segunda-feira, 23 de novembro de 2009

Tradição, alta qualidade e bom gosto fazem Hermès atravessar a crise


Uma empresa de luxo está passando galhardamente as turbulências da crise econômica.

Trata-se de Hermès, casa fundada há 172 anos pela família de artesões que hoje a dirige.

Embora, ela tenha lucrado menos nos dias difíceis, ela resolveu manter a tradição de artesanato de alta qualidade.

A casa Hermès começou produzindo selas e ampliou seus produtos para objetos de couro e seda.

Ela própria forma seus artesões. Ela tinha 300 artesãos em 1989, agora são 2 mil, e a demanda é tão grande que os clientes podem ter que esperar dois anos.

Os preços são elevados, porém “se as pessoas compram uma bolsa Hermès, elas sabem que durará 40 anos”, explica o administrador Patrick Thomas.

É uma conseqüência da qualidade artesanal, do bom gosto e da tradição impressa em modelos perenes.

O sucesso fez as ações serem negociadas a preços astronômicos, mas “a família não está cogitando vender”.

A tradição não tem preço.

Desejaria receber atualizações instantâneas e gratuitas de "Luzes de Esperança" em meu email

segunda-feira, 16 de novembro de 2009

Católicos defendem o Crucifixo nas escolas da Itália

O catolicidade do povo italiano está reagindo de um modo admirável à uma sentença anticristã do Tribunal Europeu de Direitos Humanos que proíbe os crucifixos nas salas de aula.

O Tribunal pretextou que a presença de Jesus Crucificado constitui “violação da liberdade dos pais a educar seus filhos segundo suas convicções” e uma “violação da liberdade religiosas dos alunos”.

A iníqua decisão é inteiramente acorde com o espírito e as finalidades do processo de unificação européia.

Nesse processo, a União Européia (UE) é a organização mais conhecida, e vem escondendo seu rosto anti-cristão e anti-europeu com artifícios verbais, textos legais obscuros e agindo de costas aos povos europeus.

Mas a católica Itália, desta vez, não se deixou ludibriar.

Por exemplo, o prefeito de San Remo, Maurizio Zoccarato, colocou uma cruz de dois metros no prédio da prefeitura e convidou todos os diretores de escolas a afixarem cruzes nas salas de aula. A cidade de San Remo encontra-se no extremo noroeste da Itália.

Na cidade de Busto Arsizio, perto de Milão, a administração municipal hasteou a meio mastro as bandeiras da União Européia em frente aos prédios oficiais.

Teatro Bellini de Catania, na Sicília com a cruz



Um enorme crucifixo foi instalado diante da fachada do Teatro Bellini de Catania, na Sicília. A decisão foi do superintendente do Teatro Antonio Fiumefreddo. Ele declarou: “fique claro que nós não pretendemos esconder nossa Fé nem tirá-la dos muros, pelo contrário queremos nos mostrar orgulhosos dela”.

A iniciativa, entretanto, foi criticada pelo vice-pároco da igreja de São Pedro e São Paulo de Catania, Pe Salvatore Resca, um dos poucos que aderiu à campanha contra Cristo, tal vez em nome de uma mal-entendida modernidade "ecumênica". O sacerdote foi aplaudido pela União dos ateus e agnósticos racionalistas.

Inúmeras comunidades italianas encomendaram novas cruzes para suas escolas.

A cidade de Sassuolo, província de Modena no norte da Itália, encomendou cinqüenta novos crucifixos. Eles deverão ser pendurados em todas as salas de aula em que ainda não houver algum.

O Ministro da Defesa Ignazio La Russa abordou o tema da defesa nacional espiritual em uma discussão de TV: “Todas as cruzes devem permanecer penduradas, e os opositores da cruz que morram, juntamente com essas instituições aparentemente internacionais!”

A comunidade Montegrotto Terme com 10.000 habitantes – onze quilômetros a sudoeste de Pádua – anuncia em placas de néon: “Noi non lo togliamo” – “Nós não o tiramos”.

O prefeito da cidade de Treviso, noroeste da Itália, resumiu a situação muito bem: “Encontramo-nos no reino da demência, essa é uma decisão, que clama por vingança. O tribunal deve processar a si mesmo pelo crime que cometeu!”

O prefeito de Assis sugeriu que além dos crucifixos fossem colocados também presépios nas salas de aula. A piedosa prática do presépio foi concebida por São Francisco de Assis na Idade Média e agora está se aproximando a época de Natal.

O prefeito da cidade de Trieste esclareceu que tudo permaneceria do jeito que está.

A Câmara de Comércio de Roma ‒ Confcommercio, pediu que as lojas pendurassem crucifixos.

Na comunidade Abano Terme – onde mora a ateísta militante finlandesa que reclamou do crucifixo – houve protestos em frente das escolas a favor da Cruz de Cristo.

Segundo a União dos ateus e agnósticos racionalistas ‒ que obviamente rejubila com a proibição anticristã ‒ Massimo Bitonci, prefeito de Cittadella aconselhou ao prefeito de Abano Terme revogar a licencia de residência da família Albertin, e advertiu que “se estas pessoas tivessem que passar por Cittadella poderiam encontrar suas fotos coladas nas paredes com o dizer “Wanted”.

O prefeito de Galzignano Terme na província de Pádua, Riccardo Roman, ordenou colocação imediata de cruzes em todos os edifícios públicos – não somente escolas, mas também na Prefeitura e museus.

Dentro de duas semanas a polícia irá conferir se a ordem foi obedecida, caso contrário haverá uma multa de 500 Euros.

O Prefeito Maurizio Bizzarri da comunidade de Scarlino no sul da Toscana impôs uma multa de 500 €uros para aqueles que retirem uma cruz dos prédios públicos.

Na cidade de Trapani, no extremo oeste da Sicília, o presidente e o assessor do governo da província encomendaram 72 cruzes com recursos próprios.

Na cidade de Nápoles uma pichação dizia: “Se V. arrancar a cruz, eu arranco a tua mão!”


Desejaria receber atualizações instantâneas e gratuitas de "Luzes de Esperança" em meu email

segunda-feira, 9 de novembro de 2009

Harmonioso convívio entre príncipes e povo em Sigmaringen


A pequena cidade alemã de Sigmaringen se aconchega ao majestoso castelo dos Hohenzollern, que se ergue no alto, como descreve simpática reportagem do “Der Spiegel”.

Nela o tempo parece ter parado. Mas não é apenas uma impressão. Os Hohenzollern ‒ família que deu os ex-imperadores da Alemanha ‒ construíram o castelo onde hoje reside a rama católica da família: os Hohenzollern-Sigmaringen.

Os senhores de Sigmaringen perderam o poder político após as jornadas revolucionárias de 1848. Mas, economicamente eles continuam a ter influência, sobre propriedades rurais e sobre o grupo de empresas Hohenzollern.


Os cerca de 17.000 habitantes se dirigirem ao “seu” Príncipe com o título de “Príncipe” ou “Alteza Sereníssima” num ambiente de cortesia e respeito mútuo.

Sem a casa principesca quase nada anda no lugar, situado na margem sul das colinas da Suábia. “O Príncipe é como uma figura de pai”, diz o engenheiro de têxteis, 72, Manfred Niederdraeing.

Manfred foi influenciado por certas restrições contra os nobres, porém diz que “eles têm uma enorme vantagem: eles pensam em gerações, e não em períodos de eleições”.

Os felizes habitantes de Sigmaringen compartilham a idéia de que os políticos vão e voltam, mas que os príncipes permanecem.

Mais ainda, eles sabem que os nobres há séculos ligados à cidade se sentem responsáveis por cada habitante.


“Quando suas empresas vão mal, o velho Príncipe prefere vender parte de suas terras no Canadá para manter seus empregados”, explica Manfred.

Ninguém na região critica a Casa de Hohenzollern. “Não se pode conceber Sigmaringen sem Príncipe, ele simplesmente pertence a ela”, declara Ute Korn-Amann, jornalista local do Schäbischen Zeitung.

Na hora em que os políticos de todas as tendências decepcionam, no fundo de muitas cabeças se põe o problema se a esperança passa pela recomposição do papel social e político da nobreza.

Desejaria receber atualizações instantâneas e gratuitas de "Luzes de Esperança" em meu email

segunda-feira, 2 de novembro de 2009

O exemplo edificante dos católicos do Sudão crucificados por fidelidade à Igreja

Ainda que possam ser hostilizados por todos os lados, os católicos tem o auxílio especial da graça que os anima na fidelidade e os convida a serem cada vez mais fervorosos. Um exemplo edificante é dado pelos católicos do Sudão muito sofridos e muito esquecidos no Ocidente.

Bandos de guerrilheiros fazem incursões nas regiões cristãs do Sudão e, mais recentemente crucificaram vários deles, informou “The Catholic Herald” de Grã Bretanha. Um deles foi cravado numa árvore e mutilado. Outros seis foram pregados em madeiros, jogados no chão e mortos. Os cadáveres foram recuperados perto da aldeia de Nzara. As testemunhas descreveram uma “cena de crucifixão grotesca”.

Dom Eduardo Hiiboro Kussala, bispo de Tombura-Yambio (foto), contou que os guerrilheiros irromperam na igreja de Nossa Senhora da Paz em Ezo, sul do país, durante uma novena e profanaram a Hóstia, o altar e o prédio anexo escravizando 17 pessoas na maioria jovens.

Um deles foi crucificado na árvore e outros 13 estão desaparecidos segundo a associação ‘Ajuda à Igreja que Sofre’ que socorre os cristãos perseguidos.


O bispo diocesano explicou que o ataque se deu na festa da Assunção de Nossa Senhora. “Os atacantes claramente queriam fazer mal ao povo porque sabiam que estava rezando”.

Os guerrilheiros pertencem ao Exército de Resistência do Senhor (Lord's Resistance Army) considerado terrorista pelos EUA e que pratica um culto sincretista ao fundador, o qual diz ser porta-voz do Espírito Santo.

O prelado encaminhou uma denúncia ao governo de Khartum. Porém as chances de ser atendido de modo eficaz são mínimas. Khartum está nas mãos de muçulmanos fanáticos que praticam análogos crimes contra os cristãos.

Os católicos fizeram três dias de oração e penitência. Na principal cerimônia, 20.000 fiéis peregrinaram mais de três quilômetros, revestidos de saco e portando cinzas.

Desejaria receber atualizações instantâneas e gratuitas de "Luzes de Esperança" em meu email