolvido durante quase cinco décadas, está mais perto do que nunca de reverter a sentença Roe vs. Wade, da Corte Suprema. que legalizou o aborto no país e serviu de modelo para o resto do mundo.

terça-feira, 25 de junho de 2019

Maioria de fiéis acredita em anjos e demônios

Anjo tira do pecado e leva a Nossa Senhora
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs






Para 77% dos adultos americanos, a existência e atividade dos anjos em torno dos homens é uma verdade muito real.

Foi o que revelou uma enquête da Associated Press e da GfK, após ouvir 1.000 pessoas no mês de dezembro.

Para 88% dos consultados, a fonte dessa convicção é a religião cristã, noticiou a agência CNSNews.

Mas a crença nos anjos é compartilhada pela maioria dos não cristãos.

Inclusive mais de quatro de cada 10 americanos que jamais assistem a um serviço religioso acreditam na existência dos espíritos, celestes ou infernais.

quarta-feira, 19 de junho de 2019

Corpus Christi: milagre eucarístico de Alcalá de Henares


Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs






Há mais de quatro séculos todo ano a cidade de Alcalá de Henares, perto da capital espanhola Madri, leva em solene procissão pelas ruas a Custodia das Santas Formas desde a paróquia de Santa Maria Mor, onde se conservam 24  hóstias até a catedral, noticiou “Infocatólica”.

A belíssima Custódia tem uma forma peculiar. Pois foi feita para expor à piedade pública um grande número de hóstias de tamanho normal, como as destinadas à comunhão dos fiéis, e não uma grande hóstia.

Isso se deve ao milagre que comemora esta procissão.

No fim do traslado processional da custódia, o bispo diocesano celebra a Missa e depois preside uma vigília de oração com as Sagradas Formas Expostas.

No domingo, após a celebração de vésperas na Catedral, se realiza uma nova procissão solene de retorno à capela das Santas Formas na igreja de Santa Maria Mor. Ela culmina com a bênção do Santíssimo no pátio do Palácio Arcebispal.

terça-feira, 18 de junho de 2019

Na festa de Corpus Christi, o hino “Ave Verum”
(“Salve, ó verdadeiro corpo”)

Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs







Na Idade Média foram compostas muitas músicas e poesias religiosas em louvor do Santíssimo Sacramento.

Esta grande devoção teve, aliás, imenso incremento no período medieval.

Podemos então dizer que ela ‒ aperfeiçoada pela Contra-Reforma ‒ chegou até nós impregnada do perfume da Idade Média.

A presencia real de Nosso Senhor Jesus Cristo, em Corpo, Sangue, Alma e Divindade na Sagrada Eucaristia está fundamentada nas próprias palavras de Cristo na Última Ceia: “Este é meu corpo, esta é minha sangue”.

A Fé na presença real de Cristo na Eucaristia foi professada universalmente por toda a Igreja desde sua fundação.

Só com o protestantismo que apareceram contestações, aliás mais próximas da chicana do que qualquer outra coisa. Foram sobejamente refutadas pelos Doutores e notadamente pelo Concílio de Trento.

terça-feira, 11 de junho de 2019

De joelhos, sozinho, na meia luz e no silêncio ante o Santíssimo Sacramento


Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs





Neste ano a festa de Corpus Christi se comemora o dia 20 de junho.



O maná que Deus enviou para alimentar os judeus durante a travessia do deserto, após abandonar o Egito sob a direção do profeta Moisés rumo à Terra Prometida, mudava de gosto.

Por causa disso diante do Santíssimo Sacramento exposto, antes de dar a bênção, o padre ajoelhado usando uma muito bonita capa pluvial cantava: Panem de caelo, prestistis eis alelluia, Vós destes a eles pão do Céu, aleluia. Quer dizer, o maná.

O coro respondia: Omne delectamentum in se habentem, alelluia, Que tinha em si todos os sabores aleluia.

Isso fazia parte daquela distinção, daquela classe, daquela categoria, de uma bênção do Santíssimo Sacramento bem dada.

Com o Santíssimo resplandecente dentro de um sol de ouro, a interlocução entre o oficiante e o povo representado pelo coro, era esta: vós destes a eles um pão do Céu.

E o coro respondia: que contém em si todos os sabores.

terça-feira, 28 de maio de 2019

Rosto de Jesus apareceu em hóstia consagrada

Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs





Na paróquia da Imaculada Conceição, na cidade de Tigre, diocese de San Isidro, na Grande Buenos Aires, o rosto de Jesus Cristo, tal como é visto no Santo Sudário de Turim, apareceu na hóstia que um sacerdote acabara de consagrar, causando grande surto de piedade entre os fiéis, noticiou a agência ACIPrensa.

O fato foi também testemunhado por leigos, enquanto o sacerdote caía de joelhos e exclamava com voz forte: “Eu não sou digno!”.

Diversos depoimentos foram lavrados e encaminhados ao bispo, que fez o inquérito devido e reconheceu publicamente a autenticidade sobrenatural do prodígio.

Um outro sacerdote presente afirmou:

“Era o rosto gravado no Santo Sudário. Via-se muito bem um Cristo com os olhos fechados, morto, próprio à Sexta-Feira Santa”.

Numa época em que o inferno multiplica as ofensas contra a Igreja e o Santíssimo Sacramento, Nosso Senhor mais uma vez patenteou, com a severidade do rosto do Santo Sudário, a presença real na hóstia consagrada.

O fenômeno milagroso se deu na paróquia da Imaculada Concepção, uma capela do tempo do vice-reinado, na localidade de Tigre.

segunda-feira, 13 de maio de 2019

13 de outubro: Fátima, a crise mundial e a solução

Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs






“Não há sobre a Terra uma só nação que não esteja a braços, em quase todos os campos, com crises gravíssimas.

“Se analisarmos a vida interna de cada país, notaremos nele um estado de agitação, de desordem, de desbragamento de apetites e ambições, de subversão de valores que, se já não é a anarquia franca, em todo o caso caminha para lá.

“Nenhum estadista de nossos dias soube ainda apresentar o remédio que corte o passo a esse processo mórbido, de envergadura universal.

“Mas, para a gravidade desta crise universal, a mensagem de Nossa Senhora de Fátima abre os olhos dos homens, apresentando-lhes uma explicação à luz dos planos da Providência Divina, e também indicando-lhes os meios necessários para evitar a catástrofe.

terça-feira, 30 de abril de 2019

Heroico sacerdote entre as chamas de Notre Dame

O Pe. Jean-Marc Fournier resgatou a Santa Coroa de espinhos de Jesus Cristo © Etienne Loraillère-KTOTV
O Pe. Jean-Marc Fournier resgatou a Santa Coroa de espinhos de Jesus Cristo
© Etienne Loraillère-KTOTV
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs






O Pe. Jean Marc Fournier é capelão-chefe dos bombeiros de Paris. Ele foi formado na Fraternidade Sacerdotal São Pedro e também foi capelão das tropas francesas em ação no Afeganistão.

Os bombeiros na Franca estão na área militar e por isso quando passou a se desempenhar como capelão deles, também passou canonicamente da Fraternidade São Pedro à jurisdição militar.

Ele se encontrava de plantão no momento que estourou a alarme pelo incêndio de Notre Dame e acorreu com os bombeiros para cumprir seus deveres sacerdotais para com os socorristas e eventuais vítimas.

Mas ele discernia que a principal vítima do fogo poderia ser o próprio Jesus Cristo presente verdadeiramente no Ssmo Sacramento. E, em graus diversos menores nas preciosas relíquias custodiadas na catedral de Paris.

Nesta nossa época de tanto indiferentismo e relativismo, e até ateísmo, a Divina Vítima corria o risco de ser esquecida até pelos seus custódios naturais que são as autoridades eclesiásticas da catedral presididas pelo Cardeal arcebispo de Paris.

Ninguém tinha feito qualquer coisa por Ele.

O que fazer à vista da ferocidade do incêndio? O Pe. Fournier revelou uma coragem inspirada pela Fé que superou todos seus atos sacerdotais no Afeganistão entre as tropas que combatiam os fanáticos islâmicos.

Ele contou tudo à TV católica francesa KTO. Ouçamos seu próprio relato:

terça-feira, 16 de abril de 2019

Acompanhando a Jesus pela Via Sacra em Jerusalém

Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs






A Via Sacra ‒ também conhecida como Via Crucis, Estações da Cruz ou Via Dolorosa ‒ é uma devoção que consiste numa peregrinação espiritual ajudada por uma série de quadros ou imagens que representam cenas da Paixão de Cristo.

A Via Sacra mais conhecida hoje é a rezada no Coliseu de Roma, na Sexta-Feira santa, com a participação do próprio Papa.

As imagens representando as cenas da Paixão podem ser de pedra, madeira ou metal, pinturas ou gravuras. Elas estão dispostas a intervalos nas paredes ou nas colunas da igreja.

domingo, 14 de abril de 2019

A entrada de Jesus em Jerusalém no Domingo de Ramos

Jesus entrou num humilde burrico
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs








No Domingo de Ramos, comemora-se a entrada triunfante de Nosso Senhor Jesus Cristo em Jerusalém.

No andor principal Nosso Senhor entra sobre um burrico na Cidade Santa.

No andor seguinte, a Mãe de Deus contempla a tragédia que se avoluma.

A entrada de Jesus em Jerusalém, no Domingo de Ramos, patenteia quanto o povo O apreciava incompletamente.

Aclamavam-No, é verdade, mas Ele merecia aclamações incomensuravelmente superiores, e uma adoração bem diversa!

Humildemente sentado num burrico, Ele atravessava aquele povo, impulsionando todos ao amor de Deus.

Em geral, as pinturas e gravuras O apresentam olhando pesaroso e quase severo para a multidão.

Para Ele, o interior das almas não oferecia segredo.

Ele percebia a insuficiência e a precariedade daquela ovação.

terça-feira, 2 de abril de 2019

Mãe: amor, afeto, bondade e misericórdia

Mãe. Robert Walter Weir (1803 – 1889)
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs








A palavra família indica uma pluralidade de pessoas.

Mas há outra palavra, de especial significado, que indica uma só pessoa: mãe.

Mãe é a quintessência da família, porque é a quintessência do amor, a quintessência do afeto; e, nessas condições, a quintessência da bondade e da misericórdia.

Assim, a alma da criança em contato com a mãe começa a compreender o que é a bondade que não se cansa, o que é a graça, o favor, o amor que não se exaure.

E também aquela forma de afeto que inclina a mãe a jamais achar tedioso estar com o filho.

Carregar seu filho nos braços, brincar com ele, soltá-lo no chão, vê-lo correr de um lado para outro, ser importunada por ele incontáveis vezes durante o dia com perguntinhas, com brinquedinhos.

terça-feira, 19 de fevereiro de 2019

São Pedro Julião Eymard e o amor apaixonado pela Eucaristia

São Pedro Julião Eymard , fundador dos padres sacramentinos
São Pedro Julião Eymard , fundador dos padres sacramentinos
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs






“Nosso Senhor quer estabelecer em nós um amor apaixonado por Ele.

“Toda virtude, todo pensamento que não se termina em uma paixão, que não acaba por tornar-se uma paixão, nada de grande produzirá jamais. (...).

“O amor só triunfa quando é em nós uma paixão vital. Sem isso, podem produzir-se atos isolados de amor, mais ou menos frequentes; a vida não é tomada, não é dada. (...).

“Na Sagrada Eucaristia, decerto, Nosso Senhor ama-nos com paixão, ama-nos cegamente, sem pensar em Si, devotando-Se inteiramente por nós: é preciso corresponder-Lhe.

“Nosso amor, para ser uma paixão, deve sofrer as leis das paixões humanas.

“Falo das paixões honestas, naturalmente boas; pois as paixões são indiferentes em si mesmas; nós as tornamos más quando as dirigimos para o mal, mas só de nós depende utilizá-las para o bem.

“Ora, a paixão que domina um homem, concentra-o.

“Tal homem quer chegar a uma determinada posição honrosa e elevada. Só para isso trabalhará: dez, vinte anos, não importa.

“Chegarei, diz ele; faz unidade: tudo se acha reduzido a servir esse pensamento, esse desejo, deixa de lado tudo quanto não o conduzisse a seu objetivo.

terça-feira, 5 de fevereiro de 2019

Propaganda que explora saudades do passado revela tendências sociais e religiosas do futuro

Pão, foie gras, confitura, licor, a promessa de sucesso é que 'são feitos como antes'
Pão, foie gras, confitura, licor, a promessa de sucesso é que 'são feitos como antes'
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs






O marketing ou técnica (nem sempre muito veraz nem leal) para empurrar a venda de um produto, está obrigado a impressionar os eventuais compradores.

Com esse objetivo procura sondar as apetências profundas dos consumidores para atrai-los (ou engana-los).

E as empresas de marketing constataram que no momento presente é ledo engano achar que as apetências profundas do público evolucionam a uma velocidade vertiginosa para o mais moderno, recusando a tradição, o passado e os gostos antigos que evocam tempos antigos.

Hoje essas empresas estão adaptando suas propagandas (ou enganações) ao denominado “marketing da nostalgia”, isto é procuram apresentar “marcas que apostam no retorno às origens”.

terça-feira, 4 de setembro de 2018

O milagre do terço em Hiroshima:
Nossa Senhora de Fátima salvou os missionários

Os padres Hugo Lassalle (Superior dos jesuítas no Japão), Hubert Schiffer,
Wilhelm Kleinsorge e Hubert Cieslik [assinalados no círculo da foto]
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs






No dia 6 de agosto de 1945, solenidade da Transfiguração de Nosso Senhor e praticamente no fim da II Guerra Mundial, a aviação americana lançou sobre a cidade de Hiroshima, no Japão, a bomba atômica “Little Boy”, de urânio, que provocou a morte de 140 mil pessoas, mais de 70 mil feridos, e grande parte da cidade destruída.

Três dias depois, a mesma aviação lançou a bomba nuclear de plutônio, “Fat Man”, sobre a cidade de Nagasaki. Essa bomba destruiu a catedral da Imaculada Conceição, matando muitos católicos que estavam no templo.

Foi a primeira e única vez em que armas nucleares foram usadas contra alvos civis.

Devido à radiação, entre dois a quatro meses após os ataques atômicos, os efeitos agudos das explosões mataram entre 90 e 166 mil pessoas em Hiroshima, e 60 a 80 mil em Nagasaki.

Durante os meses seguintes, várias pessoas morreram por causa do efeito de queimaduras, envenenamento radioativo e outras lesões, que foram agravadas pelos efeitos da radiação.

Nesse terrível cenário, ocorreu nessa cidade um fato surpreendente, que passou a ser conhecido como o “Milagre de Hiroshima”: quatro sacerdotes jesuítas alemães sobreviveram à catástrofe, inclusive a seus efeitos, apesar de estarem muito perto do local onde a bomba explodiu.

segunda-feira, 27 de agosto de 2018

Argentina: Batalha vitoriosa
numa “guerra religiosa” que não terminou

Duas multidões pro e contra se enfrentam com slogans e cânticos diante do Congresso
Duas multidões pro e contra se enfrentam com slogans e cânticos diante do Congresso
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs









A recusa do aborto pelo Senado argentino revelou a dimensão de um dos maiores conflitos religiosos de nossa época

“Sou católica apostólica romana, e não me envergonho disso” — explicou Cristina Fiore Viñuales, senadora da Província de Salta, na Argentina, para encerrar sua douta justificação técnica para a recusa ao projeto de aborto, no dia 8 de agosto último.

Adolfo Rodríguez Saá, senador pela Província de São Luís, foi também enfático:

Ouvi durante o debate uma permanente condenação à Igreja Católica; e os que pensamos como católicos não somos respeitados. [...] Eu vim aqui defender minhas convicções de católico apostólico e romano”.

Não foram estes os únicos.

A mesma queixa era frequente até mesmo em partidos políticos conflitantes entre si, e a voz das ruas não cessava de repetir: “Dizem que não temos direito a falar porque somos católicos”.

segunda-feira, 20 de agosto de 2018

Sacerdotes australianos preferem prisão a violar o secreto da confissão

Simpósio da Fraternidade Australiana do Clero Católico: o segredo sacramental “é Lei Divina, que a Igreja não tem poder para dispensar”.
Simpósio da Fraternidade Australiana do Clero Católico: o segredo sacramental
“é Lei Divina, que a Igreja não tem poder para dispensar”.
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs






O Pe. Michael Whelan, pároco de St. Patrick, em Sydney, esclareceu de público que o Estado não pode constranger os sacerdotes católicos a praticarem o mais grave dos crimes. “Não estou disposto a isso”, disse.

E acrescentou que ele e outros sacerdotes estão “dispostos a ir ao cárcere” antes que romper o segredo de confissão, noticiou a agência ACIPrensa.

A Igreja não está por cima da lei, mas “quando o Estado mina a essência do que significa ser católico, resistiremos”.

O Pe. Whelan falou após a Assembleia Legislativa do Território de Canberra aprovar lei obrigando os sacerdotes a transgredir o segredo da confissão nos casos envolvendo algum abuso sexual. A norma entrará em vigor no dia 31 de março de 2019.

O território de South Australia aprovou lei similar e Nova Gales do Sul estuda norma parecida.

Em South Australia, o Administrador Apostólico da Arquidiocese de Adelaide, Mons. George O’Kelly, afirmou que “os políticos podem mudar a lei, mas nós não podemos mudar a natureza do confessionário, onde o sacerdote representa a Cristo”.

O Arcebispo da cidade por isso disse que essa lei não pode ser aplicada.