segunda-feira, 26 de outubro de 2009

Jovens brasileiros estão mais conservadores, diz enquete

Pesquisa da Universidade Federal de Pernambuco visou traçar o novo perfil dos estudantes universitários do Estado. O resultado final é que eles estão muito mais conservadores do que se imaginava, informou “O Globo”.

A pesquisa ouviu 600 estudantes na faixa de 22 anos de universidades públicas e particulares de Recife.

81% dos entrevistados não quer a liberação da maconha, 76% são contra o aborto, a não ser em casos de estupro e risco à saúde.

Sobre as drogas “você tem que ver o melhor para a sociedade e o melhor não é a legalização”, disse a estudante Catalina Carvalho. Os jovens sonham com estabilidade no trabalho “para ver se consegue viver bem” explicou Tatiane Mendes. Os jovens apóiam uma “lei seca” que imponha limites ao consumo de álcool. “Eu acho que está correto”, afirmou o universitário Tiago Sales.

Nada de rebeldia, nem de inconformismo. O comportamento dos jovens está mudando. Eles estão mais conscientes e preocupados, não só com o futuro, mas com as questões do dia a dia.

O resultado contrariou preconceitos midiáticos que querem imaginar os jovens revoltados contra a moral sexual, favoráveis à liberalização da droga e do álcool e perfeitamente desinteressados e irresponsáveis pelo futuro da sociedade.

"O comportamento hoje é outro. É um comportamento de aceitação das leis e a gente vê questões como a religião influenciando muito na vida dos jovens", explica o coordenador da pesquisa, Pierre Lucena.

“Esses jovens podem ser a grande esperança do nosso país”, comentou acertadamente a psicóloga Irinéia Catarino.

O antigo hippie, revoltado, drogado, permissivista sexual encarnado por Woodstock hoje ficou encapsulado numa geração envelhecida.

Em verdade, essa geração hoje enche as manchetes e até a diretoria dos jornais, mas diante de enquetes como esta constata que é um espécime em extinção.

Clique aqui e veja a pesquisa completa.

Desejaria receber atualizações instantâneas e gratuitas de "Luzes de Esperança" em meu email

domingo, 11 de outubro de 2009

Nossa Senhora Aparecida: luz de todas nossas esperanças


Na atual encruzilhada que o País atravessa, mais do que nunca necessitamos da proteção de nossa Augusta Rainha e Padroeira, cuja festa é comemorada no dia 12 deste mês.

Em 31 de maio de 1931, Nossa Senhora Aparecida foi proclamada Rainha e Padroeira do Brasil. No ano anterior, no dia 16 de julho, Ela já havia recebido do Papa Pio XI esses gloriosos títulos.

A solene proclamação ocorreu na Esplanada do Castelo, no Rio de Janeiro (então capital do País), depois de esplendorosa procissão com a milagrosa Imagem da Virgem Mãe Aparecida, com a participação de todos os bispos brasileiros, do Chefe de Estado, ministros, autoridades civis e militares, além de mais de um milhão de fiéis.

Para recordar tão grata e triunfal comemoração, transcrevemos abaixo trecho extraído de um cartão de Natal redigido por Plinio Corrêa de Oliveira, em dezembro de 1991.

* * *


“É com os olhos postos em Nossa Senhora Aparecida que transpomos os umbrais desse ano sem nos deixarmos flectir pelas ameaças que o futuro parece trazer consigo, e ao mesmo tempo sem nos deixarmos seduzir pelas perspectivas não raramente ilusórias, que ainda se apresentam por vezes ao homem contemporâneo.

O Brasil terá um esplêndido porvir, se ele seguir o caminho de Nossa Senhora. E é esse provir, carregado de bênçãos, de virtude e de grandeza cristã, que imploro a Nossa Senhora Aparecida para nossa pátria”.

(Fonte: "Catolicismo", outubro de 2006)

Desejaria receber atualizações instantâneas e gratuitas de "Luzes de Esperança" em meu email

sexta-feira, 2 de outubro de 2009

Um lado pouco comentado da grande Santa Teresinha do Menino Jesus: "com que alegria, no tempo das cruzadas, teria partido para combater os hereges!"

As Cruzadas foram emprendimentos históricos. Porém, elas nasceram de um ideal que trascende o tempo.

Esse ideal ardeu intensamente na alma dos santos, embora se fale pouco disso. Um dos tantos exemplos foi nos dado por Santa Teresinha do Menino Jesus.

A grande carmelita de Lisieux desejava passar o Céu fazendo o bem na Terra, mas não tinha uma alma débil, desprovida de personalidade e força de caráter, que fugia do sofrimento e da luta.

Se assim o fosse, não teria sido elevada às honras dos altares, nem teria sido apresentada ao mundo católico como "uma nova Joana d'Arc" pelo Papa Pio XI (a 18 de maio de 1925).

É muito oportuno e mesmo necessário, pois, considerarmos este aspecto de sua alma, freqüentemente esquecido ou falseado em imagens e santinhos, onde ela aparece com a fisionomia impregnada por um adocicamento sentimental e romântico, totalmente inexistente em sua forte e marcante personalidade.

Vejamos algumas de suas afirmações que refletem o espírito de cruzado que animava a Santa da chuva de rosas:

"Na minha infância sonhei lutar nos campos de batalha.

"Quando comecei a aprender a História da França, o relato dos feitos de Joana d'Arc me encantava; sentia em meu coração o desejo e a coragem de imitá-los" (1).

"Adormeci por alguns instantes -- contava ela à Madre Inês -- durante a oração. Sonhei que faltavam soldados para uma guerra contra os prussianos. Vós dissestes: É preciso mandar a Irmã Teresa do Menino Jesus. Respondi que estava de acordo, mas que preferia ir para uma guerra santa. Afinal, parti assim mesmo.

"Oh! não, eu não temeria ir à guerra. Com que alegria, por exemplo, no tempo das cruzadas, teria partido para combater os hereges. Sim! Eu não temeria levar um tiro, não temeria o fogo!" (2)

"Lançando-me na arena
Não temerei ferro nem fôgo ....
Sorrindo enfrento a metralha ....
Cantando morrerei, no campo de batalha
As armas à mão", bradava ela (3).

"Quando penso que morro numa cama! Como desejaria morrer numa arena!" (4)

"A santidade! É preciso conquistá-la à ponta da espada. .... É preciso combater!" (5)

____________________
Notas:
1) Lettres de Sainte Thérèse de l'Enfant-Jésus, Carta ao Abbé Bellière, Office Central de Lisieux, 1948.
2) Carnet Jaune, 4.8.6 -- in Derniers entretiens, Éditions du Centenaire, Desclée de Brouwer-Éditions du Cerf, Paris, 1971.
3) Mes Armes -- Poésies, Édition du Centénaire, Cerf-Desclée de Brouwer, Paris, 1992 (Carnet jaune, Mère Agnès de Jésus, 4 de agosto).
4) Summarium [do Processo de Beatificação e Canonização], depoimento de Celina, 2753.
5) Correspondance Générale, Éditions du Cerf-Desclée de Brouwer, Paris, 1972, t. I (1877-1890), Carta (­­nº 89) a Celina, de 26 de abril de 1889. E Lettres de Sainte Thérèse de l'Enfant Jésus, Carta a Leônia, de 20 de maio de 1894.

Desejaria receber atualizações instantâneas e gratuitas de "Luzes de Esperança" em meu email