terça-feira, 23 de fevereiro de 2021

Enchente cobre o sacrário, mas hóstias saem secas e intactas em Minas Gerais

Sagrário e hóstias do milagre em Lacerdina. Foto de Carangola notícias
Sagrário e hóstias do milagre em Lacerdina. Foto de Carangola notícias
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs







Na manhã do domingo 21 de fevereiro 2021, fortes chuvas elevaram o nível do Rio Carangola que crescia desde a sexta-feira, dia 19 de fevereiro.

Elas provocaram uma enchente que deixou debaixo d’água o bairro Lacerdina, em Carangola MG, na Zona da Mata Mineira. 

O município está a 357 km de Belo Horizonte.

As águas invadiram a Capela Santo Antônio onde atingiram mais de 2 metros de altura cobrindo inteiramente o pequeno sacrário onde fica guardado o Santíssimo.

Quando essas desceram e foi se ver a dimensão do dano, aliás previsível, os moradores locais ficaram pasmos.

Capela de Santo Antônio em Lacerdina onde se deu o milagre
Capela de Santo Antônio em Lacerdina onde se deu o milagre
A água de fato cobriu totalmente o sacrário, mas as hóstias consagradas que estavam dentro dele, numa âmbula de simples vidro, permaneceram intactas e foram retiradas secas.

O fato correu pelas redes sociais. O fotógrafo Victor Marius, morador de Carangola, em seu perfil de Facebook  descreveu o acontecido dizendo “que as hóstias permaneceram intactas demonstrando como nas maiores adversidades Deus permanece o mesmo”.

É o segundo ano consecutivo que acontece a enchente, mas que esta foi “de proporções jamais vistas”, segundo Victor.

A Defesa Civil confirmou que esta foi a pior enchente registrada na cidade, deixando cerca de cinco famílias desabrigadas e dezenas de desalojados. Além de Carangola, outras cidades da região foram afetadas pelas enchentes. Cfr. ACIDigital.

Fiéis não podiam acreditar. Foto Victor Marius
Fiéis não podiam acreditar. Foto: Victor Marius
O jornal local “Carangola notícias” acrescentou que grande parte dos moradores perderam quase tudo que tinham.

O fato humanamente inexplicável não só comoveu os moradores locais mas a todos os católicos que têm fé na presença real de Nosso Senhor Jesus Cristo no Santíssimo Sacramento e motivou muito reafervoramento nesse dogma através das redes sociais.

Os Evangelhos de São Mateus 14:22-33, São Marcos 6:45-52 e em São João 6:16-21 contam que após alimentar miraculosamente uma multidão de cinco mil seguidores que tinham ido ouvir sua palavra, Jesus mandou os discípulos partir numa barca enquanto Ele ficava para rezar sozinho na noite.

Mas, eis que no mar da Galileia “quando já era boa a distância da margem, a barca era agitada pelas ondas, pois o vento era contrário”.

Os Apóstolos ficaram tomados de medo até que viram a figura do Divino Mestre caminhando sobre as águas.

Ele então lhes disse: “Sou eu, não temais”. “E subiu para a barca, junto deles, e o vento cessou”.

O prodígio de Lacerdina nos rememora aquele divino feito e nos ensina que por maiores que sejam os perigos e desgraças que o mundo passa ou venha a passar, podemos depositar nEle com certeza a nossa esperança de chegar a bom porto.


terça-feira, 16 de fevereiro de 2021

A Nossa Senhora:
um dos mais antigos cânticos da América

Nossa Senhora do Carmo, escola cusquenha
Nossa Senhora do Carmo, escola cusquenha
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs








O “Hanaq Pachaq” ‒ o “Reino dos Céus” na língua incaica ‒ é uma muito antiga obra polifônica composta no Novo Mundo e dedicada a Nossa Senhora.

É um hino para ser cantado nas procissões de ingresso na igreja.

Ele foi concebido em língua quéchua, a dos incas do Peru.

Provavelmente o autor foi um indígena. O missionário franciscano frei Juan Pérez Bocanegra fez a anotação musical.

A partitura se encontra no fim de um “Ritual formulário”, de 1631, obra do religioso. Porém, o hino foi composto anos antes, provavelmente em 1610.

No “Hanaq Pachaq” os fiéis perguntam à Mãe de Deus qual é o lugar que seu Filho reserva aos mortais no Reino dos Céus.

Igreja de São Pedro, Andahuaylillas, Peru
Igreja de São Pedro, Andahuaylillas, Peru
A versão original foi recuperada pelos padres jesuítas de Urcos ‒ Quispicanchi, Cuzco, Peru ‒ sob a direção do Pe. José María García, SJ, conhecedores do antigo quéchua litúrgico.

O manuscrito original é conservado na Biblioteca da Universidade de San Andrés, em La Paz, Bolívia.

Frei Bocanegra, pároco de Andahuaylillas, em Quispicanchi, ao sul de Cuzco, aumentou a igreja e a embelezou a ponto de ser qualificada de Capela Sistina dos Andes.

A paróquia fica frente ao morro Qoriorqo, que literalmente significa “morro de ouro”.

Igreja de São Pedro, Andahuaylillas,  onde foi cantado por vez primeira
Igreja de São Pedro, Andahuaylillas,
onde foi cantado por vez primeira
Por volta de 1610, o missionário mandou construir nela dois órgãos que ainda se conservam. Eles são os mais antigos da América Latina.

Tudo leva a crer que foi nessa capela que se cantou por vez primeira esse hino carregado de mistério, doce, profundo, revelador da capacidade dos indígenas para estabelecer uma relação muito intima com Nossa Senhora.

O sacerdote escreveu a primeira gramática fonética hispano-quéchua, além do “Ritual formulário” que contém o “Hanaq Pachaq”, hino “para ser cantado pelos cantores no momento de ingressar na igreja”.

O discípulo de São Francisco foi também Cônego Magistral da catedral de Cuzco e administrador dos imensos bens do marquesado de Oropesa de Santiago.

Ana María Lorenza de Loyola Coya e seu esposo,  Juan Enríquez de Borja, marqueses de Oropesa
Ana María Lorenza de Loyola Coya e seu esposo,
Juan Enríquez de Borja, marqueses de Oropesa
O Marquesado de Santiago de Oropesa é o título nobiliárquico outorgado pelo rei Felipe III de Espanha para a descendência real incaica por linha feminina para Maria de Loyola e Coya-Inca. Foi um dos grandes senhorios plenos da América.

HANAQ PACHAQ

HanaqPachaq kusicuinin
Ó alegria do Céu,

waranqakta much’asqayki,
Reverenciar-te-ei por todo e sempre,


yupayruru puqoq mallki,
Árvore florida que nos dás o Fruto Sagrado,

runakunaq sayakuinin
esperança da Humanidade,

kallpanaqpa quemikuinin,
fortaleza que me sustenta

waqllasqayta.
quando eu estou para cair.


Uyariway much’asqayta

Nossa Senhora do Rosário de Pomato, escola cusquenha
Nossa Senhora do Rosário de Pomato, escola cusquenha
Considera minha veneração,

Diuspa rampan Diuspa maman
minha reverência e meu pranto.

yuraq toqtoq hamanqayman,
Ó Tu, mão guiadora de Deus, Mãe de Deus,

yupasqaya qollpasqayta,
‘Amancaicito’* que desabrochas em tenras e brancas asas,

wawarkiman suyusqaita
faz a este teu filho conhecer

rikuchillay.
o local que lhe tendes reservado no Reino dos Céus.

*Amancaicito =Flor andina, parecida ao lírio branco.



Vídeo: HANAQ PACHAQ
clique na foto para ver e ouvir



terça-feira, 9 de fevereiro de 2021

Na festa de Lourdes (11 fev) Breve resumo da vida de Santa Bernadette

Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs








Bernadette Soubirous nasceu em 7 de janeiro de 1844.

No tempo das aparições seu pai, que era dono de um moinho, estava arruinado.

A família morava de graça numa cela abandonada da cadeia da cidade.

"Cachot": ex-cela onde morava a família

Nossa Senhora lhe apareceu em 11 de fevereiro de 1858, quando Bernadette colhia gravetos para esquentar a mísera cela e a mãe cozinhar uma pobre sopa.

Nossa Senhora escolheu-a porque ela era a mais ignorante de Lourdes.

Ela era uma boa menina, mas não era santa antes das aparições. 

Porém, quando começava a visão, ela se transfigurava.

E ela, simples camponesa, adquiria uma majestade que impressionava todo mundo.

Após as aparições, Santa Bernadette fez-se freira no convento de Saint-Gildard, na cidade de Nevers, onde faleceu em 16 de abril de 1879.

Seu corpo está milagrosamente incorrupto com as articulações flexíveis e pode ser venerado numa bela urna de cristal na capela do convento.

Santa Bernadette, rogai por nós!


Vídeo corpo incorrupto de Santa Bernadette Soubirous no convento de St Gildard, Nevers, França
clique na foto para ver



terça-feira, 2 de fevereiro de 2021

Milagres nos incêndios da Califórnia

Nossa Senhora das Graças imagem salva na casa da família Omlin
Nossa Senhora das Graças imagem salva na casa da família Omlin
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs






Os imensos incêndios florestais de 2020 na Califórnia trouxeram a lume muitas intervenções miraculosas do Céu. Entre elas uma muito eloquente que beneficiou a toda uma família devota do Rosário, num incêndio análogo em 2017, que interessa conhecer.

Houve ainda muitos outros exemplos nos incêndios florestais que consumiram cidades inteiras nos anos sucessivos.

Os incêndios florestais devoraram a área cultivada no norte da Califórnia e se dirigiram avidamente para a casa da família Omlin em Napa, porém a família saiu ilesa e ela acha que foi um milagre.

Escaparam com vida por poucos minutos, os Drs. Kenny e Ninve Omlin, seus dois filhos e os pais e o irmão doente do Dr. Kenny.

Eles atribuíram sua salvação à Santíssima Mãe do Rosário e a São José.

Ninve contou ao National Catholic Register que por volta das 22h seus filhos Jonas, de 2 semanas, e Noé, de 20 meses, dormiam pacificamente quando o telefone tocou.

Incêndios não pouparam casas grandes ou pequenas
Incêndios não pouparam casas grandes ou pequenas
Era a babá alertando-os que o incêndio já estava perto da casa deles. Mas o casal não percebeu esse incêndio florestal, e não pensou muito nisso.

Veio ainda uma segunda ligação que também não deram importância.

Até que o marido Kenny se virou para a esposa e disse: “Temos que ir embora”.

Os dois pegaram suas alianças de casamento e colocaram as crianças no carro e procuraram os parentes de Kenny.

Nínve ainda voltou a casa para pegar o “rosário rosa, que tenho há anos, desde a faculdade de medicina”. 

Quando chegou no carro, sua sogra Kathy estava rezando.

O fogo levou tudo nesta casa de Glen Ellen, menos a imagem de Nossa Senhora das Graças, outubro 2017
O fogo levou tudo nesta casa de Glen Ellen,
menos a Nossa Senhora das Graças, outubro 2017

Quando chegaram aos portões da propriedade eles viram o inferno. Enquanto Kathy continuava a rezar o rosário, Ninve chamou sua mãe, Shimeran: “Mãe, por favor, reze”. 

Ela fez assim e começou a receber mensagens de outras pessoas que também estavam rezando.

Mas a eletricidade acabou e o portão eletrônico não abria. 

Providencialmente, um mês antes, um reparador mostrou a Kenny como destravar e abrir manualmente os portões.

Assim chegaram à casa da babá que os alertou. 

Todos estavam rezando o rosário. Kathy nunca parou de orar.

“Sempre que há algo que não sou capaz de compreender ou descobrir ou fico estressada, começo a rezar o Rosário”, explicou ela. 

“O Rosário sempre foi meu conforto, resolvendo qualquer desafio que surgisse.”

O Departamento de Silvicultura e Proteção contra Incêndio da Califórnia relatou que mais de 51.000 acres na área foram queimados e dezenas de casas foram destruídas.

Quando os Omlins voltaram para casa a encontraram praticamente intocada da mesma maneira que a casa dos parentes.

O fogo havia avançado até a cerca de arame onde, sem nenhuma razão explicável, as chamas pararam.

Nossa Senhora de Lourdes não deixou o fogo atingi-la, em Sonoma, julho 2018
Nossa Senhora de Lourdes não deixou o fogo atingi-la,
em Sonoma, julho 2018
Ninve atribuiu isso à “oração da mãe de Kenny e oração da minha mãe”. Kenny acredita que a casa deles foi salva pelo Rosário também.

Ninve lembrou que, antes de deixar a propriedade, “orei a São José, imaginando-o parando o fogo e traçando uma linha na areia que dizia: ‘Não atravesse”.

“De um lado da cerca, tudo estava preto”, disse Ninve com espanto. “E do outro lado, nada”.

A família tinha muita devoção a São José porque está “sempre perto da Bem-Aventurada Virgem Maria”.

A mãe de Ninve procurou muito intercessão de São José e Nossa Senhora para poder obter o nascimento de seus três filhos.

A família Omlin mantinha uma grande estátua da Mãe Santíssima perto de sua propriedade. “A estátua fica perto da linha de fogo”, disse Kenny. “Ela está carbonizada. Mas, todas as estruturas estão intactas”.

“Nossa estátua da Virgem Maria parecia a Madona Negra”, acrescentou Ninve. “Na frente dela, ainda está verde. Havia uma árvore ao lado dela que estava pegando fogo e caiu no telhado dos sogros, mas nada queimou.

“Ver a estátua da Virgem Maria parada ali entre as cinzas me dá arrepios. É o poder da oração”, concluiu.


terça-feira, 26 de janeiro de 2021

A conversão de Ratisbonne exemplo de milagres que estão por vir

A miraculosa conversão de Alphonse-Marie Ratisbonne
A miraculosa conversão de Alphonse-Marie Ratisbonne
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs








Havia no século XIX, um judeu de linhagem e religião muito rico, aparentado aos Rothschild, e chamado Ratisbonne.

Ele frequentava a alta sociedade, e estava em Roma numa viagem de turismo elegante entre os meios diplomáticos e a embaixada da França.

Uma vez foi à igreja de Sant’Andrea delle Fratte com um amigo que ia encomendar uma Missa de sétimo dia, por um terceiro amigo deles que tinha falecido. Esse terceiro tinha oferecido a vida para a conversão do Ratisbonne.

Como o Ratisbonne era judeu, não entrou na sacristia e enquanto o amigo tratava com o padre, ficou na igreja perambulando de um lado para outro.

Até que diante de um altar lateral de São Miguel Arcanjo, viu Nossa Senhora aparecer-lhe.

Nossa Senhora pousava sobre um altar revestido de toalha de linho para a Missa, estava com uma coroa de Rainha, uma túnica comprida, um cinto servindo de faixa e sorria para ele, com as mãos abertas.

Tinha todas as características da invocação de Nossa Senhora das Graças.

Ele compreendeu que estava diante de uma aparição verdadeira da Mãe de Deus, pôs-se de joelhos e se converteu.

Com enorme surpresa para o outro viu que era extraordinário o judeu rezando devotamente para São Miguel Arcanjo, que era o que ele via.

Depois disso, esse homem se tornou padre e fundou a Congregação do Sion.

Madonna del Miracolo
Madonna del Miracolo
O mundo católico inteiro ficou impressionou-se com o fato enormemente. E um pintor fez um quadro de Nossa Senhora de acordo com as indicações do padre Ratisbonne.

Ele achou que o quadro correspondia de um modo muito vago à aparição. O que facilmente se pode compreender, tomando em consideração que a beleza de Nossa Senhora.

Ela não é pintável, assim como não é descritível. Ficou chamada Nossa Senhora del Miracolo pelo milagre da aparição e de tão grande conversão.

A Congregação do Sion se empenha na conversão dos judeus que conseguiu um bom número de conversões.

E que, no firmamento da Igreja Católica, representa muito adequadamente a posição da Igreja frente aos judeus, que não consiste em odiá-los, mas em desejar sobretudo a conversão deles, a extinção do judaísmo como religião e a reversão deles à Igreja Católica, que é a verdadeira continuadora da nação eleita.

Mas, no contexto doutrinário e psicológico da época, o fato tem um significado mais profundo.

No século XIX, a Revolução insistia enormemente que o homem racional não encontra fundamentos para afirmar que a Igreja Católica é verdadeira, de que Deus existe.

Portanto, a Fé é um mito como qualquer outro. Como, a mitologia romana ou grega, dos índios ou dos africanos.

Muitas almas perderam a Fé por causa dessa ofensiva, e em revide a Providência fez vários milagres em vários lugares que empolgaram a Cristandade.

Então um judeu parente dos Rothschild, rico, que não precisava de nada, declara, de repente, que viu Nossa Senhora, abandona a vida mundana, se torna religioso e funda uma Ordem para combater o judaísmo.

Alphonse-Marie Ratisbonne, sacerdote em 1865
Alphonse-Marie Ratisbonne, sacerdote em 1865
Evidentemente, era um milagre que caiu como uma gota d'água no deserto da humanidade sacudida pela impiedade.

Mais tarde, a Providência começou os milagres de Lourdes, que são a mais acentuada série de milagres na história da Igreja. Nunca, na história da Igreja houve igual.

Aparecendo ao judeu Ratisbonne, Nossa Senhora deu um golpe na Revolução que foi sumamente estratégico e bem calculado, como pisar a cabeça da serpente. O testemunho de um judeu mostrando quanto a Igreja Católica ´´e verdadeira.

Em virtude de uma lei superior da Providência, milagres assim se tornam mais frequentes na época em que são mais necessários.

Portanto, quando a situação no mundo se torna mais precária, em que a impiedade cresce, os milagres também deverão ir crescendo.

Eles poderão demorar mais, poderão demorar menos. Eles virão no tempo necessário e farão a sua obra.

Nós devemos contar com milagres para abrir caminho no meio das investidas da Revolução e chegarmos até a vitória do Reino de Maria.

Nossa época está entrando numa situação em que a ação do demônio se torna cada vez mais evidente.

As coisas estão chegando a um ápice em que algum milagre estrondoso se torna necessário.

De que natureza? Deus tem seus mistérios, que não nos cabe alcançar.

Apenas o que nós podemos é fazermos cálculos de probabilidade.

Então, como seria o milagre? Para converter alguns?

Será que um milagre como o de Pentecostes adiantaria impondo uma imensa conversão?

Deus todopoderoso poderia fazer um milagre como aparecer novas estrelas no céu, etc..

Túmulo do Pe. Ratisbonne no Mosteiro Ratisbonne, em Jerusalém
Túmulo do Pe. Ratisbonne no Mosteiro Ratisbonne, em Jerusalém

O importante é que nos mova a discordar dos maus que hoje campeiam, e discordar com altanaria, sem nos incomodarmos com o pensamento deles.

Até tomando uma ofensiva corajosa. Seria um milagre como um corolário de Pentecostes.

Em Pentecostes receberam a língua de fogo, saíram enfrentando todo o mundo. Diz os Atos dos Apóstolos, como “ébrios”.

O mundo precisa de um milagre de uma natureza ainda não prevista. Alguma coisa misteriosa, que de repente nos surpreenda e nos transforme, e faça os lutadores que foram os Apóstolos depois de terem sido os poltrões que foram.

Em Pentecostes houve além do milagre interior um estampido que se ouviu por toda a cidade. Houve, portanto, um fato interno e um fato externo.

A festa de Nossa Senhora do Miracolo é um momento oportuno para pedir esse grande milagre.

Que Nossa Senhora faça acontecer algo que remexa essas águas pantanosas, liquide essas estagnações, que dê uma brisa fresca e nova que nos faça outros, para nós podermos fazer outros os outros.



(Autor: Plinio Corrêa de Oliveira, excertos de palestra d 13.1.1972, sem revisão do Autor)


terça-feira, 19 de janeiro de 2021

20 de janeiro 1842:
a pedra se tornou filho de Nossa Senhora !!!

Igreja onde aconteceu o milagre
Igreja onde aconteceu o milagre
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs








A poucas quadras da famosa Piazza di Spagna, bem no centro históirco de Roma, e ao lado da sede da Congregação para a Evangelização dos Povos, encontra-se a igreja Sant'Andrea delle Frate.

Neste santuário deu-se um fato extraordinário: Nossa Senhora apareceu a um rico e famoso judeu, Afonso Ratisbonne, o qual portava uma Medalha Milagrosa não por devoção, convertendo-o a Cristo.

No altar em que a Virgem Santíssima (la Madonna) lhe apareceu, havia um quadro de São Miguel Arcanjo golpeando o demônio, que pode ser apreciado ainda hoje, mas em outro local da igreja.

Foi neste mesmo altar da Aparição que São Maximiliano Kolbe, falecido no tristemente famoso campo de concentração nazista de Auschwitz, celebrou sua primeira Missa no dia 29-4-1919.

O quadro da Madonna del Miracolo (Nossa Senhora do Milagre) aparece com a fronte encimada por uma coroa e por um resplendor em forma de círculo de 12 estrelas.

terça-feira, 12 de janeiro de 2021

Ferrara: o divino Sangue jorrou da Hóstia

Santa Maria in Vado, em Ferrara no ano 1171
Santa Maria in Vado, em Ferrara no ano 1171
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs







Em março de 2021, serão celebrados os 850 anos do Milagre Eucarístico de Ferrara que impressiona até hoje e movimenta romarias.

Ele aconteceu na Páscoa de 1171 (28 de março), na atual Basílica de Santa Maria, em Vado, Ferrara, Itália.

A igreja leva o nome de Santa Maria in Vado e a aldeia “Borgo Vado” porque havia uma passagem (“vado”) para cruzar o rio Ferraruolo.

A passagem não devia ser tão fácil porque desde 454 no local havia um capitel com uma imagem da Virgem Maria para se encomendar a ela.

Em 657 o capitel deixou o lugar a uma igreja e, depois do milagre eucarístico, à basílica.

Naquele ano de 1171, o Pe. Pietro de Verona, prior da Basílica, celebrava a Santa Missa da Ressurreição.

terça-feira, 5 de janeiro de 2021

Cruz salva menino de bala perdida

Tiziano mostra a ferida rodeado pelos pai
Tiziano mostra a ferida rodeado pelos pais
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs







Na passagem do ano 2020 a 2021 o garoto Tiziano Medina, de 9 anos, enquanto levava suas primas ainda menores para dentro de casa pois havia grande foguetório recebeu o impacto de uma bala perdida na rua onde mora na capital de Tucumán, estado da Argentina.

A bala foi dar numa pequena cruz metálica que levava no pescoço pendendo de uma correntinha perfurando-a, descolando-a e arrancando a corrente, mas, pela mesma razão se desviando e provocando apenas uma ferida superficial.

Tiziano foi atendido no pronto socorro do Hospital del Niño Jesús próximo. Ele foi examinado exaustivamente pelos médicos de plantão e após 48 minutos de cuidados e algumas vendagens, foi dado de alta para voltar à festa na casa.

terça-feira, 24 de novembro de 2020

Dons portentosos de Frei Galvão

Frei Galvão
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs








O Santo Frei Galvão tinha conhecimento até de certos fatos passados à distância. Episódio engraçado ocorreu com um negro de Itu que, estando doente, fizera a promessa de, uma vez curado, levar uma vara de frangos a Frei Galvão.

Desejando cumprir a promessa, amarrou numa vara doze frangos e se pôs a caminho de onde estava Frei Galvão.

Aconteceu que, no caminho, três dos frangos escaparam. Dois foram facilmente recuperados pelo homem, mas, por mais que este se esforçasse, não conseguia agarrar o terceiro, que era carijó. No afã de o prender, gritou:

— Pare aí, frango do diabo!

Na mesma hora o frango se atrapalhou na fuga, e foi fácil recuperá-lo.

Na hora de oferecer os frangos ao Santo, este os ia recebendo e agradecia um a um. Mas, quando chegou a vez do carijó, Frei Galvão disse que não o aceitava.

Ante o espanto do homem, explicou:

— Este, já o deste ao diabo.

O negro, confuso, levou de volta o carijó, e que este por certo morreu de velho, porque ninguém quereria se alimentar com carne que Frei Galvão recusara por ter sido entregue ao demônio.

terça-feira, 17 de novembro de 2020

Cemitério submarino para os 40 mártires brasileiros

Beato Inácio de Azevedo  e companheiros, Museu Pio XII, Braga, Portugal
Beato Inácio de Azevedo  e companheiros,
Museu Pio XII, Braga, Portugal
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs








O que foi dos corpos dos 40 mártires brasileiros assassinados por piratas protestantes calvinistas quando viajavam para o Brasil em 1570?

A resposta é surpreendente sobre tudo quando vem da nossa época tão descatolizada. Na ilha em ao local onde foram mortos no arquipélago das ilhas Canárias há uma placa comemorativa da memória deles com o nome de todos.

Mas em 1999 uma iniciativa de mergulhadores colocou no fundo do mar 40 cruzes de pedra no local onde foram jogados os mártires já mortos, agonizantes ou vivos.

O local não é profundo e pode ser visitado por mergulhadores que nadam no chamado “cemitério submarino”. 

Na realidade, seus restos mortais não estão mais ali, mas ficou este tributo de homenagem a esses heróis da fé.

A história que hoje foi coroada com inesperado reconhecimento começou de modo trágico em 15 de julho de 1570.

O corsário francês Jaques Souri a mando do navio de guerra Le Prince interceptou o galeão Santiago, no qual viajavam rumo ao Brasil como missionários os padres jesuítas Ignacio de Azevedo e 39 companheiros, hoje todos canonizados como mártires.

Os piratas franceses apreenderam o navio e assassinaram cruelmente os jesuítas, jogando os corpos dos clérigos ao mar.

quarta-feira, 4 de novembro de 2020

Harmonioso convívio entre príncipes e povo em Sigmaringen

A pequena cidade alemã de Sigmaringen se aconchega ao majestoso castelo dos Hohenzollern, que se ergue no alto, como descreve simpática reportagem do “Der Spiegel”.

Nela o tempo parece ter parado. Mas não é apenas uma impressão. Os Hohenzollern ‒ família que deu os ex-imperadores da Alemanha ‒ construíram o castelo onde hoje reside a rama católica da família: os Hohenzollern-Sigmaringen.

Os senhores de Sigmaringen perderam o poder político após as jornadas revolucionárias de 1848. Mas, economicamente eles continuam a ter influência, sobre propriedades rurais e sobre o grupo de empresas Hohenzollern.

terça-feira, 27 de outubro de 2020

Servo de Deus Pe. João Baptista Reus SJ: grande santidade

Pe. João Baptista Reus S.J.
Pe. João Baptista Reus S.J.
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs









[Plinio Corrêa de Oliveira fez o seguinte relato, falando a respeito do tempo em que ele era presidente da Junta Arquidiocesana da Ação Católica em São Paulo:]

Morou e morreu no seminário de São Lourenço ‒ RS, o padre jesuíta João Baptista Reus, (foto ao lado) que eu não conheci pessoalmente.

Eu fui largamente contemporâneo dele. Ele era mais velho que eu. Quando ele morreu, eu já era homem feito. Foi só um pouco antes de ele morrer que me falaram dele.

Quando morreu, me mostraram a fotografia dele. Ou eu me engano enormemente, ou esse padre foi um grande santo.

A sepultura dele no cemitério de São Leopoldo é visitada continuamente por pessoas que depositam flores, pedem graças etc.

Não há amigo nosso que vá ao Rio Grande do Sul que eu não recomende de ir à sepultura dele.

sábado, 24 de outubro de 2020

O remédio dos males: reconhecer os direitos de Cristo Rei e de sua Igreja

Cristo Rei: os Estados devem render culto público a Deus em homenagem à sua soberania universal vitral na igreja de São Miguel, Cumnor, Inglaterra
Cristo Rei: os Estados devem render culto público a Deus
em homenagem à sua soberania universal
vitral na igreja de São Miguel, Cumnor, Inglaterra





A Igreja consagra o  último domingo de outubro, à comemoração da festa de Cristo Rei.

Foi o Santo Padre Pio XI [então] gloriosamente reinante que instituiu essa solenidade a fim de reavivar entre os fiéis a lembrança da soberania de Jesus Cristo sobre as pessoas e os povos.

A verdade ensinada por Sua Santidade na Encíclica de 11 de Dezembro de 1925 não é mais do que a reprodução do que a Igreja sempre ensinou e praticou.

Pio XI veio reafirmar em pleno século XX a tradição observada sempre pela Igreja, já no tempo em que o Papa Leão III coroava Carlos Magno Imperador do Ocidente.

Já na época em que, mil anos mais tarde, o Pontífice Leão XIII ensinava na “Immortale Dei” a obrigação dos Estados renderem um culto público a Deus, em homenagem à sua soberania universal.

Mas o nosso tempo, dominado pelo laicismo, deixou de reconhecer as prerrogativas reais de Nosso Senhor Jesus Cristo.

Daí provêm todos os males da sociedade atual, por ter pretendido organizar a vida individual e social como se essa realeza não existisse, e até em oposição formal a ela.

Tal a grande apostasia de nossos tempos, que produziu os frutos amargos do orgulho e do egoísmo, no lugar da Caridade, do amor de Deus e do próximo, gerou a inveja entre os indivíduos, o ódio entre as classes, as rivalidades entre as nações.

Por isso é que no mundo moderno encontraram eco a voz de um Nietzche, endeusando o super-homem no paroxismo do orgulho, a pregação de um Marx lançando as classes sociais umas contra as outras ou a palavra alucinada de um Rosenberg incensando a pretendida raça pura dos alemães.

Só a ação social católica é capaz de remediar a todos males de nossa época, fazendo Cristo reinar na sociedade.

* * *

terça-feira, 20 de outubro de 2020

Nossa Senhora das Graças intacta em explosão de Beirute

Nossa Senhora da Medalha Milagrosa intacta em Beirute
Nossa Senhora da Medalha Milagrosa intacta em Beirute

Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs








O estouro de 2.700 toneladas de nitrato de amônio – substância usada para fabricar explosivos – no porto de Beirute no dia 4 de agosto teve a potência destrutiva de uma pequena bomba atômica.

Meia cidade foi abalada, os mortos e desaparecidos foram da ordem de 200, os feridos por volta de 6.000 enquanto foram destruídas ou danificadas 250.000 residências, sem contar a rede de serviços públicos.

Após a explosão foram descobertas diversas imagens, sobretudo de Nossa Senhora das Graças assombrosamente intactas, inclusive instaladas em nichos públicos sobre as ruas e expostas às ondas expansivas.

Destacou-se uma também dedicada à Medalha Milagrosa montada num nicho sem proteção alguma se projetando sobre a rua num primeiro andar.

Ela estava completamente intacta entre fios elétricos arrebentados e ferros retorcidos. A foto foi divulgada inicialmente na conta twitter @maronitas_es, noticiaram agências religiosas como Infocatólica.

domingo, 11 de outubro de 2020

Nossa Senhora Aparecida: luz de todas nossas esperanças

Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs








Na atual encruzilhada que o País atravessa, mais do que nunca necessitamos da proteção de nossa Augusta Rainha e Padroeira, cuja festa é comemorada no dia 12 deste mês.

Em 31 de maio de 1931, Nossa Senhora Aparecida foi proclamada Rainha e Padroeira do Brasil. No ano anterior, no dia 16 de julho, Ela já havia recebido do Papa Pio XI esses gloriosos títulos.

A solene proclamação ocorreu na Esplanada do Castelo, no Rio de Janeiro (então capital do País), depois de esplendorosa procissão com a milagrosa Imagem da Virgem Mãe Aparecida, com a participação de todos os bispos brasileiros, do Chefe de Estado, ministros, autoridades civis e militares, além de mais de um milhão de fiéis.

Para recordar tão grata e triunfal comemoração, transcrevemos abaixo trecho extraído de um cartão de Natal redigido por Plinio Corrêa de Oliveira, em dezembro de 1991.

* * *

terça-feira, 6 de outubro de 2020

Mulher soldado repele efeminação antipatriótica da ‘linguagem inclusiva’

Lucía Herrera junto com soldados da sua unidade.
Lucía Herrera junto com soldados da sua unidade.
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs






A denominada “linguagem inclusiva” de tal maneira contraria a ordem natural e o bom senso que vem se prestando até a fatos, programas ou cenas cinematográficas cómicas.

Mais um caso caraterístico deu-se recentemente na Argentina.

A tendência adotada por altas autoridades políticas deram azo ao boato, depois negado, de que o governo reescreveria as marchas militares seguindo essa moda.

Uma mulher que trabalha no Hospital Militar de Salta como membro das Forças Armadas escreveu carta pública patenteado a anti-naturalidade da proposta.

Ela se sentiu ofendida por esse efeminamento antipatriótico e se definiu como soldado – nem “soldada” nem “soldade” – repelindo a linguagem “inclusiva”. A carta foi publicada na íntegra no “La Nación”.

“Meu nome é Lucía Zordán Herrera, sou um soldado de primeira classe, sim, um soldado, nem “soldada” nem “soldade”, sou um soldado.