quarta-feira, 14 de junho de 2017

Corpus Christi:
Fé combativa no Santíssimo Sacramento

Procissão de Corpus Christi em La Orotava, ilhas Canárias, Espanha.
Procissão de Corpus Christi, La Orotava, Canárias, Espanha.
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs





O Corpus Christi é a festa católica que glorifica especialmente a presença de Jesus Cristo no Santíssimo Sacramento. A festa da instituição do Santíssimo Sacramento é na Quinta-feira Santa, na Última Ceia.

Mas a Igreja percebeu a necessidade da comemorar separadamente o Corpus Christi.

E essa festa vem sendo acompanhada de graças tão insignes, e assim o será até o fim dos tempos em que num dia glorioso mais desditado será comemorada pela última vez antes do fim do mundo.

Protestantes e hereges negam a presença real de Nosso Senhor Jesus Cristo no Santíssimo Sacramento. Esse é um dos piores escândalos da história.

Os medievais tinham uma profunda fé na presença real, que dizer que Nosso Senhor Jesus Cristo está presente verdadeira e substancialmente em Corpo, Sangue, Alma e Divindade nas espécies consagradas pelo sacerdote na Missa.

Portanto, é uma devoção enorme à Santa Missa e à adoração do Santíssimo Sacramento.

Lutero e os protestantes, hoje também os progressistas, negam boçalmente a presença real.

Essa negação foi um dos pontos de fratura dos protestantes que os católicos receberam como um dos piores ultrajes jamais feitos contra Nosso Senhor.

Qual foi a tática pastoral usada pela Igreja em face dessa negação?

A Igreja teria podido dizer:

Ostensório: objeto litúrgico
para expor dignamente o Corpo de Cristo
“bem, nossos irmãos separados protestantes estão negando a presença real. Se nós vamos afirmar protuberantemente a presença real, nós aumentamos a separação. Como eles não querem saber de nenhum modo desse dogma, vale a pena então nós repensarmos o dogma da presença real.

“E tomando em consideração que os tempos mudaram, era muito natural que nós agora exprimíssemos a presença real num vocabulário diferente que agradasse aos protestantes.

“Não seria uma negação da presença real. Isto jamais! É um dogma definido por Nosso Senhor Jesus Cristo e, por causa disto, não vamos nos dizer contrários a esse dogma.

“Mas em vez de afirma-lo tão afirmativamente poderíamos dizer que Deus está presente por toda parte. Os bons amigos protestantes podem achar que Deus está presente ali, como também numa flor ou num pão qualquer.

“Nós entendemos que não é. Que Ele está realmente presente em Corpo, Sangue, Alma e Divindade, mas não vamos dizer isto para não criar uma cisão.

“Vamos usar um termo confuso, equívoco e assim eles ficam conosco.

“Depois, vamos começar o diálogo. No diálogo, diremos para eles: fulano, que tal seria se nós reestudássemos os fundamentos do dogma da presença real?

“Que tal verificamos juntos até que ponto esse dogma tem ou não seu fundamento da Sagrada Escritura?”

O protestante diria: “a sua dúvida é irmã da minha. E eu tenho vontade de re-pesquisar o assunto, como você tem também”.

Então, começa uma conversa a respeito do Santíssimo Sacramento em que o católico insincero diz: “olha, poderíamos chegar a um acordo, a uma terceira posição.

“Que não é inteiramente uma coisa nem inteiramente outra. Você cede um pouco, eu cedo um pouco. E afirmaremos juntos que Jesus Cristo está presente de fato na Eucaristia.

“Agora, se Ele está presente apenas enquanto Deus, ou enquanto Homem-Deus é um pormenor a respeito do qual cada um de nós reclama sua liberdade de posição. Então, nós teremos chegado finalmente a uma síntese”.

Desta forma poderia se ter evitado a ruptura entre protestantes e católicos.

Satanás, se tivesse que fazer uso da palavra, com mais inteligência e com mais charme, teria dito mais ou menos a mesma coisa.

Mas os santos, os teólogos e os papas seguiram uma política inteiramente diversa.

Procissão de Corpus Christi em Toledo, Espanha.

Eles pensaram que a Igreja Católica foi instituída por Jesus Cristo para ensinar a verdade.

E Ela não tem o direito de dar um ensinamento confuso porque o ensinamento confuso não é um ensinamento digno desse nome.

Ainda que seja involuntariamente, que seja por incompetência, ele não é digno. Porque a clareza é a primeira das qualidades do mestre.

O ensino exige, como pressuposto, a clareza.

Depois, exige a categoria do conteúdo. Um homem pode ser sábio e não ser claro.

Mas um professor confuso não pode ser professor. É mais ou menos como um homem que fabrica óculos com um cristal excelente e uma montagem muito boa.

Só que usa cristais um pouco embaçados: é uma porcaria! Pode ser o que for, é uma porcaria! Porque se não dá para ver com clareza, é uma porcaria!

Se o mestre intencionalmente não ensina com clareza, ele é pior do que um incompetente: ele é um desonesto.

Procissão de Corpus Christi na Itália.
Procissão de Corpus Christi na Itália.
Porque é uma desonestidade, é uma fraude, apresentar-se alguém com a segunda intenção de não lhe dar a verdade inteira.

Se aqueles grandes teólogos e Doutores, e a Igreja pela voz de seus Papas fizessem o silêncio a esse respeito, os fiéis receberiam um ensinamento confuso sobre uma verdade indispensável à salvação.

Então, eles estariam fraudando os fiéis e faltando com a sua missão.

Em segundo lugar, se a Igreja, fosse silenciar a respeito da Eucaristia, faria que os fiéis comungassem mal. Porque não tendo o ensinamento claro, não podiam receber bem o que eles estavam recebendo.

Quer dizer, na primeira hipótese a Igreja sacrificaria a vida espiritual de seus fiéis para manter uma unidade pútrida.

A força de toda instituição consiste em levar seus próprios princípios às últimas consequências. A partir do momento em que ela acha que tem que adoçar os seus princípios para sobreviver, ela reconhece que já morreu.

A partir do momento em que um Ministro da Guerra dissesse: “o Brasil é um país ao qual repugna tanto o estado militar que, ou o militar toma ares de civil, ou não haverá mais militares”.

Não adianta mais o militar tomar ares de civil. Porque, se repugna tanto a coerência do estado militar é preciso reconhecer de frente que o estado militar morreu. Não vale a pena entrar com voltas.

Vocações clericais: um padre deve ser, pensar, se vestir e viver como padre. Se alguém vem e diz: “bem, então, não haverá mais padres no Brasil”. A resposta só pode ser: “não adianta pôr padre de macacão para ver se alguém quer ficar padre”.

Se o país não quer ter mais padres, é porque ficou pagão. Vamos tomar a questão de frente.

Sobre a instituição da família: alguém poderá dizer: “bem, se não se fizer o divórcio, no Brasil muita gente começa a não se casar mais e a viver no amor-livre”.

A resposta é: então diga que morreu a instituição da família no Brasil. Não vale a pena fazer uma famélica, moribundinha, caricatura abastardada daquilo que deve ser, mas diga logo de uma vez: morreu a família.


Na festa de Corpus Christi: o hino Pange Lingua

Então, vamos logo dizer: morreu o Brasil. Porque um país onde não há compreensão para o estado militar, para o estado eclesiástico e nem apreço pela família, isso é um país morto.

Eu estou falando do Brasil, porque eu estou no Brasil. Eu poderia, a igual título, falar de qualquer outro país onde me encontrasse. É um exemplo hipotético que eu estou tomando.

Foi a política da honestidade, da lealdade, da integridade, da coerência.

Então, os padres do Concílio de Trento entenderam que era preciso fazer o contrário da posição dialogante.

Em oposição ao protestantismo, acentuaram o culto do Santíssimo Sacramento, instituíram uma festa para a adoração do Santíssimo Sacramento e uma procissão em que o Santíssimo Sacramento sai à rua, adorado por todos, para as multidões todas ver.

O adoram de joelhos postos em terra, reconhecendo que debaixo das aparências eucarísticas, ali está Nosso Senhor Jesus Cristo.

Foi a política de enfrentar, de não conceder, de lutar, de afirmar, de proclamar.

Daí veio para a Igreja uma torrente de graças. Exatamente a Contra-Reforma, que representou uma das maiores chuvas de graça que a Igreja tem recebido.

Enquanto o protestantismo dura e a Igreja é católica em todo o seu conteúdo, essas respostas se acentuam.

No século XIX ainda, a proclamação da infalibilidade papal, do dogma da Imaculada Conceição. No século XX, o dogma da Assunção, etc.

Até que outros ventos sopraram. Vamos dizer a verdade de frente: há incontáveis católicos que já não têm mais a coerência de sua Fé, a pugnacidade, a integridade que caracteriza a instituição quando está viva.


Hino Ave Verum


A Igreja é imortal porque é divina. Mas a correspondência de seus filhos a Ela pode diminuir e a densidade de fé decair no espírito de muitos deles.

Na festa de Corpus Christi no dia de hoje vemos como a coragem de proclamar os dogmas diminuiu. E como, portanto, há uma diminuição da Fé, em incontáveis desses que se dizem católicos.

Em 1970, no Congresso Eucarístico de Brasília, segundo os jornais, compareceram menos de 50.000 pessoas.

No ano de 1943, em São Paulo foi realizado um Congresso Eucarístico que encheu o vale de Anhangabaú inteiro, desde a Praça das Bandeiras até a praça do Correio oito vezes mais, muito aproximadamente!

A comparação é verdadeira e oportuna para mostrar como é verdadeira a afirmação da Escritura de que viria um dia em que as verdades estariam diminuídas entre os filhos dos homens.

Não propriamente negadas, mas murchas, reduzidas, apoucadas, amesquinhadas entre os filhos dos homens.

Por isso devemos nos voltar, pela intercessão imerecida mas incessante de Nossa Senhora para conosco, para aumentar a vitalidade, a correspondência à Fé, a energia e a plenitude no crer, na intransigência e na combatividade da Fé na presencia real de Jesus Cristo no Santíssimo Sacramento.


Procissão de Corpus Christi, Friburgo, Suíça, 20.06.1956


A festa de Corpus Christi é a festa do Santíssimo Sacramento. Hoje só pode ser uma grande lição de combatividade.

Aprendamos essa lição, e procuremos ser cada vez mais combativos por amor a Nossa Senhora e por adoração ao Santíssimo Sacramento.

(Autor: Plinio Corrêa de Oliveira, excertos de palestra proferida na quinta-feira 28.5.1970. Sem revisão do autor)


segunda-feira, 29 de maio de 2017

Em Núrsia: bombeiros tiram das ruínas
imagem íntegra de São Bento

Imagem de São Bento resgatada intacta de cripta esmagada pelos escombros da basílica que ruiu em terremoto
Imagem de São Bento resgatada intacta de cripta
esmagada pelos escombros da basílica que ruiu em terremoto
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs





Quase cinco meses após o terremoto que devastou o centro da Itália e arrasou a famosa basílica de São Bento em Núrsia, construída no local onde nasceu o Patriarca do Ocidente, um grupo de bombeiros ingressou nas ruínas e resgatou, assombrosamente intacta, uma imagem do padroeiro da Europa, conforme noticiou ACIPrensa.

Com o terremoto do dia 30 de outubro de 2016, nas regiões italianas de Úmbria e Marche, só a fachada dessa basílica ficou em pé, e mesmo assim em estado periclitante.

Todo o resto virou entulho, do qual foram salvas algumas peças artísticas. O ingresso, inclusive à cripta, ficou interditado, por grave perigo de novos desabamentos.

No dia 21 de março de 2017, na festa do Trânsito de São Bento, alguns bombeiros internaram-se nas profundezas dos restos, chegando pela primeira vez até a antiga cripta sepultada pelos escombros.

E com admiração encontraram a estátua de bronze do santo, que se sabia que estivera ali, constatando estar ela incrivelmente íntegra. Conseguiram resgatá-la.

Os bombeiros italianos no momento que removem a imagem da cripta em ruínas
Os bombeiros italianos no momento que removem a imagem da cripta em ruínas
No vídeo difundido pelos bombeiros (ver abaixo), eles aparecem avançando numas como que cavernas de entulho para chegar à cripta.

Após trazê-la à luz, a bela imagem foi recoberta com uma das casacas dos bombeiros, como eles fazem com as pessoas resgatadas.

Foi nessa cripta que, segundo a tradição, nasceram São Bento e sua irmã Santa Escolástica. O prefeito de Núrsia, Nicola Alemanno, sublinhou que “o incrível é que nessa capelinha completamente destruída, uma pequena estátua de São Bento permaneceu em pé”.

Na praça principal, diante da basílica arruinada, o prior da comunidade beneditina de Núrsia, P. Benedicto Nivakoff, agradeceu ao “nosso padroeiro [que] nos salvou a vida”, porque “é um milagre nós não termos morrido em 30 de outubro enquanto rezávamos no interior da basílica”.

Segundo o jornal “Il Giornale” de Milão, foi uma surpresa achar a estátua, que se encontrava em um nicho.
O prefeito da cidade, citado pelo jornal milanês, disse outra coisa surpreendente:

“Todos os monumentos ficaram danificados, exceto as estátuas de nosso santo protetor”, informou o jornal “Il Corriere della Sera”.

A referência especial é à famosa estátua de mármore do santo, que se ergue isolada no centro da praça principal da cidade.

Ela permanece inabalada, diante da basílica destruída e do prédio da prefeitura gravemente danificado, como outrora os mosteiros beneditinos ficaram em pé numa Europa devastada pelas invasões bárbaras.

A grande estátua de São Bento incólume na cidade em ruínas
A grande estátua de São Bento incólume na cidade em ruínas
Embora alta e sustentada apenas por um pedestal, ficou impávida e íntegra, de um modo considerado “milagroso” pelo jornal milanês.

Os recursos para reconstruir a basílica foram garantidos repetidas vezes pela União Europeia. Além desse financiamento, os monges receberam promessas no mesmo sentido do governo italiano e de organismos internacionais e pessoas do exterior.

Mas irrompeu simultaneamente um anúncio, que poderá causar mais danos ao patrimônio religioso da cidade e da Europa do que o próprio terremoto.

Porém, bispo pode apagar o passado beneditino de Núrsia


Os monges beneditinos de Núrsia informaram que, contrariamente à sua vontade, o arcebispado decidiu não reconstruir a basílica em seu antigo estilo, mas sim num “estilo moderno” que rompe com o passado histórico e a finalidade do prédio.

Os monges explicaram que a Arquidiocese de Spoleto-Norcia é a proprietária dos prédios, segundo informou LifeSiteNews.

Eles receberam ordem de se mudar definitivamente para uma propriedade rural monástica a três quilômetros da cidade.

O Dr. Robert Moynihan, editor da revista “Inside the Vatican”, disse que os monges contaram que as partes remanescentes do convento virarão “residência episcopal temporária”.

Mostra pornográfica na igreja de San Francisco, em Cássia, antes do terremoto. Foto reduzida para não ressaltar os detalhes obscenos
Mostra pornográfica na igreja de San Francisco,
em Cássia, antes do terremoto.
Foto reduzida para não ressaltar os detalhes obscenos.
Revolução Cultural atrai castigos e desgraças.
Veja: "Cara e coroa" dos terremotos na Itália"
Antes do terremoto, os monges levavam uma vida de estrita observância e celebravam o rito extraordinário da Missa em latim.

Eles tinham restaurado importantes partes da basílica e do mosteiro, inclusive a biblioteca, as celas monásticas e a torre do sino, bem como encomendado belos quadros da Crucifixão para o refeitório.

“Essa época da vida do mosteiro acabou, segundo parece”, acrescentou Moynihan.

A decisão do arcebispo de Spoleto-Norcia, Mons. Renato Boccardo, causou consternação.

Diante das reações, em declarações à agência SIR, o bispo pareceu dar meio passo atrás, acenando para “um concurso internacional aberto a todos”, informou ACIPrensa.

Não ficam excluídos os projetos modernistas, mas foram convidados “os grandes nomes da arquitetura”, os quais, de modo geral, são ousadamente vanguardeiros e infensos à tradição católica.

Em termos enrolados, o arcebispo disse visar “um projeto que mantenha reunidas as partes que ficaram da igreja, da fachada, da abside, da base do campanário, unidos com uma nova aula litúrgica que conserve a memória do passado, se abra ao presente e ao futuro valorizando os restos do terremoto que são cicatrizes que não podemos apagar”.

O prelado anunciou que todas as obras artísticas e ornamentos sagrados recuperados nas igrejas foram transladados para uma espécie de museu denominado “local da memória” temporário.

Os monges e os católicos de Núrsia temem que esse seja o destino final do projeto que o arcebispo modernizado deseja ver triunfar a priori “num concurso internacional aberto a todos”, mas com as cartas marcadas para qualquer coisa que não seja a restauração do prédio tradicional.

Se for efetivada essa ruptura com o passado religioso e histórico do local, mãos humanas terão feito uma destruição maior que os terremotos. E mãos episcopais consagradas!


Vídeo: Bombeiros tiram imagem de São Bento íntegra das ruínas




segunda-feira, 3 de abril de 2017

Nossa Senhora de Czestochowa:
padroeira da Polônia continua fazendo milagres

Nossa Senhora de Chestohowa, padroeira da Polônia.
Nossa Senhora de Chestohowa, padroeira da Polônia.
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs



Principal devoção mariana da Polônia, a imagem milagrosa apresenta a Mãe de Deus profundamente meditativa, numa posição de oração e a seu santuário peregrinam sem cessar milhões de poloneses angustiados pelo caos que só faz crescer.

No quadro de Nossa Senhora de Czestochowa notamos duas partes bem distintas: a pintura propriamente dita — o rosto e as mãos de Maria Santíssima, a face e as mãos do Menino Jesus — e a parte de bordados e tecidos, de um luxo extraordinário.

O rosto d’Ela é muito notável, de uma tonalidade escura, protegido contra a luz difusa que aumenta a profunda impressão de recolhimento.

Uma fisionomia de quem não está prestando atenção em realidades externas, mas sim numa realidade interna: uma meditação enquanto segura o Menino-Deus em seus braços.

Ela não está olhando para nada; está com uma fisionomia absorta; nenhum fato externo está influenciando o seu temperamento.

Ela está colocada numa esfera mais alta, numa posição de oração.

O Menino Jesus aponta para Ela, como quem diz:

“Se quereis qualquer coisa de Mim, pedi à Minha Mãe.

“Vede o estado de dependência voluntária em que Me coloquei em relação a Ela.

“Vede como Eu desejei fazer-Me uma criança nos braços d’Ela.

“Para que Ela seja medianeira e a glória passe por meio d’Ela, como a graça também. Então, olhai para Ela”.

Notem a posição calma e nobre da mão bem feita, com os dedos longos e finos; uma mão aristocrática sem ter, entretanto, nada de pretensioso.

Este quadro lembra um ícone — embora seja uma imagem de rito latino, recorda as imagens do rito católico oriental — de riqueza extraordinária, toda a indumentária d’Ela lembra também o fausto oriental.

Sabe-se historicamente que as marcas no rosto da imagem foram produzidas no século XV por hereges, que lhe deram espadagadas por ódio à fé, deixando-a marcada com duas cicatrizes.


O santuário da padroeira da Polônia fica na colina de Jasna Gora (Montanha Branca), em Czestochowa onde é venerado o milagroso quadro de Nossa Senhora de Czestochowa.

Ele foi pintado, segundo a tradição, pelo Apóstolo São Lucas.

Sua coroação como Rainha e Padroeira da Polônia ocorreu há 300 anos, após vitória miraculosa que salvou o país da invasão protestante sueca.

(Autor: Excertos da conferência proferida pelo Prof. Plinio Corrêa de Oliveira em 9 de setembro de 1972. Sem revisão do autor).

Vídeo: Todo dia o início e o fim da veneração da imagem
é objeto de solene e impressionante ato






Outros aspectos do santuário



segunda-feira, 6 de março de 2017

Bispo nigeriano difundiu o terço para liquidar o Islã.
E deu certo!

Dom Oliver Dashe Doeme, bispo da diocese de Maiduguri, Nigéria anunciava que o terço daria a vitória sobre o Islã. E agora está se verificando no país
Dom Oliver Dashe Doeme, bispo da diocese de Maiduguri, Nigéria
anunciava que o terço daria a vitória sobre o Islã. E agora está se verificando no país
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs







O presidente nigeriano Muhammadu Buhari confirmou que os últimos bastiões da guerrilha Boko Haram, que pretendia estabelecer um califado na África nos moldes do ISIS, foram esmagados no bosque de Sambisa, no estado de Borno, nordeste do país.

Desde que iniciou a guerra de expansão islâmica há sete anos, o Boko Haram assassinou mais de 20.000 pessoas e provocou a fuga de mais de dois milhões, noticiou o jornal Clarín, de Buenos Aires.

Ele chegou a controlar vastas áreas do nordeste da grande e populosa Nigéria, e aspirava criar um califado regido pela sharia (lei islâmica) aplicando o esquema de seus aliados do ISIS do Iraque e da Síria.

O governo nigeriano anunciava há tempos que os tinha derrotado, mas os ferozes atentados corânicos continuavam cada vez mais sanguinários.

Por sua vez, o vizinho Níger confirmou que dezenas de membros do Boko Haram que fugiam da Nigéria, se entregaram às autoridades do sul do país, confirmando a derrocada do movimento terrorista, informou a agência Reuters.

Várias outras centenas de terroristas do mesmo movimento já se tinham rendido às autoridades do Chade no fim de 2016.

Dom Olivier: “o Rosário nos dará a vitória sobre todas as formas de mal como na batalha de Lepanto”
Dom Olivier: “o Rosário nos dará a vitória
sobre todas as formas de mal como na batalha de Lepanto”
O que concorreu para uma virada tão radical e a derrocada do movimento muçulmano?

Nada acontece sem uma causa. E o exército nigeriano vinha sendo acusado pela população de moleza e ineficácia contra os terroristas.

Uma pessoa, porém, anunciava sua iminente ruína e fornecia a mancheias a arma para acabar com a sanguinária horda maometana.

Esse homem é Dom Oliver Dashe Doeme, bispo católico de Maiduguri, a “capital” dos terroristas.

Enquanto a diocese era dominada pelo terror, o corajoso prelado pregava a reza do Rosário implorando a intercessão da Bem-aventurada Virgem Maria para acabar com o flagelo muçulmano.

O jovem e destemido bispo não hesitava em sair às ruas de batina e cruz peitoral, difundindo a prática do terço e inspirando respeito até entre a população muçulmana.

Há dois anos, enquanto rezava o terço em sua capela privada, ele disse ter visto a Jesus que convocava todos os católicos a rezar o Rosário para se libertarem do terrorismo do Boko Haram.

Até colegas do episcopado nigeriano ficaram espantados pela intrepidez do bispo da “capital do terror”. Sua iniciativa parecia “louca” aos olhos do mundo e dos católicos moles.

Mas agora que o exército nigeriano liquidou inesperadamente os assassinos insurgentes, o povo se volta para Dom Dashe Doeme e sua pregação. E ele diz que o mérito todo é de Nossa Senhora.

“Antes – declarou ele ao Catholic Herald – os milicianos do Boko Haram estavam por toda parte. Agora eles não estão em lugar nenhum. O Boko Haram será liquidado logo, sobretudo por causa das orações de nosso povo”.

Segundo o bispo, Jesus Cristo lhe teria dado uma espada, e ao pegá-la ela se transformou imediatamente num terço. E Nosso Senhor lhe disse: “O Boko Haram irá embora”.

Dom Oliver levou a mensagem a sério, “consolando o povo de que Nossa Mãe está conosco”.

O povo de sua vasta diocese ficou com a certeza de “que o Rosário nos dará a vitória sobre todas as formas de mal. O Boko Haram é o mal, ISIS é o mal.

O Papa São Pio V segura o terço enquanto o príncipe Don João de Áustria comanda a batalha de Lepanto- Mosaico na Basílica.de.Notre-Dame.de.Fourvière, Lyon, França.
O Papa São Pio V segura o terço enquanto o príncipe Don João de Áustria
comanda a batalha de Lepanto-
Mosaico na Basílica.de.Notre-Dame.de.Fourvière, Lyon, França.
“À medida que abrimos espaço para Nossa Senhora, especialmente rezando o Rosário, que é a mais rezada das devoções marianas, nós sairemos vitoriosos”.

Dom Oliver instalou a recitação do Rosário diário em todas as escolas, famílias e paróquias da diocese.

E explicou ao Catholic Herald, referido por Life Site News, que o Rosário “fez maravilhas, liberou nações”.

Ele citou como exemplo a batalha de Lepanto, em 1571, quando as forças navais católicas derrotaram uma frota do Império Otomano muito mais numerosa.

E aqui no Ocidente, onde estão os bispos ou mais altos hierarcas que preguem o Terço para acabar com a praga do terrorismo e da cristofobia?

Onde está a fé e a devoção a Nossa Senhora?

Emporcalhada no contexto neopagão do Carnaval por mãos sacerdotais, arcebispais e cardinalícias?

O que pode atrair esse emporcalhamento blasfemo?


segunda-feira, 20 de fevereiro de 2017

Para-raios da Ira Divina

Raios sobre a igreja católica da Santíssima Trindade, Schwertner, Texas, 17-07-2014.
Raios sobre a igreja católica da Santíssima Trindade, Schwertner, Texas, 17-07-2014.








“Busquei entre eles um justo que se interpusesse como uma sebe, e que pugnasse contra mim em favor desta Terra, para eu não a destruir; e não o encontrei” (Ez. 22,30).

Assim exprime o Profeta Ezequiel os lamentos de Deus — que é, segundo o Salmista, lento em irar-se e cheio de clemência (Sl. 102,8) — sobre as infidelidades do povo eleito.

Com a vinda de Nosso Senhor Jesus Cristo, a cólera divina encontrou por fim aquela “sebe” que procurava, e descarregou-se sobre Ele, o Inocente, poupando-nos a nós, os verdadeiros culpados.

Ao longo da vida da Igreja, o Divino Espírito Santo foi inspirando almas de escol a se associarem a essa missão de “para-raios” da justiça divina.

Assim nasceram as várias Ordens contemplativas, exércitos de vítimas voluntárias que se isolavam do mundo a fim de se oferecerem de modo mais eficaz em resgate dos pecadores.

Orações, clausura e penitências livremente consentidas — calibradas pela mesma inspiração do Divino Esposo — foram sempre suas armas.

Com seu holocausto contínuo, impetravam também de Deus a conversão dos mesmos pecadores, abrindo largas veredas para outro exército, o dos missionários, que iam assim colher a vasta semeadura da Graça.

Admirável exemplo de conversão obtida por uma religiosa


Em pleno século XX, quando a rejeição oficial das nações a Deus mais se patenteou, a atuação desses para-raios em meio a um dos castigos mais eloquentes do Deus Vingador sobre a humanidade pecadora — a II Guerra Mundial — constitui um exemplo entre muitos.

segunda-feira, 6 de fevereiro de 2017

China: sacerdotes, freiras e fiéis lutam com coragem
para recuperar propriedades da Igreja

Religiosas corajosas pedem devolução dos bens da Igreja em Anyang
Religiosas corajosas pedem devolução dos bens da Igreja em Anyang
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs




No distrito de Hexi (Tianjin), onde a Igreja Católica teve grande número de propriedades confiscadas pela reforma agrária e pela Revolução Cultural, sacerdotes, freiras e fiéis tentaram uma manifestação pela devolução de um desses bens, aliás muito simbólico, informou Infocatólica.

O ato começou diante da sede do governo comunista do distrito, mas os católicos foram imediatamente presos pela polícia, tendo algumas freiras sido espancadas.

A diocese de Anyang, dona das propriedades, sofreu muito com a reforma agrária. Esta resultou em estrondoso fracasso, ficando a China obrigada a importar imensa quantidade de alimentos para a população.

O país socializado enfrenta agora graves crises sociais, econômicas e financeiras. Por isso, o governo central abriu uma fímbria de oportunidade para que os legítimos donos recuperem suas propriedades, desde que as utilizem para fins sociais.

O critério não faz justiça inteira aos herdeiros das terras e de prédios confiscados, porém deveria aplicar-se de cheio à Igreja Católica, que visa usar as propriedades com finalidades caritativas ou apostólicas eminentemente sociais.

O socialismo foi obrigado a reconhecer que a diocese de Anyang é a legítima proprietária do prédio ocupado pelo governo local.

Mas face à Igreja verdadeira, o comunismo não respeita sequer suas próprias leis, e não restituiu o prédio.

segunda-feira, 23 de janeiro de 2017

O padre que salvou um tesouro cultural iraquiano
com um terço na mão

Frei Najeeb-Michaeel O.P., exibe um dos documentos salvos
Frei Najeeb-Michaeel O.P., exibe um dos documentos salvos
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs




No dia 6 de agosto de 2014, enquanto os obedientes adeptos do Corão do ISIS (abreviatura em inglês de Estado Islâmico do Iraque e do Levante) avançavam sobre a cidade crista de Qaraqosh – hoje felizmente recuperada – o frade dominicano iraquiano Najeeb Michaeel se afastava a toda da cidade.

Ele conduzia um carro e era acompanhado por um camião que ele tinha fretado. Nos dois veículos ia um tesouro que acabou sendo salvo das garras da destruição dos fanáticos islâmicos: 3500 manuscritos orientais dos séculos X a XIII, contou ele para o jornal “Clarin”.

O sacerdote os tinha tirado de Mosul, que viraria capital dos seguidores de Maomé, inimigos de toda forma de cultura.

A pequena caravana fez um longo caminho entre o pó e o terror. Conseguiu passar por três controles: um dos próprios muçulmanos do ISIS e dois das milícias curdas, essas mais amigáveis.

Por fim, chegou a Erbil, no Curdistão, onde essa valiosa parte da memória da Mesopotâmia ficou a salvo até os presentes dias.

O Pe. Najeeb Michaeel renovou assim, em pleno III milênio, com uma velha e admirável tradição da Igreja Católica.

segunda-feira, 9 de janeiro de 2017

O fogo devora, o teto desaba,
e Cristo reina sobre os elementos descontrolados!

Imagem de Cristo Rei indene após feroz incêndio no Chile
Imagem de Cristo Rei indene após feroz incêndio no Chile
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs




Num incêndio iniciado no dia 2 de janeiro depois das 7h, a sacristia, o presbitério e um depósito da Paróquia Cristo Rei de Rancágua (Chile) ficaram completamente destruídas, segundo informou a agência ACI Digital. 

As chamas devoraram os paramentos e livros litúrgicos, os equipamentos de som.

Grande parte da cúpula e o teto do presbitério que desabou. O sacrário e algumas imagens foram resgatados pelos bombeiros.

O templo fazia parte do Lar São Joaquim do Pequeno Cottolengo, Obra Dom Orione, os idosos foram evacuados preventivamente e felizmente não houve vítimas mortais.

Entrementes, um fenômeno mudo mas eloquentíssimo, deixou pasmos a bombeiros e simples fiéis.

Na parede do presbitério tinham ficado intactas a imagem de Cristo Rei e a frase “Salve Cristo Rei do Universo”.

Costumes tradicionais do principezinho George entusiasmam

O príncipe George no Canadá, outubro 2016.
O príncipe George no Canadá, outubro 2016.
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs




O príncipinho George, com pouco mais de três anos fez uma visita oficial triunfal ao Canadá.

A visita fez parte do protocolo da monarquia britânica. Elisabeth II, rainha da Grã-Bretanha, também é rainha do Canadá e o visita periodicamente.

Em virtude de sua idade, ela delegou a missão a seu neto o príncipe William que viajou com sua mulher Kate, duquesa de Cambridge e de seus dois filhos o príncipe George e a princesinha Charlotte.

E a visita fez vibrar de contentamento boa parte do planeta, especialmente pela conduta e a vestimenta do príncipe George.

A criança real compareceu nos atos de Estado usando calcas curtas de veludo, inclusive em dias cujas temperaturas estavam bastante frias.

Sua mãe apelou ao casaco, mas o menino ficou ufano com suas calcas curtas. Por que?

O rosto cheio e saudável de George afastava toda ideia de desinteresse por ele.

O pequeno príncipe jamais foi visto com calças cumpridas. E isso corresponde aos costumes tradicionais que o casal principesco respeita.

O futuro rei deve usar as calças curtas e as meias até o joelho para respeitar a etiqueta em vigor na corte, para os nobres meninos em pequena idade.

“É tipicamente inglês vestir os meninos pequenos com calças curtas. As calças normais são para os meninos já crescidos e para os homens. O uso desse tipo de calças curtas é uma das marcas de categoria que nós temos na Inglaterra”, explicou William Hanson, entendido em proto¬colo, para a revista francesa “Voici”.