quarta-feira, 12 de setembro de 2012

Sondagem anti-vida constata que a maioria dos americanos é contra o aborto

A maioria dos cidadãos americanos quer que o aborto seja proibido totalmente, ou pelo menos na maioria das exceções hoje admitidas pela lei, revelou enquête da CNN reproduzida pela agência LifeSiteNews.

O resultado não vem modificar substancialmente o que já se conhecia através de muitas outras pesquisas de opinião.

Sua importância deriva de a CNN ser um dos grandes abandeirados do abortismo na “guerra das pesquisas”, mas com este seu reconhecimento ela “jogou a toalha”: não há mais como dizer que o povo quer mais massacre de inocentes.


A pergunta foi: “Você acha que o aborto deve ser legal em qualquer circunstância, legal apenas em certas circunstancias, ou ilegal em todas as circunstâncias?”.

Perto de 62% responderam que ilegal em todos os casos ou legal só em certos casos. Só 35% aprovaram o aborto em qualquer caso.

Aprofundando o questionário, a CNN perguntou: “Você acha que o aborto deveria ser legal na maioria dos casos ou só em poucos casos?”

Na resposta, 52% assumiram que o aborto sempre deveria ser ilegal (15%) ou na maioria dos casos (37%). 44% adotaram o ponto de vista de que o aborto deveria ser sempre legal (35%) ou na maioria dos casos (9%).

A maioria mantém as raras exceções previstas pela lei. Mas 99% dos consultados recusaram a ampliação dos casos quando, como pretendem os anti-vida, há razoes de conveniências sociais da mãe, ou quando o único argumento é a limitação dos nascimentos sem maior desculpa.

A sondagem entrevistou 1.055 adultos e foi efetivada nos dias 22 e 23 de agosto 2012 pela ORC International para a CNN. A margem de erro é de 3 pontos percentuais.


Um comentário:

  1. João Guilherme Barbedo Marques13 de setembro de 2012 17:08

    E julgo que não pode haver uma pessoa normal que defenda a morte de crianças no útero da Mãe. Até admito que, em determinadas circunstâncias, especialmente, em certos ambientes, que uma pessoa diga que é a favor do aborto, mas no fundo não o né.
    Pode pensar dessa forma a "ilustre"comissão que propõe alterações ao Código Penal. mas eles não são "pessoas normais". Pode pensar assim o presidente do Senado, mas ele também não é uma "pessoa normal". Imagine só que há uma lei chamada "Ficha Limpa" que as pessoas endeusam, mas o Sarney, o mais corrupto dos corruptos, continua 100% elegível.

    O problema que se está a pôr é que se os políticos não aprovam o aborto, a justiça o aprova. E se o povo recusa o aborto e altera a lei, proibindo-o, a justiça repõe-o. Como aconteceu na Califórnia.

    Mas não podemos parar de lutar.Se lutarmos, venceremos; se pararmos, morremos.

    ResponderExcluir

Obrigado pelo comentário! Escreva sempre. Este blog se reserva o direito de moderação dos comentários de acordo com sua idoneidade e teor. Este blog não faz seus necessariamente os comentários e opiniões dos comentaristas. Não serão publicados comentários que contenham linguagem vulgar ou desrespeitosa.