terça-feira, 19 de novembro de 2019

Rimini: onde até a mula se ajoelhou ante a Eucaristia

Santo Antonio de Pádua e o milagre da mula, Joseph Heintz o jovem (1600-1678)
Basilica dei Santi Giovanni e Paolo, Veneza
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs







Santo Antônio de Pádua (1195 — 1231) pregou enfrentando grandes contrariedades e lutas.

A Igreja era fortemente contestada por movimentos heréticos que não aceitavam a presença real de Nosso Senhor na Eucaristia, segundo lembrou a agência Zenit.

Entre esses opositores militavam hereges cátaros, patarines e valdenses.

Na cidade italiana de Rimini, o líder do erro cátaro, de nome Bonovillo, foi particularmente insultante.

Por volta do ano 1227 ele desafiou a Santo Antônio que provasse com um milagre a presença real do Corpo de Cristo na Eucaristia.

A provocação resultou no famoso “milagre eucarístico de Rimini”, ou “milagre da mula”, acontecido nessa capital da Emília-Romagna.

O desafio e o milagre conseguinte ficaram consignados em vários livros históricos – entre os quais o Begninitas, uma das primeiras fontes sobre a vida do santo – que narram episódios análogos acontecidos também em Toulouse e em Bourges.

A igreja que lembra o milagre e
na frente o templete no local exato da praça
A antiga biografia A Assídua traz as palavras exatas de Bonovillo no ‘desafio’, citadas pelo site “Miracoli Eucaristici”:

“Vou manter trancada – disse ele – uma das minhas bestas por três dias, para lhe fazer sentir a pontada da fome.

“Depois de três dias, vou trazê-la a público e vou lhe mostrar a comida preparada.

“Você virá com o que você acha que é o Corpo de Cristo.

“Se o animal, negligenciando a forragem, se apressar em adorar o teu Deus, compartilharei a fé da tua Igreja”.

Teria sido imprudente aceitar uma provocação de tão baixo nível, mas o santo agiu com inspiração sobrenatural.

O encontro foi marcado na Praça Grande (atual Praça dos Três Mártires), atraindo uma multidão enorme de curiosos.

No dia combinado, Bonovillo apareceu com a mula e com a cesta de forragem.

Após ter celebrado a Missa, chegou Santo Antônio à praça, trazendo em procissão a Hóstia consagrada dentro do ostensório.

Voltando-se para a mula, disse estas palavras:

“Em virtude e em nome do seu Criador, que eu, embora indigno, seguro em minhas mãos, digo-te e ordeno-te:

“avança prontamente e presta homenagem ao Senhor com o devido respeito, para que os ímpios e hereges entendam que todas as criaturas devem se humilhar diante de seu Criador, a quem os sacerdotes seguram nas mãos sobre o altar”.

Santo Antonio e o milagre da mula que adorou o Santíssimo Sacramento,
anônimo, Museu do Prado
O animal, apesar de esgotado pela fome, deixou de lado o feno, e aproximou-se para adorar a hóstia consagrada.

A mula inclinou os joelhos e a cabeça, provocando a admiração e o entusiasmo dos presentes.

O blasfemo oponente, ao ver o milagre, jogou-se aos pés de Santo Antônio e abjurou publicamente os seus erros, tornando-se a partir daquele dia um dos mais fervorosos cooperadores do Santo.

Em memória desse episódio foi construída na Praça Três Mártires uma igrejinha dedicada a Santo Antônio com uma capela que a precede, obra de Bramante (1518).

A capela, no entanto, foi arrasada durante a Segunda Guerra Mundial.

Hoje, ao lado do Santuário de São Francisco de Paula, pode-se visitar uma nova igreja denominada templete, consagrada no dia 13 de abril de 1963 em substituição à originária.

Um tabernáculo de prata dourada reproduz o pequeno templo exterior, e um painel do altar em bronze mostra o milagre da mula.

A igrejinha é sede da Adoração Eucarística perpétua.

O milagre da mula aparece representado na iconografia de Santo Antônio desde o século XIII.

O milagre também impulsionou o movimento eucarístico que deu na instituição da festa solene do Corpus Christi pelo Papa Urbano IV em 1264.


terça-feira, 12 de novembro de 2019

Imagem de Nossa Senhora Aparecida
inexplicavelmente ilesa em incêndio

Dono de oficina destruída crê em milagre após imagem de Nossa Senhora resistir a incêndio
Dono de oficina destruída crê em milagre após imagem de Nossa Senhora resistir a incêndio
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs









Uma imagem de Nossa Senhora Aparecida foi a única peça que resistiu ao incêndio que destruiu uma oficina mecânica na noite de segunda-feira 4 de novembro (2019), em Santa Cruz do Rio Pardo (SP), a 340 km de São Paulo, informou G1 da Globo.

Para Marco Roberto Pellegatti, 58, dono da oficina, o fato de a estatueta sair ilesa das chamas reforça sua fé em um milagre.

Ele lembra que até um extintor de incêndio próximo à imagem acabou derretido com o calor.

Havia também um botijão de gás que, apesar do fogo intenso, não explodiu. “Seria uma tragédia bem maior, a explosão do botijão faria vítimas no quarteirão”, afirma.

Acima: assim estava a Imagem antes do incêndio. Embaixo como ficou o local na oficina
Acima: assim estava a Imagem antes do incêndio.
Embaixo como ficou o local na oficina
“Ela [Nossa Senhora Aparecida] estava ali há três anos, desde quando reformei o prédio. Sempre a deixava por perto, Nossa Senhora já me salvou de muitas coisas.

“Para mim, foi ela que nos iluminou para que ninguém estivesse na oficina na hora do fogo e se ferisse”, disse o comerciante.

“O fogo consumiu quase tudo por mais de duas horas. Intacto ficou apenas o que tinha no escritório.

“Quando eu cheguei para abrir a oficina aos bombeiros, o fogo já tinha queimado praticamente tudo, menos uma das imagens que tenho de Nossa Senhora. Ela resistiu para mostrar que eu posso recomeçar tudo outra vez”, transmitiu UOL Notícias.

Apesar dos prejuízos, o dono da oficina estava feliz por poder ter levado a imagem de Nossa Senhora para sua casa, praticamente intacta.

“O incidente não vai abalar minha fé em Nossa Senhora Aparecida, confio totalmente nela. Ninguém se feriu, os danos foram só materiais. Pelo menos ela continua comigo”, diz Pellegatti, devoto da santa e que todo ano viaja a Aparecida do Norte.

Completamente feita de gesso, a imagem foi comprada no Santuário Nacional de Aparecida, acrescentou a SBT.

A imagem foi resgatada pelo sargento da Polícia Militar Luiz Roberto da Silva, que comandou a equipe de PMs durante o combate às chamas.

O sargento Luiz Roberto admite que se emocionou ao resgatar a imagem. Segundo ele, ao perceber que ela resistiu ao calor e à explosão, só pensou em devolvê-la ao dono da oficina.

O sargento conta que encontrou a imagem no altar na parede da oficina:

Quando os bombeiros chegaram o fogo já tinha derretido tudo
Quando os bombeiros chegaram o fogo já tinha derretido tudo
“A gente que tem fé se emociona também, contou o PM. Geralmente num incêndio dessas proporções, derrete tudo, mas a santa estava forte, em pé, mostrando como devemos ficar na hora das adversidades da vida”, acrescentou à UOL.

Na oficina o fogo destruiu dois carros, uma moto, equipamento de mecânica e quatro empilhadeiras.

Os bombeiros não conseguiram fazer nada e não sabem de onde partiu o fogo.

O incêndio também provocou uma explosão na oficina. Imagens cedidas à TV TEM mostram o momento em que uma luz forte atinge o local e pessoas saem correndo, fugindo das chamas.

Além da oficina, as chamas também se espalharam para uma empresa de locação de máquinas que fica ao lado do estabelecimento.

O prejuízo está próximo de R$ 1 milhão.

O mundo poderá pegar fogo. Mas, perto de Nossa Senhora
como filhos temos proteção garantida
“Tinha diversos equipamentos que foram consumidos pelas chamas, uma caminhonete S-10 queimou inteira, o prédio em si sofreu um abalo muito forte. Os extintores derreteram com a intensidade do fogo.

“No escritório não queimou nada, o computador, os papéis, a outra imagem de Nossa Senhora que tenho, nem parece que teve fogo no prédio”, narra o proprietário, citado por S2Notícias.

Pellegatti estava inconformado em ver o resultado do trabalho de uma vida inteira ter virado cinzas, quando o policial comovido retirou dos escombros a imagem praticamente intacta e a entregou.

O mundo poderá pegar fogo.

Mas, perto de Nossa Senhora como filhos

temos proteção garantida.
“Inteira, apenas chamuscada, não sei se foi uma mensagem dela, mas sei que foi uma intercessão, mais um milagre dela em minha vida”, afirmou.

Apesar da tristeza, Pellegatti vai recomeçar. “Já estou aqui, limpando tudo, com a ajuda de amigos, voltamos ao começo, mas vamos resistir, minha fé me diz para não parar”, afirma.

O mecânico relata: “trabalho desde os 17 anos, sempre com a proteção Nossa Senhora, intercedendo por mim e me guiando nos caminhos da vida, vai continuar sendo assim, perdi quase tudo, mas tenho a vida, a saúde e minha fé”.


Veja mais casos em: Imagens intocadas em catástrofes

terça-feira, 5 de novembro de 2019

Melk, o berço da Áustria




Carlos Eduardo Schaffer, Correspondente - Áustria




Parece uma fortaleza ou um palácio, que surpreende e encanta a quem o vê repentinamente no alto de um penhasco.

Fixando mais atentamente a vista, parece no entanto distinguir-se junto ao parapeito alguma pessoa com hábito religioso, que meditativamente contempla o Danúbio no vale vizinho, as colinas e os campos. Estamos diante da abadia beneditina de Melk, considerada o berço da Áustria.

Em 976, Leopoldo I, da estirpe bávara dos Babenberg, recebeu do imperador Oto II, em recompensa por seus serviços, o território denominado Marca de Ostarrichi.

Leopoldo escolheu Melk como sede do governo, e enquanto ele regia o território, a seu lado os monges oravam.

A grandeza abacial e sua sabedoria irradiaram sua influência sobre vastas regiões circunvizinhas. Vinte e oito paróquias são ainda hoje atendidas por seus monges.

Ao longo dos séculos ela catequizou, formou, assistiu as populações, resistiu aos ataques inimigos.

A guerra civil protestante de 1597 investiu contra esse símbolo da presença papal em terras austríacas, que foi sitiado pelos protestantes durante a Guerra dos Trinta Anos.

Mas resistiu ao cerco, e os adversários não conseguiram arruiná-lo.

Napoleão ocupou-o em 1805 e 1808.

Deixou-o quase intacto, danificando apenas seu quarto de dormir, onde queimou no chão papéis comprometedores, indiferente ao esplendor dos edifícios.

O edifício representa bem hoje o que foi a Áustria por quase mil anos, desde os Babenberg, passando pelo Sacro Império Romano Alemão e Império Austro-Húngaro.

Ele simboliza a união entre clero, governantes e sociedade civil, a supremacia dos ensinamentos perenes da Santa Igreja, bem como a benéfica e pacífica influência civilizadora da Igreja sobre o povo.


(Fonte: “Catolicismo” agosto de 2010).

terça-feira, 29 de outubro de 2019

Indulgências na visita aos defuntos
e "Os corpos dos santos repousam em paz"

Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs




Indulgências na visita ao cemitério na Comemoração de Todos os Fiéis Defuntos, ou DIA DE FINADOS (2 de novembro)


Segundo o “Manual das Indulgências – normas e concessões”, Enchiridion Indulgentiarum (3ª ed., maio de 1986). Tradução CNBB. Revisão Edson Gracindo


13.Visita ao cemitério

Ao fiel que visitar devotamente um cemitério e rezar, mesmo em espírito, pelos defuntos, concede-se indulgência aplicável somente às almas do purgatório.

Esta indulgência será plenária, cada dia, de 1 a 8 de novembro; nos outros dias do ano será parcial


Normas sobre as indulgências

1. Indulgência é a remissão, diante de Deus, da pena temporal devida pelos pecados já perdoados quanto à culpa, que o fiel, devidamente disposto e em certas e determinadas condições, alcança por meio da Igreja, a qual, como dispensadora da redenção, distribui e aplica, com autoridade, o tesouro das satisfações de Cristo e dos Santos.

(...)

21. Parágrafo 1. A indulgência plenária só se pode ganhar uma vez ao dia. (...)

23. Parágrafo 1. Para lucrar a indulgência plenária, além da repulsa de todo o afeto a qualquer pecado até venial, requerem-se a execução da obra enriquecida da indulgência [N.R.: neste caso, a visita ao cemitério] e o cumprimento das três condições seguintes:

1 – confissão sacramental,

2 – comunhão eucarística e

3 – oração nas intenções do Sumo Pontífice.

(...)

23 Parágrafo 5. A condição de rezar nas intenções do Sumo Pontífice se cumpre ao se recitar nessas intenções um Pai-nosso e uma Ave-Maria, mas podem os fiéis acrescentar outras orações conforme sua piedade e devoção.


A “escada milagrosa” de São José
é verdadeiramente miraculosa?

A escada inexplicável cuja construção a piedade atribui a a São José
A escada inexplicável
cuja construção a piedade atribui a São José
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs






Há na cidade de Santa Fé, no Estado do Novo México, EUA, uma capela conhecida como Loretto Chapel.

Nela destaca-se uma bela e despretensiosa escada.

A piedade tradicional atribui a construção a São José.

Mas, quem a fez? Como a fez? Ninguém consegue descifrar o mistério da "escada milagrosa".

A piedosa tradição

Em 1898 a Capela passou por uma reforma. Um novo piso superior foi feito, porém faltava a escada para subir.

As Irmãs consultaram os carpinteiros da região e todos acharam difícil fazer uma escada numa Capela tão pequena.

As religiosas, então, rezaram uma novena a São José para pedir uma solução.

No último dia da novena, apareceu um homem com um jumento e uma caixa de ferramentas. Ele aceitou fazer a escada, porém exigiu que fosse com as portas fechadas.

Meses depois a escada estava construída como queriam as Irmãs. No momento de pagar o serviço, o homem desapareceu sem deixar vestígios.

terça-feira, 8 de outubro de 2019

Alatri: milagre da Hóstia Encarnada ratificou o dogma da Transubstanciação

Restos da Hóstia profanada e restituída duram até hoje
Restos da Hóstia profanada e restituída duram até hoje
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs






Em Alatri, Itália, o 13 março de 1228 se comemorou com nota especial o solene ato em que o Papa Inocêncio III, acompanhado pelo IV Concilio Lateranense, proclamou o dogma da Transubstanciação usando, por vez primeira, esse termo especifico e hoje obrigatório.

Naquele ano de 1228, o Papa Gregório IX publicou a Bula “Fraternitatis tuae” (13.3.1228) recolhendo os elementos essenciais do milagre eucarístico acontecido em Alatri.

Esse foi uma confirmação sobrenatural da proclamação do dogma da transubstanciação.

Um milagre que teve um efeito comparável à aparição de Nossa Senhora em Lourdes confirmando o dogma da Imaculada Conceição.

Esta verdade de Fé da transubstanciação ensina que a fórmula da consagração, pronunciada pelo sacerdote celebrante segundo prescreve o Missal, muda eficazmente a substância do pão e do vinho que passam a ser o verdadeiro Corpo e Sangue de Cristo.

Essa definição condenou a heresia de Berengário (filósofo e teólogo de Tours, França) que negava a transubstanciação e foi condenado por diversos Concílios.

No fim, Berengário se arrependeu e morreu reconciliado com a Igreja, mas muitos de seus sequazes continuaram com a heresia causando escândalos, lutas, cismas e desordens.

terça-feira, 1 de outubro de 2019

Na festa de Santa Teresinha:
impressões de um rosto inocente

Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs



A família Martin foi uma das muitas famílias católicas que se inscreveram nas confrarias de oração para atender os pedidos de reparação e penitência feitos por Nossa Senhora em La Salette.

Santa Teresinha do Menino Jesus também fez parte delas.

No inicio de outubro, a festa desta grande santa que quis se fazer “pequena” é ocasião propícia para estas postagens em dias sucessivos.

A personalidade de Santa Teresinha numa fotografia

A esta magnífica fotografia de Santa Teresinha do Menino Jesus falta apenas o relevo, para se dizer que ela está viva.

domingo, 29 de setembro de 2019

Os Arcanjos São Miguel, São Gabriel e São Rafael
na Corte Celeste

Santos Anjos, catedral de Leeds, Inglaterra
Santos Anjos, catedral de Leeds, Inglaterra
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs







Na festa dos Arcanjos São Miguel, São Gabriel e São Rafael (29 de setembro), o primeiro se destaca como aquele que liderou a luta contra o demônio e o precipitou no inferno.

São Miguel, chefe das legiões angélicas

Ele é o chefe dos Anjos da Guarda dos indivíduos e o chefe também dos Anjos da Guarda das instituições, especialmente da Santa Igreja Católica Apostólica Romana.

Ele tem uma função tutelar dos homens nesse vale de lágrimas e nessa arena de luta que é a vida.

Deus quis servir-se dele como de seu escudo contra o demônio e quer que ele seja o escudo da Santa Igreja Católica contra o chefe infernal.

Mas um escudo que é gládio também.

Portanto, tem uma missão dupla e era considerado na Idade Média, o primeiro dos cavaleiros.

O cavaleiro celeste, leal, forte, puro e vitorioso como deve ser o cavaleiro que põe toda sua confiança em Deus e também em Nossa Senhora.

São Miguel é o nosso aliado natural nas lutas para defender a Civilização Cristã.

Dom Guéranger apresenta São Miguel como “o mediador da prece litúrgica. Deus que distribui, com uma ordem admirável, as hierarquias visíveis e invisíveis, emprega por opulência, para louvor de sua glória, o ministério desses espíritos celestes que contemplam sem cessar a face adorável do Pai, e que sabem, melhor do que os homens, adorar e contemplar a beleza de suas perfeições infinitas”.

terça-feira, 24 de setembro de 2019

A serena onipotência de Maria Auxiliadora

Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs




Esta imagem de Maria Auxiliadora transmite uma serenidade interior toda ela decorrente da temperança.

A temperança é a virtude cardeal pela qual se tem por cada coisa o grau de apego ou o grau de repúdio proporcional.

De maneira que se é inteiramente adequado e proporcional a todas as circunstâncias e situações.

Nunca se quer nada exageradamente, ou menos do que merece; nunca se detesta algo exageradamente ou menos do que merece.

A inteira execração das coisas execráveis é ditada pela virtude da temperança.

A serenidade de alma decorrente da temperança reluz muito nesta imagem.

Mas, discretamente.

Ela é tão calma, senhora de si, pronta a tomar atitude diante de qualquer coisa; tão desapegada de si que é um símbolo do equilíbrio dado pela virtude da temperança.

Por isso mesmo tem algo de virginal.

quinta-feira, 19 de setembro de 2019

173 anos depois: é a ressurreição de La Salette?

Vitral na Basílica de Lourdes
Vitral na Basílica de Lourdes
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs




Cumprem-se hoje 173 anos do anúncio solene feito por Nossa Senhora em La Salette em 19 de setembro de 1846.

Ela falou de uma grande e terrível purificação que adviria sobre o mundo, se esse antes não se arrependia e fazia penitência.

“Vinde meus filhos, disse Ela, não tenhais medo, estou aqui para vos anunciar uma grande notícia”.

“Se meu povo não quiser se submeter, fico obrigada a deixar o braço de meu Filho golpear: não posso mais segurá-lo”.

Nossa Senhora apontou como mais necessitada de emenda aquela parte do clero que afundava em assustadora decadência moral e periclitava na fé. Dessa parte da qual chovem dolorosamente cada vez mais escândalos:

Os sacerdotes, ministros de meu Filho, pela sua má vida, sua irreverência e impiedade na celebração dos santos mistérios, pelo amor do dinheiro, das honrarias e dos prazeres, tornaram-se cloacas de impureza”.

“Sim, os sacerdotes atraem a vingança e a vingança paira sobre suas cabeças. Ai dos sacerdotes e das pessoas consagradas a Deus, que pela sua infidelidade e má vida crucificam de novo meu Filho!”

“Os pecados das pessoas consagradas a Deus bradam ao Céu e clamam por vingança.

“E eis que a vingança está às suas portas, pois não se encontra mais uma pessoa a implorar misericórdia e perdão para o povo”.  
Mas Nossa Senhora não ficou nisso. Ela apontou em segundo lugar a infiltração dos inimigos de Cristo na sociedade temporal e nos postos de direção dos governos e organizações mundiais:

“Os chefes, os condutores do povo de Deus negligenciaram a oração e a penitência.

“E o demônio obscureceu suas inteligências.

“Transformaram-se nessas estrelas errantes, que o velho diabo arrastará com sua cauda para fazê-las perecer”.

“Deus permitirá à velha serpente introduzir divisões entre os que reinam, em todas as sociedades e em todas as famílias. Sofrer-se-ão tormentos físicos e morais”.

terça-feira, 10 de setembro de 2019

Milagre eucarístico de Cássia
para padre relaxado com o Santíssimo

Pedaço da folha do breviário impregnado pelo Sangue de Cristo, Cássia
Pedaço da folha do breviário impregnado pelo Sangue de Cristo, Cássia
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs






Em Cássia, na mesma basílica dedicada a Santa Rita, se conserva a relíquia de um milagre eucarístico acontecido perto de Siena em 1330.

De acordo com antigos documentos conservados no convento agostiniano de Cássia, naquele ano solicitaram a um sacerdote relaxado que levasse a Comunhão para um camponês doente.

O religioso achou melhor simplificar dispensando o cuidadoso procedimento da Igreja na condução do Santíssimo Sacramento e evitar o acompanhamento de fiéis comum nos bons tempos de piedade eucarística.

Ele colocou a hóstia consagrada entre as páginas do breviário, livro de orações que outrora os padres deviam rezar todos os dias.

Chegando junto ao doente, no momento de lhe administrar o Sacramento, ele notou que a partícula havia se transformado em sangue, embebendo as duas páginas do breviário.

terça-feira, 27 de agosto de 2019

Prédios com cúpulas ou com tetos chatos?

Nas noites, as cúpulas de Buenos Aires dão um espetáculo muito procurado
Nas noites, as cúpulas de Buenos Aires dão um espetáculo muito procurado
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs






Um atrativo inesperado move fluxos de turistas em Buenos Aires: eles procuram as elegantes ou grandes cúpulas dos prédios da cidade construídas em variados estilos arquitetônicos durante a Belle Époque, destacou reportagem de “La Nación”.

Nisto Buenos Aires acompanhou as tendências das cidades mais cultas da Europa que privilegiavam o bom gosto irmanado à hierarquia social e cultural proporcionada e harmônica.

Segundo os livros de arquitetura, Buenos Aires é a cidade das 300 cúpulas, mas calcula-se que na realidade tenha mais de 2.000 nos mais diferentes estilos.

Porém, com a entrada da modernidade os prédios de estilo caíram no desinteresse ou no abandono. Suas belas cúpulas se degradaram e algumas foram demolidas.

As novas modas pediram arranha-céus com forma de paralelepípedos de vidro de grande altura e que culminavam num teto chato sem estilo. No máximo admitia-se torres de comunicação ou para-raios.

terça-feira, 13 de agosto de 2019

A Assunção: prêmio pelos sofrimentos da co-redenção

Assunção, Fra Angelico  (1395 – 1455), Google Cultural Institute
Assunção, Fra Angelico  (1395 – 1455), Google Cultural Institute
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs








Nosso Senhor quis Ele mesmo subir aos céus contemplado pelos homens. Mas, também quis que a Assunção de Nossa Senhora para o Céu, depois da dEle, se desse diante do olhar humano.

Por quê?

Era preciso que a Ascensão fosse vista por homens que pudessem dar testemunho desse fato histórico duplo: não só de que Nosso Senhor ressuscitou, mas de que tendo ressuscitado Ele subiu aos céus.

Subindo ao Céu, Ele abriu o caminho para as incontáveis almas que estavam no Limbo esperando a Ascensão para irem se assentar à direita do Padre Eterno.

Antes de Nosso Senhor Jesus Cristo ninguém podia entrar no Céu. Ali só os anjos estavam lá.

Então Nosso Senhor, na Sua Humanidade santíssima, foi a primeira criatura – porque Ele ao mesmo tempo era Homem-Deus – que subiu aos Céus.

E enquanto Redentor nosso, Ele abriu o caminho dos Céus para os homens.

Também era preciso que Ele, que sofreu todas as humilhações, tivesse todas as glorificações.

E glória maior e mais evidente não pode haver do que o subir aos Céus.

terça-feira, 6 de agosto de 2019

60 anos depois, padres jovens retomam a batina que padres velhos jogaram fora para dar impressão de jovens

Para o simples fiel, padre sério anda de batina
Para o simples fiel, padre sério é o que anda de batina
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs








Há quase 50 anos o cardeal arcebispo de Paris, Mons. Maurice Feltin, aprovou que os padres deixassem de usar a batina em condições normais.

Sua decisão, tomada em 29 de junho de 1962, não se apresentou como doutrinária ou moral, mas pastoral, visando adaptar os costumes eclesiásticos às mutações da sociedade.

Ela significou uma mudança histórica e foi acompanhada no mesmo ano pela maioria das dioceses francesas.

O “clergyman” foi acolhido até com euforia por sacerdotes novos e “beatas” de sacristia, relembrou certa vez o colunista da revista “La Vie”, Jean Mercier em artigo sob o sugestivo título de “A veste de luz”.

Mercier insiste na “embriaguez de modernidade” daquele momento pouco anterior ao Vaticano II para se compreender que a mudança foi recebida como “verdadeira liberação”.

Aproximadamente desde o Concílio de Trento os sacerdotes usavam batina para se diferenciarem do resto dos homens.

A batina adquiriu sua forma bem conhecida no século XIX.

O entalhe foi abolido pela forma ampla de cor preta, escreve Mercier:

terça-feira, 30 de julho de 2019

Os peixes que recuperaram as formas eucarísticas

Local e mosaico do 'Milagre dos Peixes', Alboraya, Valencia, Espanha
Local e mosaico do 'Milagre dos Peixes', Alboraya, Valencia, Espanha
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs








O “milagre dos peixes” (em valenciano, língua local: miracle dels peixets) foi um prodígio eucarístico acontecido em julho de 1348, entre os atuais municípios de Alboraya e Almácera, na região autônoma de Valencia, uma das mais importantes da Espanha. Cfr. Wikipedia, verbete Milagro de los Peces.

O milagre é comemorado com uma romaria na segunda-feira de Pentecostes que vai até a capela neogótica construída em lembrança do fenômeno sobrenatural. Ela é conhecida como “Ermida do Milagre” ou também “'Ermita dels peixets”.

Centenas de fiéis da região e de cidades vizinhas comparecem para as cerimonias nessa ermida. Assim foi no último ano segundo informou o jornal regional “Las Provincias”.

No remoto ano de 1348, o pároco de Alboraya levava o Santíssimo Sacramento para os doentes. Notadamente para um mouro recém convertido de nome Hassam-Arda, gravemente ferido.

segunda-feira, 15 de julho de 2019

O escapulário de Nossa Senhora do Carmo e a mais antiga devoção marial do mundo

Nossa Senhora do Carmo, São João del Rei
Nossa Senhora do Carmo, São João del Rei
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs





A Ordem do Carmo foi fundada pelo Profeta Elias, tendo sido Santo Eliseu seu sucessor e sendo conhecida no Antigo Testamento como a “escola dos profetas”. Tal vez o próprio São João Batista tenha se ligado a ela.

Alguns acham que até Nosso Senhor Jesus Cristo os frequentou durante o período de sua vida no deserto.

O fato é que a Ordem do Carmo representa o primeiro filão da devoção marial no mundo, em virtude da famosa visão do profeta Elias de uma nuvenzinha que preanunciou uma imensa chuva após uma seca devastadora.

A nuvenzinha foi uma prefigura de Nossa Senhora, Mãe dAquele que atrairia um sem-fim de graças para o mundo.

terça-feira, 2 de julho de 2019

Onda pela vida varre os EUA

Mike Gonidakis, Sue Swayze Liebel e Eric Johnston obtiveram vitórias legislativas estaduais pela vida
Mike Gonidakis, Sue Swayze Liebel e Eric Johnston
obtiveram vitórias legislativas estaduais pela vida
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs








É uma onda na maioria dos estados dos EUA. E é uma onda pela vida, avaliou com pesar o jornal arauto do aborto “The New York Times”.

Um estado após outro aprovou amplas restrições do massacre dos inocentes neste ano, chegando à proibição quase total em Alabama, à proibição em Ohio após detectar latido fetal e à interdição em Utah após as 18 semanas.

Vários estados sancionaram leis que desafiam as proteções judiciárias federais ao aborto com júbilo dos setores conservadores e temor nas esquerdas.

Por isso, diz o “The New York Times”, o movimento antiaborto, desenvolvido durante quase cinco décadas, está mais perto do que nunca de reverter a sentença Roe vs. Wade, da Corte Suprema. que legalizou o aborto no país e serviu de modelo para o resto do mundo.

terça-feira, 25 de junho de 2019

Maioria de fiéis acredita em anjos e demônios

Anjo tira do pecado e leva a Nossa Senhora
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs






Para 77% dos adultos americanos, a existência e atividade dos anjos em torno dos homens é uma verdade muito real.

Foi o que revelou uma enquête da Associated Press e da GfK, após ouvir 1.000 pessoas no mês de dezembro.

Para 88% dos consultados, a fonte dessa convicção é a religião cristã, noticiou a agência CNSNews.

Mas a crença nos anjos é compartilhada pela maioria dos não cristãos.

Inclusive mais de quatro de cada 10 americanos que jamais assistem a um serviço religioso acreditam na existência dos espíritos, celestes ou infernais.

quarta-feira, 19 de junho de 2019

Corpus Christi: milagre eucarístico de Alcalá de Henares


Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs






Há mais de quatro séculos todo ano a cidade de Alcalá de Henares, perto da capital espanhola Madri, leva em solene procissão pelas ruas a Custodia das Santas Formas desde a paróquia de Santa Maria Mor, onde se conservam 24  hóstias até a catedral, noticiou “Infocatólica”.

A belíssima Custódia tem uma forma peculiar. Pois foi feita para expor à piedade pública um grande número de hóstias de tamanho normal, como as destinadas à comunhão dos fiéis, e não uma grande hóstia.

Isso se deve ao milagre que comemora esta procissão.

No fim do traslado processional da custódia, o bispo diocesano celebra a Missa e depois preside uma vigília de oração com as Sagradas Formas Expostas.

No domingo, após a celebração de vésperas na Catedral, se realiza uma nova procissão solene de retorno à capela das Santas Formas na igreja de Santa Maria Mor. Ela culmina com a bênção do Santíssimo no pátio do Palácio Arcebispal.