Outras formas de visualizar o blog:

segunda-feira, 25 de julho de 2016

“Ideologia de gênero” e “verdes”
saem ridicularizados em Parlamento alemão

Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs




O deputado alemão Steffen Königer, católico de 45 anos e pai de duas crianças, deixou em ridículo a presidência do Parlamento regional de Brandenburgo, nordeste da Alemanha, segundo narrou o site “Religión en Libertad”.

Empresário, Steffen especializou-se em Psicologia, Ciências Políticas e História. Em outubro de 2014 foi eleito deputado pelo partido AfD [Alternative für Deutschland, Alternativa para Alemanha], agrupação oposta à tirania antifamília e antipropriedade privada imposta pela União Europeia, superestrutura ditatorial que está favorecendo agora a invasão dos muçulmanos.

Em 9 de junho votava-se uma proposta do Partido Verde, de extrema-esquerda, favorável à “Campanha pela aceitação da diversidade sexual e de gênero e a autodeterminação contra a homofobia e a transfobia (sic!) em Brandenburgo”. A iniciativa visceralmente anticristã incluía o reconhecimento de mais de 60 sexos diferentes (sic!).

Steffen subiu no estrado para emitir seu voto contrário à imoral proposta.

Antes de emiti-lo, começou a saudar a todos os presentes com linguagem inclusiva, como aconteceria se o projeto fosse aprovado.

Ele deu início então à saudação correspondente a cada uma das dezenas de identidades sexuais propostas, as quais não são de sua invenção, mas dos ‘ideólogos de gênero’. E esclareceu posteriormente que poderia ter lido ainda mais uma centena de outras, relativas a novos ‘sexos’.

Em certo momento, Dieter Dombrowski, o vice-presidente da Câmara que presidia a sessão, talvez cansado pela intérmina saudação, interrompeu Steffen, perguntando-lhe o que ia dizer.

Steffen lhe respondeu então que ainda não tinha terminado o cumprimento inicial de praxe. Boa parte dos presentes caiu na gargalhada.

E prosseguiu com a saudação protocolar a cada um dos “sexos” propostos pelos “verdes”.

Completado o intérmino cumprimento, ele anunciou simplesmente que seu grupo votaria contra essa proposta ecologista.

O vídeo viralizou, obtendo rapidamente centenas de milhares de visualizações em Youtube.

O absurdo da proposta “verde”, que agia como porta-voz da Revolução Sexual, ficou exposto em todo o seu ridículo.

Deixarão com isso os “verdes” e os “ideólogos de gênero” sua ofensiva contra a família?

Acreditamos que não, pois eles recusam a razão e o bom senso. Só parecem ouvir os abstrusos e desesperados bramidos que emergem das profundezas sinistras da irracionalidade anárquica que odeia Deus.


Vídeo da posição de Steffen Königer (legendado em inglês):
60 “gêneros diferentes”. A aliança “Verdes”-LGBT em ridículo num Parlamento alemão:




Vídeo da posição de Steffen Königer (legendado em espanhol):



segunda-feira, 18 de julho de 2016

Piquenique no 90º aniversario da rainha Elizabeth II: imensa festa familiar

Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs




Além de outras cerimônias oficiais, o 90° aniversário da Rainha Elizabeth II foi comemorado com um grande almoço popular em Londres, segundo noticiou a UOL.

Perto de 10 mil pessoas desafiaram a chuva para participar do real ágape, montado com características de um piquenique na enorme e prestigiosa avenida londrina The Mall, que une o palácio de Buckingham com a Trafalgar Square, no centro da cidade.

O evento foi animado por centenas de músicos, bandas militares e exibições de mais de 600 organizações beneficentes presididas honorificamente pela rainha.

Apesar de a chuva ter jogado contra, só dando trégua no fim do dia, os convidados não desanimaram: usaram casacos impermeáveis, especialmente concebidos pela organização. Foram servidas aproximadamente 33 mil xícaras de chá.

Os netos da rainha – o príncipe William (segundo na sucessão do trono), sua esposa, a duquesa Kate, e o príncipe Harry – também enfrentaram a chuva, indo saudar pessoalmente os participantes e tirar fotos com muitos deles.

No fim, quando o sol brilhou, a rainha e seu marido, o príncipe consorte e duque de Edimburgo, deixaram o Palácio de Buckingham a bordo de um veículo a partir do qual cumprimentaram de pé a multidão.

Sob a chuva, fanfarras militares animaram o evento.
Sob a chuva, fanfarras militares animaram o evento.
Elizabeth II usou um casaco rosa, enquanto o príncipe Philip, que acabava de comemorar seu 95° aniversário, vestia um sobretudo cor camelo.

O príncipe William também homenageou sua avó com um discurso em que celebrou a “ferrenha saúde, a interminável energia e o conhecido sentido do humor” da rainha.

“Avó, obrigado por tudo o que fez por sua família. Não poderíamos desejar um aniversário mais feliz”, proclamou o primogênito de Charles da Inglaterra e Diana de Gales.

“Muito obrigado por demonstrar que os britânicos não permitem que um pouco de chuva estrague um bom dia ao ar livre”, acrescentou.

A rainha, segundo a UOL, por sua vez, agradeceu os presentes pelo “maravilhoso apoio”. “Espero que estas celebrações sirvam para nos recordarmos dos muitos benefícios que surgem quando o povo se une com um propósito comum”, explicou.

As celebrações em Londres haviam começado com uma missa de ação de graças na catedral de São Paulo e prosseguiram no dia seguinte com a tradicional cerimônia militar Trooping the Colour, na qual a rainha passou revista a mais de 1,6 mil soldados da Guarda Real no Horse Guards Parade da capital britânica.

A monarquia inglesa conservou muitas tradições católicas medievais, embora tisnadas por influências anglicanas e de séculos posteriores.

Quando a chuva parou a rainha saiu para saudar os presentes.
Quando a chuva parou a rainha e seus familiares saíram para saudar os presentes.
Por que os governantes – presidentes, primeiros ministros ou outros – dos regimes ditos democráticos ou populares não conseguem atrair multidões que os amem sinceramente, sem nada receberem e até com o sacrifício de se exporem às intempéries?

Por que se movimentam rodeados por um exército de guarda-costas, e tantas e tantas vezes, ao concluírem seus mandatos, não são objeto de manifestações de afeto, respeito e glória?

No Brasil, e na América Latina, os governantes ou ex-governantes populistas nem ousam sair de casa. E se vão a um local público, ouvem tudo o que não querem ouvir. E pour cause...

O exemplo do piquenique pelo aniversário da rainha mostra um relacionamento familiar, íntimo, distendido, afável e duradouro, eco dos costumes católicos nascidos na Idade Média que o protestantismo e outras formas de revolução não conseguiram extinguir.


segunda-feira, 4 de julho de 2016

O astronauta que levou o Santíssimo para o espaço

Coronel e astronauta Michael S Hopkins.
Coronel e astronauta Michael S. Hopkins.
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs



Na Estação Espacial Internacional, apesar de estar cheia de equipamentos robóticos, há um ambiente especialmente procurado.

Trata-se da “Cúpula”, um pequeno módulo com sete janelas, de onde os membros da tripulação podem apreciar espetaculares vistas panorâmicas do nosso planeta, noticiou a agência Aleteia.

O astronauta americano Michael S. Hopkins, “Mike”, coronel católico pertencente à Força Aérea, desejava ansiosamente ir à Cúpula, porque o que via lá o deixava maravilhado.

“Quando você vê a Terra daquela perspectiva e observa toda a beleza natural que existe, é difícil não querer ficar lá e concluir que tem que haver uma força suprema que criou tudo isso“, declarou.

E, para surpresa de muitos, em 2013, na Cúpula, Mike rezava e… comungava!

Isso porque, graças a um acordo especial com a arquidiocese de Galveston-Houston e a ajuda do Pe. James H. Kuczynski, pároco da igreja de Santa Maria Rainha em Friendswood, Texas, o astronauta, que é fiel daquela paróquia, pôde levar consigo uma píxide com seis hóstias consagradas, explicou Aleteia.

Cada uma delas estava partida em quatro pedaços, de modo que ele pudesse comungar uma vez em cada uma das 24 semanas de sua permanência na Estação Espacial Internacional.

“Era extremamente, extremamente importante para mim”, enfatiza Mike, hoje com 47 anos de idade.

O astronauta cresceu em uma área rural nos arredores de Richland, Missouri, filho de pais metodistas. Pouco antes de viajar para o espaço, após aprender o Catecismo, Mike tornou-se católico.

Sua conversão, segundo ele, foi motivada não só porque sua esposa e suas duas filhas adolescentes são católicas, mas porque “eu sentia que faltava algo na minha vida”.

Mike fez duas caminhadas espaciais para trocar uma bomba do módulo, junto com o colega Rick Mastracchio.

Antes de sair da estação, ele comungou.

“O nível de estresse nessas atividades pode ser muito alto”, continua ele, em conversa com a agência Catholic News Service. “Saber que Jesus estava lá comigo, no vazio do espaço, era importante para mim”.

A 'Cúpula' da Estação Espacial Internacional onde o astronauta comungava.
A 'Cúpula' da Estação Espacial Internacional onde o astronauta comungava.
Mike relata que as práticas de fé na estação espacial são comuns, especialmente entre os astronautas católicos, e que existe respeito por elas.

“Meus colegas sabiam que eu tinha a Eucaristia comigo”, reforça ele.

“Eu me coordenava com o meu comandante russo. Ele sabia o que era. Todos sabiam, mas eu não fazia alarde. Eles respeitavam a minha fé e o meu desejo de vivê-la, mesmo lá, na órbita espacial”.

A agência Zenit comentou que as fotos do astronauta rezando naquela “capela espacial”, dentro da “cúpula” que servia de átrio tecnológico de cristal se espalharam pela rede.

O fato lembrou a muitos da Noite de Natal de 1968, quando o astronauta americano Frank Borman, a bordo da Apolo 8 em órbita em torno da Lua, leu ao vivo pela televisão o livro do Gênesis.

Em 1994, os astronautas Sid Gutiérrez, Thomas Jones y Kevin Chilton rezaram juntos no Shuttle, voando a 125 milhas por cima do Oceano Pacífico.

O astronauta Mike Massimino, no ano 2000, quis se confessar antes de partir. Além do mais, levou consigo uma bandeira da Cidade do Vaticano, a qual, de regresso à Terra, entregou ao Papa João Paulo II, reinante nesse momento.

A Sagrada Eucaristia, os Sacramentos e os símbolos católicos, em graus diversos que vão do divino ao humano, têm um valor tal que inspiraram todas as formas de devotamento imagináveis (e inimagináveis) ao longo dos séculos.

Diante dessas manifestações de fé, o que dizer dos que pretendem justificar a distribuição da Eucaristia a quem não está em condições de recebê-la, com grave profanação, sacrilégio e desrespeito?


segunda-feira, 27 de junho de 2016

Clareza! O exemplo de uma médica católica
no Sínodo dos Bispos 2015

No Sínodo sobre a família 2015, a Dra. Anca-Maria Cernea apresentou posição admirável pela clareza que está faltando na 'Amoris Laetitiae'
No Sínodo sobre a família 2015, a Dra. Anca-Maria Cernea
apresentou posição admirável pela clareza
que está faltando na 'Amoris Laetitiae'
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs




A Dra. Anca-Maria Cernea, Presidente da Associação dos Médicos Católicos de Bucareste (Romênia) durante o passado Sínodo sobre a família, em outubro de 2015, apresentou ao Papa Francisco e aos bispos uma posição admirável pela clareza e fidelidade ao ensinamento da Igreja sobre a família, aplicada às complexidades das circunstâncias atuais.

A clareza!

Hoje cada vez a grei católica sofre pela falta de clareza naquele Sínodo e pela confusão que vem suscitando a Exortação Pôs-sinodal “Amoris Laetitiae” no mundo.

Eis as palavras da corajosa médica, segundo a Sala de Imprensa da Santa Sé:

“Sua Santidade, Padres Sinodais, irmãos e irmãs, eu represento a Associação dos Médicos Católicos de Bucareste.

Eu pertenço à Igreja Católica Greco-Romena.

Meu pai era um líder político cristão, e foi preso pelos comunistas por 17 anos. Meus pais estavam prestes a se casar, mas seu casamento aconteceu 17 anos depois.

Minha mãe esperou todos esses anos pelo meu pai, embora ela nem sabia se ele ainda estava vivo.

Eles foram heroicamente fieis a Deus e a seu compromisso.

O exemplo deles mostra que a graça de Deus pode superar as terríveis circunstâncias sociais e pobreza material.

Nós, como médicos católicos, defendendo a vida e a família, podemos ver que isso, antes de tudo, é uma batalha espiritual.

A pobreza material e o consumismo não são a causa principal da crise da família.

A principal causa da revolução sexual e cultural é ideológica.

Nossa Senhora de Fátima disse que os erros da Rússia se espalhariam por todo o mundo.

Tudo começou sob uma forma violenta, o marxismo clássico, matando dezenas de milhões.

Agora ele está sendo feito sobretudo pelo marxismo cultural.

Há uma continuidade da revolução sexual de Lenin, através de Gramsci e a Escola de Frankfurt, e atualmente com os direitos gays e a ideologia do gênero.

O marxismo clássico pretendia redesenhar a sociedade, através da violenta tomada da propriedade.

Agora, a revolução é mais profunda; ela pretende redefinir a família, a identidade sexual e a natureza humana.

Essa ideologia se autodenomina progressista. Mas isso não é nada mais do que a oferta da antiga serpente, para que o homem assuma o controle, substitua a Deus, para providenciar a salvação aqui, neste mundo.

É um erro de natureza religiosa, é o Gnosticismo.

É tarefa dos pastores reconhecer isso e avisar o rebanho contra este perigo.

“Buscai, pois, em primeiro lugar o Reino de Deus, e a sua justiça, e todas estas coisas vos serão acrescentadas”

A missão da Igreja é salvar almas. O mal, neste mundo, provém do pecado. Não da disparidade de renda ou “mudança climática”.

A solução é: Evangelização. Conversão.

Sem um crescente controle do governo. Sem um governo mundial.

Estes são hoje os principais agentes que impõem o marxismo cultural em nossas nações, sob a forma de controle populacional, saúde reprodutiva, direitos dos homossexuais, a educação de gênero, e assim por diante.

O que o mundo necessita hoje em dia não é a limitação da liberdade, mas a verdadeira liberdade, a libertação do pecado. Salvação.

Nossa Igreja foi suprimida pela ocupação soviética. Mas nenhum dos nossos 12 bispos traiu sua comunhão com o Santo Padre.

Nossa Igreja sobreviveu graças à determinação e exemplo de nossos bispos em resistir às prisões e o terror.

Nossos bispos pediram à comunidade para não seguir o mundo. Não cooperar com os comunistas.

Agora precisamos de Roma para dizer ao mundo: “Arrependam-se de seus pecados e voltem-se para Deus pois o Reino dos Céus está próximo”.

Não somente nós, leigos católicos, mas também muitos cristãos ortodoxos estão ansiosamente rezando por este Sínodo.

Porque, como dizem, se a Igreja Católica ceder ao espírito deste mundo, vai ser muito difícil para todos os outros cristãos a resistir a ele.”


A Romênia guardou a fé sob a perseguição comunista porque os bispos não se pactuaram com o mundo. 
É isso o que devem fazer os Papas e os bispos hoje.


segunda-feira, 20 de junho de 2016

Bons modos da rainha abalam a grosseria socialista chinesa

A rainha espantada com a falta de educação dos diplomatas socialistas.
A rainha espantada com a falta de educação dos diplomatas socialistas.
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs



Alguns comentários simples e distintos da rainha Elizabeth II da Inglaterra abalaram Pequim e encheram os jornais.

Em poucas palavras, a soberana foi despretensiosamente dar apoio moral a uma oficial da polícia de Londres que havia sido destratada pela comitiva do presidente chinês Xi Jinping durante sua visita ao Reino Unido em outubro de 2015.

A oficial é Lucy D'Orsi e o encontro aconteceu no tradicional Garden Party que a rainha oferece nos jardins do palácio de Buckingham, a grande residência real na capital britânica, como informou Yahoo! News.

A oficial foi apresentada pelo protocolo na presença de parentes e conhecidos, além das câmaras da BBC.

Ouvindo que se tratava da responsável pela segurança dos chineses, a qual havia sido ofendida por eles, a rainha comentou distintamente: “Mas que má sorte!

E após ouvir um sucinto relato do acontecido, a soberana se referiu ao tratamento dado pelos chineses ao embaixador britânico como sendo “very rude”: “Eles foram muito mal-educados com o embaixador”.

A cena da rainha falando foi reproduzida na China pela TV BBC World. Mas foi subitamente interrompida, para o público chinês não ouvir o que ela disse.

Dois estilos humanos. Um cristão, luminoso, colorido e cheio de educação. Outro pardacento, tristonho e igualitário: o socialista.
Dois estilos humanos. Um cristão, luminoso, colorido e cheio de educação.
Outro pardacento, tristonho e igualitário: o socialista.
O governo chinês se sentiu pego e, magoado, reagiu com explicações que não explicam nada.

Mas acabou confessando assim a imensa inferioridade moral do socialo-comunismo.

Com efeito, esse regime, como todos os que professam a metafísica igualitária anticristã, prega a nivelação dos homens, da cultura, da moral e de todas as formas de boa educação.

No que é coerente, pois poucas coisas patenteiam tanto as desigualdades legítimas e harmônicas entre as pessoas quanto as fórmulas da boa educação.

O socialista, o comunista, o igualitário apela por princípio a expressões e gestos grosseiros ou demagógicos, à piada incessante e por vezes imoral, faz questão da linguagem vulgar quando não obscena, ostenta modos primários ou torpes, desrespeita as formalidades, a boa ordem, o bom tom e o bom gosto.

Em suma, procura banir as formas socioculturais de convívio inspiradas pela caridade cristã, impregnadas de doçura, compostura e nobre distinção.

Bastou que a rainha manifestasse suavemente uma censura discreta a esse proceder igualitário para que os líderes do comunismo tremessem no outro lado do mundo, sem conseguirem desfazer a péssima impressão causada pelos seus modos grosseiros.

E assim acabaram reconhecendo que haviam perdido a partida diante da suprema distinção e do mais requintado bom gosto da rainha, frutos vivos ainda hoje da Civilização Cristã.

Rainha Elizabeth II sobre embaixadores socialistas chineses: 'mal-educados' (BBC News)




terça-feira, 14 de junho de 2016

A conversão admirável de uma princesa

Ana de Gonzaga de Clèves, princesa palatina (1616-1684)
Ana de Gonzaga de Clèves, princesa palatina (1616-1684)

Quando se quer descansar de uma forte preocupação ou de um trabalho intelectual muito exaustivo, poucas coisas são tão apropriadas como ler algo da História.

Sobretudo se se trata da vida de uma princesa. O tema agrada, distende, ao mesmo tempo que forma o espírito e o transporta a um patamar mais elevado.

Mesmo porque, tudo quanto diz respeito a uma princesa tem repercussões de algum modo transcendentais. Que a vida de uma princesa passe por um terremoto moral, é causa de grande interesse. E, quem sabe, também de conversões.

* * *

Ana de Gonzaga de Clèves, princesa palatina, nasceu em 1616.(1) Teve importante papel político na França durante a minoridade do Rei Luís XIV.

Ao ficar viúva em 1663, se bem que já tivesse 47 anos de idade, espantou a corte francesa pela licenciosidade de seus costumes e seu pouco caso para com a Religião. Ostentava não crer na Eucaristia nem na Igreja, e zombava da fé. Diz-se que chegou, por ódio, a queimar fragmentos do Santo Lenho.

segunda-feira, 13 de junho de 2016

Milagre de Nossa Senhora da Escada
nas origens de Barueri – SP

Nossa Senhora da Escada, Barueri - SP
Nossa Senhora da Escada, Barueri - SP
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs




O início do aldeamento de Barueri remonta ao ano de 1560.

Em 18 de agosto desse ano, a Fazenda Baruery foi doada por Jerônimo Leitão. Acusado por proteger índios, o fazendeiro doou as terras aos jesuítas, entre eles o Beato José de Anchieta SJ, o Apóstolo do Brasil.

O santo jesuíta de posse de uma carta de sesmaria, fundou, em 11 de novembro de 1560, o Aldeamento de Baruery, com índios Guaianazes (do litoral de São Vicente) e Guaicurús (do Planalto de Piratininga).

Uma capela foi erguida onde existe o bairro da Aldeia de Barueri, e a primeira missa realizada por Anchieta data de 21 de novembro de 1560.

Foi quando o Bem-aventurado considerou Nossa Senhora da Escada como padroeira do aldeamento.

A imagem da santa, esculpida em cerâmica, foi trazida de Portugal. Com a fundação do vilarejo de Sant’Ana de Parnayba, em 1580, a harmonia entre índios e jesuítas ficou ameaçada pelas constantes investidas dos bandeirantes, que capturavam índios para utilizar como mão-de-obra.

Para reconstituir a população que estava sendo dizimada, o padre Affonso Gago, no início do século XVII, começou a fazer expedições pelo sul do país, trazendo para Baruery, índios Carijós. Baruery era a mais importante aldeia jesuítica do Brasil.

segunda-feira, 16 de maio de 2016

Milagres de Nossa Senhora e do Santíssimo Sacramento
no terremoto do Equador

Nossa Senhora de Monserrate saiu indene do terremoto, Montecristi
Nossa Senhora de Monserrate saiu indene do terremoto, Montecristi
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs



Uma imagem de Nossa Senhora de Monserrate emergiu intacta das ruínas da torre de uma igreja a ela consagrada na cidade de Montecristi, no Equador, durante o terremoto de abril, emocionando os fiéis.

Não só a imagem, mas também seu vestido de ouro e sua pequena coroa – símbolo de sua realeza – saíram totalmente intactos.

Nossa Senhora de Monserrate chegou a Montecristi no século XVI, trazida por missionários espanhóis e já tinha sobrevivido a assaltos de piratas e a investidas de governos anticlericais.

Agora, o jornal “The New York Times” conta que ela está atraindo mais fiéis que os milhares que nos meses de novembro vão venerá-la em sua festa.

A imagem de Nossa Senhora de Monserrate tornou-se um símbolo da proteção divina que nunca desfalece.

“Ela é a mãe que cuidou de nós no terremoto”, dizia o pároco Pe. Ángel Toaquiza. “E que ela tenha ficado intacta foi necessário nada menos que um milagre”, acrescentou.

segunda-feira, 9 de maio de 2016

Centenário de Fátima: cresce a preocupação
pelos pedidos de Nossa Senhora não atendidos

Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs



Quanto mais se avizinha o centenário das aparições de Fátima, mais cresce o sentimento de que se aproxima o cumprimento das terríveis advertências feitas por Nossa Senhora em 1917 caso o mundo não obedecesse ao seu apelo à penitência.

É de toda evidência que esse apelo não foi atendido. A partir de então os costumes morais se degradaram até atingir um ponto inimaginável, e a corrupção invadiu todas as esferas oficiais, civis e eclesiásticas.

Nossa Senhora fez também um pedido muito específico e incontornável, com condições claramente definidas: além da penitência e emenda dos costumes, a consagração nominal da Rússia ao Imaculado Coração de Maria, a ser feita pelo Papa com o concurso de todos os bispos do mundo.

Esse pedido não foi atendido, como aliás observou, entre outros, o Pe. Gabriele Amorth, exorcista oficial de Roma, a diocese do Papa.

É claro que o centenário de Fátima não significa necessariamente o cumprimento dos castigos anunciados, mas é uma circunstância que convida a pensar neles e no meio de afastá-los mediante a penitência e a efetivação da consagração da Rússia nas condições fixadas por Nossa Senhora.

segunda-feira, 2 de maio de 2016

Neozelandeses confirmam bandeira tradicional ligada à monarquia e ao Cruzeiro do Sul

A Nova Zelândia votou pela bandeira tradicional ligada a Elizabeth II, rainha do país
A Nova Zelândia votou pela bandeira tradicional ligada a Elizabeth II, rainha do país
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs



Num referendo, a Nova Zelândia preferiu conservar a bandeira nacional ligada à sua tradição britânica e à Coroa de Elizabeth II, que também é rainha do país.

A nova proposta de bandeira incluía uma nota ecológica e esportiva, pois ostentava como símbolo principal a samambaia, muito presente na vegetação original da ilha e símbolo da seleção nacional de rúgbi conhecida como All Blacks, que é um orgulho nacional, noticiou o site 20minutes.fr.

O primeiro-ministro John Key achava que tendo vencido largamente as ultimas eleições nacionais, poderia abolir o símbolo dos britânicos fundadores do país.

A proposta embutia matreiramente um significado fortemente esquerdista.

Mas os neozelandeses mostraram um bom senso conservador e preferiram a “relíquia colonial”, como a chamava o primeiro-ministro, e qualificaram o novo modelo de bom “para prato de mesa numa praia feia”.
O projeto recusado de modernização da bandeira
O projeto recusado de modernização da bandeira
56,61% dos eleitores aprovaram a bandeira tradicional, e 43,16% o modelo recusado.

A bandeira tradicional, além da Cruz da Grã Bretanha num canto – ou Union Jack –, ostenta as cinco estrelas que formam o Cruzeiro do Sul.

O lado vencedor também julgava que mudar a bandeira seria um desrespeito às gerações passadas, que combateram e morreram pelo Império Britânico sob a bandeira tradicional.


segunda-feira, 25 de abril de 2016

Milagre eucarístico de Legnice:
para médicos, hóstia é tecido humano

A hóstia que devia se dissolver começou a transudar sangue e formar tecido (foto acima). Embaixo ampliação.
A hóstia que devia se dissolver começou a transudar sangue
e formar carne com aparência de humana (foto acima).
Embaixo ampliação.
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs



O bispo de Legnica, na Polônia, Mons. Zbigniew Kiernikowski, proclamou oficialmente um prodígio do Santíssimo Sacramento acontecido na igreja de São Jacinto dessa cidade.

Ele autorizou os fiéis venerarem a hóstia ensanguentada que, segundo o decreto episcopal, “tem as características que definem um milagre eucarístico”, informou o site “Religión en Libertad”.

A cidade de Legnica (em alemão: Liegnitz, em polonês: Legnicy) fica na região da Baixa Silésia, no sudoeste da Polônia.

O milagre aconteceu na Missa de Natal de 2013, quando uma hóstia consagrada caiu no chão durante a distribuição da Sagrada Comunhão no santuário de San Jacinto.

A hóstia foi recolhida e colocada num recipiente com água (“vasculum”) para se dissolver, como mandam as sapienciais normas canônicas nesses casos, nem muitas vezes respeitadas nos dias de hoje.

Porém, uma vez na água, apareceu na hóstia uma mancha vermelha de textura singular, que fazia pensar em tecido humano.

O então bispo de Legnica, Mons. Stefan Cichy, instituiu uma comissão para investigar o acontecido com a sagrada forma.

segunda-feira, 11 de abril de 2016

Romenos apoiam em massa
a proteção da família na Constituição

Romenos apoiam em massa defesa da família na Constituição.
Romenos apoiam em massa defesa da família na Constituição.
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs



Na Romênia, no tempo recorde de um mês e meio, uma iniciativa cidadã para promover uma emenda constitucional que proteja a família reuniu 2 milhões de assinaturas, equivalente a 10% da população nacional!, divulgou Infocatólica.

O total poderá crescer ainda mais até o vencimento do prazo, em 24 de maio. A meta inicial era conseguir 500.000 assinaturas em seis meses, porque assim o prescreve a legislação romena.

A coalizão pela família Coalitia pentry Familie visa evitar interpretações enviesadas do artigo 48 da constituição romena, como aliás aconteceu em outros países.

Para isso ela pede que o artigo reze:

“A família está fundamentada no matrimônio livremente consentido entre um homem e uma mulher, na igualdade deles e no direito e dever dos pais de garantir o crescimento, a educação e a instrução dos filhos.”

A proposta deverá ser apresentada por um grupo parlamentar, ser aprovada pela Câmara dos Deputados e pelo Senado por uma maioria de 2/3, e ratificada em referendo.

segunda-feira, 4 de abril de 2016

Bom senso de faxineira: “obra de arte” no lixo

A artista romena Menze-Kuhn com sua 'obra de arte' no templo evangélico 'Philippuskirche'
A artista romena Menze-Kuhn com sua 'obra de arte' no templo evangélico 'Philippuskirche'
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs



Uma empregada de limpeza da igreja Philippuskirche de Mannheim, Alemanha, jogou no lixo boa parte da amostra “Moradia 6/2016” da artista romena Menze-Kuhn, que versava sobre os refugiados que invadem a Europa.

A “obra de arte” consistia em diversas mantas térmicas de sobrevivência – muito parecidas com papel alumínio – enrugadas e espalhadas pelo chão diante do altar, conforme noticiou o jornal portenho “Clarin”.

O pastor evangélico Gerd Frey-Seufert responsável pela amostra pediu desculpas em nome da empregada.

Ele a justificou alegando que ela “não identificou se tratar de uma obra de arte e se limitou a cumprir com o que acreditava ser seu serviço”.

segunda-feira, 28 de março de 2016

Mais imagens de Nossa Senhora saem indenes de calamidades.
Um aviso e um conforto

Imagem de Nossa Senhora Aparecida ficou intacta em Dracena, SP, 22 fevereiro 2016
Imagem de Nossa Senhora Aparecida ficou intacta em Dracena, SP, 22 fevereiro 2016
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs



O incêndio numa casa de madeira no bairro Santa Clara, em Dracena (SP), constituiu uma surpresa para o Corpo de Bombeiros, chamado para apagar o fogo.

A casa e tudo o que ela continha, como móveis e objetos em geral, ficou queimada ou carbonizada. Mas, dentro dela, intacta e no lugar onde estava, foi achada uma imagem de Nossa Senhora Aparecida.

quinta-feira, 24 de março de 2016

A Paixão de Cristo revive na Paixão da Igreja





Em face do drama em que se encontra a Santa Igreja, muitas almas procuram, então, assumir uma posição de indiferença, parecida com a de numerosos contemporâneos de Nosso Senhor, que acreditavam que Ele era Homem-Deus, mas que, durante a Via Sacra, vendo-O passar, em vez de se compadecer por seus lancinantes sofrimentos, achavam entretanto melhor não considerá-los, mas pensar em outras coisas.

A evidência dos fatos deixa patente que a partir do Concílio Vaticano II penetrou na Igreja, em proporções impensáveis, a “fumaça de Satanás”, de que falou Paulo VI, a qual se foi dilatando dia a dia mais, com a terrível força de expansão dos gazes.

Para escândalo de incontáveis almas, o Corpo Místico de Nosso Senhor Jesus Cristo entrou no sinistro processo da como que autodemolição, a que aludiu aquele mesmo Pontífice, em Alocução de 7 de dezembro de 1968.

segunda-feira, 21 de março de 2016

Semana Santa 2015- Ouro Preto/ MG

Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs





quarta-feira, 24 de fevereiro de 2016

A Eslovênia recusa em referendo o “casamento” homossexual

A Eslovênia votou NÃO ao 'casamento homossexual' e a adopção de crianças por esses 'casais'.
A Eslovênia votou NÃO ao 'casamento homossexual' e a adopção de crianças por esses 'casais'.



Em dezembro 2015, a Eslovênia recusou em referendo a lei que pretendia permitir o “casamento” entre homossexuais, noticiou o jornal francês Le Monde.

O referendo foi de iniciativa popular e os eleitores eslovenos repeliram a lei, aprovada pelos deputados dez meses antes. A maioria vencedora atingiu 63,12% dos votos.

A participação no escrutínio foi fraca (35,65%), mas legalmente suficiente para validar a votação. Os defensores da família natural conseguiram o apoio de pelo menos 370.000 eleitores. Eram necessários 342.000 votos para vetar a lei.

Esta havia sido aprovada por larga maioria dos deputados do Parlamento, constituída por partidos de esquerda e engrossada pelos representantes do partido centrista que, como é de praxe nessas formações de meio termo, no momento decisivo traem seu “centrismo”, sua “moderação” ou “equidistância” e se aliam à esquerda.

O partido centrista é o mesmo do primeiro ministro Miro Cerar e tinha à sua disposição as alavancas do poder do Estado.

Santuário e castelo de Bled na Eslovênia
Santuário e castelo de Bled na Eslovênia
O texto legal, hoje despojado de valor, concedia aos casais homossexuais e lésbicos os mesmo direitos dos casais heterossexuais bem constituídos, inclusive o direito de adoção de crianças, um dos pontos mais contestados pela população.

O referendo pôde ser realizado graças às 40 mil assinaturas colhidas por grupos pela vida pedindo a convocação de uma consulta de iniciativa popular com poder de veto.

A lei não entrou em vigor antes do veredicto popular e encontra-se hoje no arquivo morto.

Em 2012, numa consulta similar, os eslovenos já tinham dito “não” ao “casamento” sodomítico com uma maioria de 55%.

O país tem dois milhões de habitantes, pertence à União Europeia desde 2004 e é considerado o mais liberal das antigas nações que sofreram a imoral opressão comunista.

Ainda assim a lei antinatural acabou sendo repelida, fato que pressagia recusas análogas ou mais truculentas nos demais países eslavos libertados da tirania soviética.


quarta-feira, 17 de fevereiro de 2016

Estônia: grandes campanhas
pela família de acordo com a lei natural

Estonianos enviam grande mensagem aos políticos: a família é a base da nossa nação
Estonianos enviam grande mensagem aos políticos:
a família é a base da nossa nação



A Fundação para a Proteção da Família e da Tradição (SAPTK) da Estônia fez uma manifestação simbólica diante do Parlamento nacional – o Riigikogu – e na principal praça da capital com a intenção de enviar ao governo uma forte mensagem em defesa do casamento e da família, noticiou a agência “LifeSiteNews”. 

O ato amplifica a voz daqueles que não aceitam a aprovação da Lei de Parceria Registrada, fórmula burocrática para enfiar o “casamento” homossexual na legislação estoniana.

O gesto simbólico constituiu em estender uma imensa bandeira de 600 metros quadrados com o símbolo da família usado nas manifestações de massa de Paris – Manif pour tous – contra o “casamento” sodomítico.

quarta-feira, 10 de fevereiro de 2016

Ladrão rouba imagem de Cristo e a devolve restaurada.
Por que outros nunca se arrependem?

Midge Saglimbene com a imagem roubada e devolvida restaurada na festa de Todos os Santos
Midge Saglimbene com a imagem roubada e devolvida restaurada
na festa de Todos os Santos



Angels & Co. é uma loja de objetos religiosos católicos mantida por Midge Saglimbene e Linda Schirillo em Monroe, uma localidade de vinte mil habitantes no estado americano de Connecticut, escreveu o site “Religión en Libertad”.

No dia 28 de outubro foi roubada no pátio de entrada da loja uma estátua do Sagrado Coração de Jesus de 1,5 m de altura e que pesava vinte quilos, a qual as proprietárias mantinham ali com muita devoção.

“Eu fiquei destruída”, disse Midge à TV local, abalada pela sensação de impotência diante do crime.

“Eu chorei, não podia acreditar, apelei à polícia”. A imagem tinha um valor aproximado de 600 dólares, mas não estava à venda, pois é um objeto de devoção das donas da loja e ficava na porta recebendo os clientes.

Midge encomendou o caso a Santo Antônio de Pádua, padroeiro das causas perdidas, e lhe pediu especialmente que a imagem aparecesse “em Todos os Santos, por favor, que seja na festa de Todos os Santos”.