terça-feira, 3 de agosto de 2021

“Pharmacia Granado”: tradição impulsionando o progresso

Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs







A “Pharmacia Oficial da Família Imperial Brasileira”, título concedido por Dom Pedro II, foi criada em 1870 no Rio de Janeiro pelo imigrante português José Antônio Coxito Granado.

Foi à venda em 1994 sem que ninguém quisesse assumi-la. O vendedor foi o consultor inglês Christopher Freeman que não encontrando interessado, juntou suas economias e ficou com ela, segundo reportagem da “Folha de S.Paulo”.

A Granado cultivava suas próprias plantas medicinais em uma chácara em Teresópolis, para a produção de águas de colônia, cremes e talcos no gosto da nobreza imperial e tinha ficado parada no tempo. 

Sem computador fazia a contabilidade manualmente.

Mas era relativamente sólida, sem dívidas e suas marcas e produtos agradavam aos consumidores, como o polvilho antisséptico Granado criado em 1903.

Em 2004 Freeman adquiriu outra marca brasileira tradicional: a Phebo, criada em 1930, no Pará.

Sua filha Sissi Freeman valorizou o lado “vintage” da marca, por exemplo com a palavra “Pharmácia” que remete à época da fundação.

“Procuramos mostrar a tradição e a história dos nossos produtos. Qualquer empresa pode ser uma farmácia, mas poucas com ‘ph’”, diz Sissi.

Diante das gigantes dos cosméticos, a Granado era minúscula. 

Mas, nas lojas ela apontou à decoração retrô, aos móveis clássicos, quadros antigos e peças publicitárias originais, recriando o ambiente de uma botica do início do século passado.

Hoje tem 82 unidades dessas em bairros nobres. Pulou de 60 itens de produtos para mais de 800 resgatando a tradição da marca e um legado acumulado em 150 anos.

A pandemia não pôs em negativo as receitas que em 2020 subiram 5% a mais que em 2019.

A empresa agora tem três lojas em Paris, e Freeman sonha abrir outra em seu país de origem: a Inglaterra.

Modernizar sem abrir mão da tradição é a fórmula certa porque como ensinaram os Papas a tradição não é um salto no escuro.

A Granado avança com o tesouro acumulado em 150 anos de história para um futuro prometedor sem romper com seu passado.

Uma lição de verdadeiro progresso.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado pelo comentário! Escreva sempre. Este blog se reserva o direito de moderação dos comentários de acordo com sua idoneidade e teor. Este blog não faz seus necessariamente os comentários e opiniões dos comentaristas. Não serão publicados comentários que contenham linguagem vulgar ou desrespeitosa.