terça-feira, 30 de abril de 2019

Heroico sacerdote entre as chamas de Notre Dame

O Pe. Jean-Marc Fournier resgatou a Santa Coroa de espinhos de Jesus Cristo © Etienne Loraillère-KTOTV
O Pe. Jean-Marc Fournier resgatou a Santa Coroa de espinhos de Jesus Cristo
© Etienne Loraillère-KTOTV
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs






O Pe. Jean Marc Fournier é capelão-chefe dos bombeiros de Paris. Ele foi formado na Fraternidade Sacerdotal São Pedro e também foi capelão das tropas francesas em ação no Afeganistão.

Os bombeiros na Franca estão na área militar e por isso quando passou a se desempenhar como capelão deles, também passou canonicamente da Fraternidade São Pedro à jurisdição militar.

Ele se encontrava de plantão no momento que estourou a alarme pelo incêndio de Notre Dame e acorreu com os bombeiros para cumprir seus deveres sacerdotais para com os socorristas e eventuais vítimas.

Mas ele discernia que a principal vítima do fogo poderia ser o próprio Jesus Cristo presente verdadeiramente no Ssmo Sacramento. E, em graus diversos menores nas preciosas relíquias custodiadas na catedral de Paris.

Nesta nossa época de tanto indiferentismo e relativismo, e até ateísmo, a Divina Vítima corria o risco de ser esquecida até pelos seus custódios naturais que são as autoridades eclesiásticas da catedral presididas pelo Cardeal arcebispo de Paris.

Ninguém tinha feito qualquer coisa por Ele.

O que fazer à vista da ferocidade do incêndio? O Pe. Fournier revelou uma coragem inspirada pela Fé que superou todos seus atos sacerdotais no Afeganistão entre as tropas que combatiam os fanáticos islâmicos.

Ele contou tudo à TV católica francesa KTO. Ouçamos seu próprio relato:

“Eu era o capelão de plantão esse 15 de abril quando um incêndio extraordinário aconteceu em Notre Dame, a catedral de Paris (...) eu fui convocado.

“Logo que eu cheguei, me pareceu que devia cumprir duas coisas essenciais.

“A primeira era salvar esse tesouro inestimável que é a Coroa de Espinhos e, imediatamente, com certeza, Jesus presente no Santíssimo Sacramento.

“Entrando na catedral, verificamos que havia sido pouco invadida pela fumaça e não estava quente.

“Logo tivemos uma espécie de visão do que pode ser o inferno. Quer dizer cascatas de fogo que caiam precisamente das aberturas provocadas pela queda da agulha e também por diferentes buracos no coro dos cônegos”.

“Fui acompanhado por um oficial graduado. A dificuldade para nós foi encontrar o responsável pelo código para abrir a caixa forte onde está a santa relíquia.

“Isso levou um certo tempo e durante a procura do código, uma equipe de bombeiros começou a trabalhar visando salvar a relíquia.

“Quer dizer, foram por cima do cofre pulverizando-o.

“Voltamos assim que achamos as chaves, mas quando chegamos quase simultaneamente os bombeiros já haviam tirando a relíquia e a tinham resguardado e entregue à proteção dos responsáveis, quer dizer, da polícia.

“Todo mundo compreende bem que a Santa Coroa é uma relíquia absolutamente única e extraordinária.

“E, o Santíssimo Sacramento é Nosso Senhor presente realmente em Corpo, Alma, Humanidade e Divindade.

“O Sr compreende que é delicado ver morrer nas chamas alguém que a gente ama.

“Acompanhando frequentemente os bombeiros eu vejo muito as vítimas dos incêndios e eu conheço os efeitos.

“Eis porque eu queria preservar absolutamente Nosso Senhor Jesus Cristo presente realmente. (...)

“Os bombeiros estavam presentes com 18 carros lançadores atacando o fogo. Nós chegamos a ser 600 bombeiros (...) para acabar com esse fogo que alguns não hesitam em qualificar de ‘incêndio do século’. (...)

“Eu tirei o Ssmo Sacramento no momento em que o fogo ia pegar na Torre Norte ameaçando arruiná-lo.

“Eu não queria tirar sem solenidade o Ssmo. Sacramento. Então, eu aproveitei para fazer uma bênção do Ssmo. Sacramento.

“Nessa hora eu estava sozinho na catedral nesse ambiente de chamas, de fogo, de coisas que caiam desde o forro.

“Fazendo essa bênção eu implorei a Jesus que nos ajude a preservar sua residência.

“Eu acredito que Ele me ouviu e a manobra do general [chefe de operações dos bombeiros] foi tão brilhante, que pelas duas coisas deu-se não só que o fogo se deteve, mas que a Torre Norte foi preservada.

“E preservando a Torre Norte foi também salva a Torre Sul.

“Nós iniciamos a Quaresma impondo as Cinzas e dizendo “Lembra-te, ó homem, que tu és pó e em pó hás de tornar”.

“Pois bem, foi uma Quaresma em miniatura, a catedral estava no ponto de voltar a ser pó não para desaparecer completamente.

“Mas, para voltar e renascer mais bela e mais forte após a Ressurreição de Nosso Senhor Jesus Cristo, da mesma maneira que os cristãos”.

Vídeo: fala sacerdote herói entre as chamas de Notre Dame (francês)




terça-feira, 2 de abril de 2019

Mãe: amor, afeto, bondade e misericórdia

Mãe. Robert Walter Weir (1803 – 1889)
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs








A palavra família indica uma pluralidade de pessoas.

Mas há outra palavra, de especial significado, que indica uma só pessoa: mãe.

Mãe é a quintessência da família, porque é a quintessência do amor, a quintessência do afeto; e, nessas condições, a quintessência da bondade e da misericórdia.

Assim, a alma da criança em contato com a mãe começa a compreender o que é a bondade que não se cansa, o que é a graça, o favor, o amor que não se exaure.

E também aquela forma de afeto que inclina a mãe a jamais achar tedioso estar com o filho.

Carregar seu filho nos braços, brincar com ele, soltá-lo no chão, vê-lo correr de um lado para outro, ser importunada por ele incontáveis vezes durante o dia com perguntinhas, com brinquedinhos.

Mãe do Bom Conselho, Genazzano, Itália
Mãe do Bom Conselho, Genazzano, Itália
Para a boa mãe, nisto consiste a alegria da vida.

Se alguém, no começo de sua existência, percebe o que é a alegria de ter uma boa mãe, compreende que a vida na Terra pode ser muito difícil; mas, enquanto conservar a recordação de sua mãe, guardará a lembrança paradisíaca da sua infância.

Retendo essa recordação, a pessoa mantém a esperança do Paraíso Celeste, onde a boa Mãe vai nos receber.

E assim compreendemos tudo quanto representa Nossa Senhora para nós.




(Fonte: excertos de conferência do Prof. Plinio Corrêa de Oliveira em 24 de maio de 1995. Sem revisão do autor.)