quarta-feira, 27 de março de 2013

Mais de um milhão de franceses marcham novamente contra o “casamento” homossexual

24-03-2013: a manifestação vista desde a dianteira
24-03-2013: a manifestação vista desde a dianteira

Marcelo Dufaur

A imensa Avenue de la Grande Armée – que vai do Arco do Triunfo até a ponte que comunica Paris com La Défense – foi pequena para conter a multidão que se manifestou mais uma vez contra o projeto socialista de “casamento” homossexual que o equipara ao casamento normal e permite a adoção de crianças por casais sodomíticos.

Nem mesmo os organizadores aguardavam tamanha adesão.

Após idêntica manifestação realizada no 13 de janeiro, supunha-se uma certa diminuição, devido à proximidade das datas.

Em janeiro, a “guerra dos números” enfrentou o cálculo prévio da polícia (350 mil) contra o dos organizadores (entre 800 mil e 1 milhão de participantes).

Uma contagem mais ponderada, organizada pelo general de exército Bruno Dary, ex-governador militar de Paris, estimou então o comparecimento entre 800 mil e 900 mil pessoas.

segunda-feira, 25 de março de 2013

Parlamento polonês recusa três projetos da agenda homossexual

Parlamento da Polônia
O Parlamento da Polônia rejeitou em primeira leitura três projetos de lei que concederiam direitos legais a casais que não estão casados formalmente, inclusive aos homossexuais, informou a agência Reuters.

A polêmica teve um caráter muito amplo, pois confrontou os políticos liberais que querem quebrar o conservadorismo dominante nesse país de maioria católica.

Antes da votação, o primeiro-ministro Donald Tusk pediu aos legisladores “para tornarem mais digna a vida dos homossexuais”.

quinta-feira, 21 de março de 2013

“O tempo passou e me formei em solidão”

Autor: José Antônio Oliveira de Resende. Professor de Prática de Ensino de Língua Portuguesa, do Departamento de Letras, Artes e Cultura, da Universidade Federal de São João Del-Rei/MG.


Sou do tempo em que ainda se faziam visitas.

Lembro-me de minha mãe mandando a gente caprichar no banho porque a família toda iria visitar algum conhecido.

Íamos todos juntos, família grande, todo mundo a pé. Geralmente, à noite.

Ninguém avisava nada, o costume era chegar de paraquedas mesmo. E os donos da casa recebiam alegres à visita. Aos poucos, os moradores iam se apresentando, um por um.

– Olha o compadre aqui, garoto! Cumprimenta a comadre.

domingo, 17 de março de 2013

Episcopado de Camarões condena radicalmente a agenda contra a vida

Episcopado de Camarões
Lamentando que com pretexto de “direitos humanos” tenta se impor à África uma agenda de morte, a Conferência Episcopal de Camarões publicou um expressivo documento.

O teor da declaração dispensa comentários. Ao mesmo tempo é um estimulo aos episcopados do mundo católico para imitarem o corajoso exemplo de integridade e firmeza na defesa da doutrina da Igreja nestas matérias tão atacadas pela Cristofobia.

Intitulado “Declaração dos bispos de Camarões sobe o aborto, o homossexualismo, o incesto e o abuso sexual contra menores”, o documento foi divulgado em diversos sites de Internet daquele país, quase não teve eco na imprensa de Ocidente, excetuados alguns poucos corajosos blogs defensores da vida.

quinta-feira, 14 de março de 2013

Mil padres católicos britânicos denunciam retorno às perseguições religiosas como fruto do “casamento” homossexual

Capela St Giles, Cheadle, do arquiteto Pugin. Foto: Pe. Lawrence OP
Capela St Giles Cheadle, do arquiteto Pugin. Foto: Pe. Lawrence OP.

Em uma das maiores cartas conjuntas do gênero, mil sacerdotes católicos britânicos denunciaram que a liberdade de praticar e falar sobre a sua fé será “severamente” limitada, caso seja aprovado o “casamento” homossexual no país.

O projeto já foi aprovado pela Câmara dos Comuns (deputados) e deverá ser votado pela Câmara dos Lordes (senadores). Os sacerdotes repudiam como “sem sentido” as garantias oferecidas pelo governo do político conservador David Cameron.

Eles comparam a tentativa de redefinir o casamento com o golpe dado pelo rei Henrique VIII, que tirou a Inglaterra do seio da Igreja para poder divorciar-se da rainha Catarina de Aragão.

Henrique VIII deu assim origem à igreja anglicana atual, hoje em fase de desfazimento moral e de organização.

Como muitos católicos não aceitaram o cisma, o mau rei começou repressões que duraram séculos, trouxeram a guerra civil, arruinaram o país e o separaram de Roma.

quarta-feira, 6 de março de 2013

Crescimento do catolicismo tradicional surpreende até revista económica inglesa

No período posterior ao Concílio Vaticano II, inaugurado em 11 de outubro de 1962, a Igreja Católica na Grã-Bretanha procurou se modernizar até na liturgia.

Mas o resultado, segundo a conceituada revista econômica “The Economist”, é que os fiéis desertaram das igrejas.

A assistência à Missa na Inglaterra e em Gales caiu pela metade do 1,8 milhão que compareciam aos domingos em 1960. Também a média de idade dos frequentadores aumentou de modo preocupante: de uma média de 37 anos no ano 1980, subiu para 52 anos hoje.