terça-feira, 24 de novembro de 2020

Dons portentosos de Frei Galvão

Frei Galvão
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs








O Santo Frei Galvão tinha conhecimento até de certos fatos passados à distância. Episódio engraçado ocorreu com um negro de Itu que, estando doente, fizera a promessa de, uma vez curado, levar uma vara de frangos a Frei Galvão.

Desejando cumprir a promessa, amarrou numa vara doze frangos e se pôs a caminho de onde estava Frei Galvão.

Aconteceu que, no caminho, três dos frangos escaparam. Dois foram facilmente recuperados pelo homem, mas, por mais que este se esforçasse, não conseguia agarrar o terceiro, que era carijó. No afã de o prender, gritou:

— Pare aí, frango do diabo!

Na mesma hora o frango se atrapalhou na fuga, e foi fácil recuperá-lo.

Na hora de oferecer os frangos ao Santo, este os ia recebendo e agradecia um a um. Mas, quando chegou a vez do carijó, Frei Galvão disse que não o aceitava.

Ante o espanto do homem, explicou:

— Este, já o deste ao diabo.

O negro, confuso, levou de volta o carijó, e que este por certo morreu de velho, porque ninguém quereria se alimentar com carne que Frei Galvão recusara por ter sido entregue ao demônio.

terça-feira, 17 de novembro de 2020

Cemitério submarino para os 40 mártires brasileiros

Beato Inácio de Azevedo  e companheiros, Museu Pio XII, Braga, Portugal
Beato Inácio de Azevedo  e companheiros,
Museu Pio XII, Braga, Portugal
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs








O que foi dos corpos dos 40 mártires brasileiros assassinados por piratas protestantes calvinistas quando viajavam para o Brasil em 1570?

A resposta é surpreendente sobre tudo quando vem da nossa época tão descatolizada. Na ilha em ao local onde foram mortos no arquipélago das ilhas Canárias há uma placa comemorativa da memória deles com o nome de todos.

Mas em 1999 uma iniciativa de mergulhadores colocou no fundo do mar 40 cruzes de pedra no local onde foram jogados os mártires já mortos, agonizantes ou vivos.

O local não é profundo e pode ser visitado por mergulhadores que nadam no chamado “cemitério submarino”. 

Na realidade, seus restos mortais não estão mais ali, mas ficou este tributo de homenagem a esses heróis da fé.

A história que hoje foi coroada com inesperado reconhecimento começou de modo trágico em 15 de julho de 1570.

O corsário francês Jaques Souri a mando do navio de guerra Le Prince interceptou o galeão Santiago, no qual viajavam rumo ao Brasil como missionários os padres jesuítas Ignacio de Azevedo e 39 companheiros, hoje todos canonizados como mártires.

Os piratas franceses apreenderam o navio e assassinaram cruelmente os jesuítas, jogando os corpos dos clérigos ao mar.

quarta-feira, 4 de novembro de 2020

Harmonioso convívio entre príncipes e povo em Sigmaringen

A pequena cidade alemã de Sigmaringen se aconchega ao majestoso castelo dos Hohenzollern, que se ergue no alto, como descreve simpática reportagem do “Der Spiegel”.

Nela o tempo parece ter parado. Mas não é apenas uma impressão. Os Hohenzollern ‒ família que deu os ex-imperadores da Alemanha ‒ construíram o castelo onde hoje reside a rama católica da família: os Hohenzollern-Sigmaringen.

Os senhores de Sigmaringen perderam o poder político após as jornadas revolucionárias de 1848. Mas, economicamente eles continuam a ter influência, sobre propriedades rurais e sobre o grupo de empresas Hohenzollern.