quarta-feira, 13 de outubro de 2010

“Não podemos nos calar” diante de projeto contra a vida, diz arcebispo da Paraíba

Dom Aldo Di Cillo Pagotto, Arcebispo Metropolitano da Paraíba, fez um importante pronunciamento relativo ao segundo turno da eleição presidencial que opõe os candidatos Dilma Rousseff e José Serra.

O pronunciamento pode ser visto e ouvido em Youtube, Gloria.TV e muitos outros sites.

O próprio arcebispo encarregou a seus diocesanos de o divulgarem.

A clareza dos conselhos e ensinamentos pronunciados por Dom Pagotto dispensam comentários.

Reproduzimos a continuação um excerto de dito pronunciamento.

Está em jogo o fundamento do cristianismo

De início, o prelado alertou que “engana-se quem que esteja em jogo a escolha dos candidatos”. O que está em jogo é o próprio fundamento do cristianismo, explicou:

“A humanidade tem assistido nas últimas décadas ao trabalho internacional calculado e planejado que pretende modificar radicalmente as concepções básicas do cristianismo no tocante ao papel da família, a dignidade da família humana e à ética que foi o pilar fundamental para a revolução da civilização que nós construímos.

Veja vídeo
Arcebispo de Paraíba:
em face de candidata que quer o aborto:
“Não podemos nos calar”

“Os conceitos de vida, de dignidade humana estão ameaçados no mundo de hoje como nunca se viu na história.

“A ONU vendo já suficientemente arraigada a cultura do aborto pretende reconhecê-lo não mais como um mal menor a ser tolerado mas como um direito humano fundamental a ser promovido, enquanto no mundo dito desenvolvido se procura introduzir a prática pela qual as pessoas mais idosas quando suas vidas não evidenciam mais os sinais de utilidade social ‒ não produzem mais ‒ mesmo que ainda estejam em pleno gozo de saúde peçam elas a própria morte disfarçada sob o rótulo de um novo direito: a eutanásia.

“Todos esses ataques à vida e à dignidade humana são a face mais visível de um projeto amplo que atinge a sociedade de hoje.”

O PT respalda a “cultura da morte”

Dom Pagotto lembrou que essa “cultura da morte” foi denunciada por todos os Papas mais recentes, sem exceção, e que a “cultura de morte” começou a ser introduzida no Brasil graças a financiamentos maciços internacionais bem conhecidos e denunciados.

"Católicas pelo direito de decidir"
fazem parte da ofensiva anti-vida
paga pela ONU e ricas fundações estrangeiras

“Em 2003, precisou D. Pagotto, [a cultura da morte] encontrou respaldo no Partido dos Trabalhadores que nesse ano tinha alcançado o poder. Desde que chegou ao poder o Partido dos Trabalhadores assumiu como projeto de governo a completa legalização do aborto no Brasil.

“O Partido não escondeu a sua agenda, antes, paradoxalmente passou a negar com insistência o que ele fazia publicamente mesmo diante de todas as evidências ao contrário. O brasileiro maciçamente é contrário ao aborto.

“Ao longo desses anos isso se repetiu várias e várias vezes. Pode se concluir que para este Partido esta atitude pró-aborto não é um mal-entendido, não é equivoco, nem é uma fraqueza, nem é um vício, nem um erro de percurso, mas constitui a própria estratégia para implantar a “cultura de morte” no Brasil.

“Desde o início de seu mandato o atual governo considerou a completa liberalização do aborto como seu programa de governo.”

“Direito humano ao aborto” é chicana, enganação

A continuação, o arcebispo metropolitano da Paraíba passou a enumerar conscienciosamente as medidas adotadas pelo governo para liberar o aborto embora proferindo aparentes e contraditórias negações.

“Insistentemente, ‒ continuou Dom Aldo ‒ então, se fala do aborto como direito. Isto é no mínimo uma chicana, uma enganação, uma controvérsia inaceitável, intolerável, e o direito à vida e à família é irrenunciável para nós, humanistas e cristãos”.

O prelado relembrou que no dia 8 de agosto de 2005 o presidente Lula “negou todas essas declarações enviando à Assembléia Geral dos Bispos do Brasil reunida em Itaicí, então, uma carta assinada pelo próprio punho publicada por toda a imprensa, na qual ele negava jurando pela fé que havia recebido de sua mãe que tivesse qualquer intenção de legalizar o aborto no País.

“Os fatos desmentiram as palavras do presidente quando o governo encaminhou à Câmara de Deputados um projeto de lei que pretendia legalizar o aborto durante todos os nove meses de gravidez, tornando-o completamente livre, por qualquer motivo, desde desde a concepção até o momento do parto. São vários projetos.”

O prelado deplorou a “desonestidade” do procedimento do PT que “quase alcançou seu objetivo”.

O douto prelado fez um longo elenco das iniciativas pelo aborto promovidas pelo governo petista apontando a radicalidade delas, inclusive a inclusão no Estatuto partidário.

Candidata petista contradiz evidências

2007, 13ª Conferência Nacional Saúde:
governo tentou aprovar resolução pelo aborto.
Responsáveis da saúde recusaram e foram desconsiderados.
Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/ABr
E prosseguiu: “Já no início desta campanha presidencial de 2010, a candidata pelo Partido dos Trabalhadores afirmou que os bispos católicos que a acusavam de pretender promover o aborto partiam de um pressuposto errado, pois nem ela nem o atual governo, segundo as suas palavras, jamais teriam sido a favor do aborto.

“A candidata ignorou que alguns dias antes o governo brasileiro havia elaborado e promovido em parceria com a ONU a assinatura do chamado ‘Consenso de Brasília’ um documento que recomenda a legalização do aborto não somente no Brasil como em toda a América Latina.

“Não ficamos apenas nisso. Nesta primeira semana de outubro a candidata que nas últimas semanas tem afirmado ser a favor da vida acrescentou pertencer a uma família católica e que não apenas é mas que também sempre foi a favor da vida, sem aparentemente importar-se com o fato de que circula livremente na Internet um vídeo no qual em uma gravação realizada no dia 4 de outubro de 2007, ela mesma declara ‘o aborto deve ser descriminalizado. Hoje no Brasil constitui um absurdo que o aborto não tenha sido ainda descriminalizado’.

Após reconstituir a verdade dos fatos, o arcebispo da Paraíba, apresentou suas conclusões:

“Não posso como pastor compactuar com este trabalho de desinformação e de manipulação das consciências.

“Então aqui nós não estamos entrando em política partidária. Não, absolutamente não cabe à Igreja imiscuir-se na política partidária, nem indicar políticos ou partidos. mas é dever da Igreja, dos pastores alertar sobre o voto que tem as suas conseqüências, formar a consciência cidadã, formar a consciência ética com os princípios e fundamentos humanitários e cristãos”.

Ditadura está no horizonte

Presidente Lula na 1ª Conferência Nacional GLBT.
"Cultura da morte" é respaldada pelo PT, diz arcebispo.
Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/ABr.jpg
“Quando os representantes do governo se expressam de caso pensado desta maneira não existe mais credibilidade para suas afirmações. A experiência política e a História advertem amplamente que quando a democracia se converte neste tipo de demagogia já é a ditadura que está no horizonte.

“E uma advertência do mesmo teor no-la dá o Evangelho quando ensina que o nosso falar deve ser o ‘sim seja sim, o não seja não’. Ficar encima do muro é péssimo, é desonesto, não é cosa nem de homem...

“Em 1948, é bom saber a história, era uma situação semelhante durante as eleições também históricas na Itália quando a Santa Sé promoveu por iniciativa direta do Sumo Pontífice um extenso trabalho de divulgação da verdade junto ao povo italiano.

“Naquela ocasião Sua Santidade Pio XII justificou a mobilização de 20.000 comitês e 300.000 voluntários em toda a Itália com as célebres palavras do Apóstolo Pedro: “Non possumus non docui” ‒ “Nós não podemos ficar calados”.

Junto com o Apóstolo São Pedro: “Nós não podemos ficar calados”

“Hoje, ao seguir este mesmo exemplo os bispos brasileiros especialmente os bispos de São Paulo a quem eu aplaudo veementemente com muito amor e solidariedade, estão seguindo a tradição profética da Igreja em comunhão com o Papa Bento XVI.

“Estamos diante de um Partido que está institucionalmente comprometido com a instauração da cultura da morte em nosso País, que proíbe os seus membros de seguirem suas próprias consciências, que se utiliza calculadamente da mentira para enganar eleitores sobre seus verdadeiros projetos para a Nação.

“Repetimos com o Santo Padre: “Não podemos nos calar ‒ a Verdade nos libertará”.

“Quero, portanto, pedir o empenho de todos os meus diocesanos para que este vídeo seja divulgado junto ao maior número de fiéis.

“Quero pedir também o auxílio de todos para a divulgação de um documento semelhante intitulado ‘Apelo a todos os brasileiros e brasileiras’ elaborado, repito, com a expressa recomendação da mais ampla divulgação pela Regional Sul I da CNBB , entidade que congrega os bispos católicos do Estado de São Paulo.

“O apelo dos bispos de São Paulo contém as mesmas denúncias desta gravação.

“Eu peço a Deus que abençoe todos os meus diocesanos, cristãos. pessoas de boa vontade, e que esta bênção possa se estender a toda a nossa Nação tornando-se um berço de luz, de fé, de caridade, de amor de defesa e promoção à vida e à família.

“Deus abençoe a todos.”


Video: Pronunciamento do Arcebispo da Paraíba para o 2º turno 2010




Desejaria receber atualizações instantâneas e gratuitas de "Luzes de Esperança" em meu email

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado pelo comentário! Escreva sempre. Este blog se reserva o direito de moderação dos comentários de acordo com sua idoneidade e teor. Este blog não faz seus necessariamente os comentários e opiniões dos comentaristas. Não serão publicados comentários que contenham linguagem vulgar ou desrespeitosa.