quinta-feira, 25 de junho de 2009

Madonna del Miracolo: a felicidade inefável da despretensão e da pureza

O quadro da Madonna del Miracolo (Nossa Senhora do Milagre, que se venera na Igreja de Sant’Andrea delle Fratte, Roma) aparece com a fronte encimada por uma coroa e por um resplendor em forma de círculo de 12 estrelas.

A fisionomia é discretamente sorridente, com o olhar voltado para quem estiver ajoelhado diante d’Ela. Muito afável, mas ao mesmo tempo muito régia.

Pelo porte, dá impressão de uma pessoa alta, esguia sem ser magra, muito bem proporcionada e com algo de imponderável da consciência de sua própria dignidade.

Tem-se a impressão de uma rainha, muito menos pela coroa do que pelo todo d’Ela, pelo misto de grandeza e de misericórdia.

A pessoa que a contempla tende a ficar apaziguada, serenada, tranqüilizada, como quem sente acalmadas as suas más paixões em agitação. Como se Ela dissesse: “Meu filho, eu arranjo tudo, não se atormente, estou aqui ouvindo a você que precisa de tudo, mas eu posso tudo, e o meu desejo é de dar-lhe tudo. Portanto, não tenha dúvida, espere mais um pouco, mas atendê-lo-ei abundantemente”.

A pintura tem um certo ar de mistério, mas um mistério suave e diáfano. Seria como o mistério de um dia com um céu muito azul, em que se pergunta o que haverá para além do azul. Mas não é um mistério carregado, é um mistério que fica por detrás do azul e não por detrás das nuvens.

Diante dela ocorreu, no dia 20 de janeiro de 1842, a miraculosa conversão ao catolicismo do judeu Afonso Ratisbonne.

Notem a impressão de pureza que o quadro transmite. Ele comunica algo do prazer de ser puro, fazendo compreender que a felicidade não está na impureza, ao invés do que muita gente pensa. É o contrário. Possuindo verdadeiramente a pureza, compreende-se a inefável felicidade que ela concede, perto da qual toda a pseudo felicidade da impureza é lixo, tormento e aflição.

Notem também a humildade. Ela revela uma atitude de rainha, mas fazendo abstração de toda superioridade sobre a pessoa que reza diante d’Ela. Trata a pessoa como se tivesse proporção com Ela; quando nenhum de nós tem essa proporção, nem mesmo os santos.

Entretanto, se aparecesse Nosso Senhor Jesus Cristo, Ela ajoelhar-se-ia para adorar Aquele que é infinitamente mais. Ela tem a felicidade inefável da despretensão e da pureza.

Diante de um mundo que o demônio vai arrastando para o mal, pelo prazer da impureza e do orgulho, a Madonna del Miracolo comunica-nos esse prazer da despretensão e da pureza.

(Fonte: Plinio Corrêa de Oliveira, “Catolicismo”, janeiro de 2007)

Se o seu email não visualiza corretamente o video embaixo clique aqui


A poucas quadras da famosa Piazza di Spagna e ao lado da sede da Congregação para a Evangelização dos Povos, encontra-se a igreja Sant'Andrea delle Frate. Neste santuário deu-se um fato extraordinário: Nossa Senhora apareceu a um rico e famoso judeu, Afonso Ratisbonne, o qual portava uma Medalha Milagrosa não por devoção, convertendo-o a Cristo.

No altar em que a Virgem Santissima (la Madonna) lhe apareceu, havia um quadro de São Miguel Arcanjo golpeando o demônio, que pode ser apreciado ainda hoje, mas em outro local da igreja.

Foi neste mesmo altar da Aparição que São Maximiliano Kolbe, falecido no tristemente famoso campo de concentração nazista de Auschwitz, celebrou sua primeira Missa no dia 29-4-1919.

Desejaria receber atualizações instantâneas e gratuitas de "Luzes de Esperança" em meu email

segunda-feira, 22 de junho de 2009

Voltam aulas de latim em Nova York, e jovens pedem Catolicismo tradicional

Aluno de latim com 10 anos, New Rochelle
O diário “The New York Times” e a revista “U.S. News & World Report” reportaram uma bem avançada e surpreendente tendência nas escolas de nível médio e secundário americanas: ensino de Latim [foto]!

A tendência cresceu nas últimas duas décadas dentro da Igreja Católica, especialmente entre os jovens.

Um número grande deles se entusiasma lendo-o, ouvindo-o, cantando e participando em liturgias em Latim.

Trata-se de jovens padres e seminaristas, mas de leigos também. Grupos organizados aprofundam a prática do canto gregoriano ou o estudo da gramática latina.

O singular do caso é que no período pós-conciliar pareceu que a Igreja abandonaria a língua básica da cultura ocidental. De fato ela desapareceu dos seminários e do culto.

Mas as novas gerações querem ouvir falar da verdadeira fé católica, e um segmento importante dos jovens voltou-se para a Tradição do catolicismo, a Adoração Eucarística e o Canto Gregoriano, escreveu o site The Catholic Thing .

Alunas de latim na Young Middle School of New Rochelle, NYJunto veio a retomada de interesse pela língua oficial da Igreja, genuína transmissora do esplendor da fé Católica.

Hoje muitos jovens querem ler os Padres da Igreja de Ocidente, conhecer a Idade Média e o Magistério tradicional nos próprios originais.

O Latim dá unidade lingüística aos povos católicos em todos os continentes. Por tudo isso, ninguém o estuda e entende melhor que os jovens, acrescenta o site.

Coro gregoriano do Central Catholic, escola marista de San Antonio, TexasMuitos estudantes querem ter contato com uma tradição que é maior e mais sábia do que eles próprios, e que os convida, por isso mesmo, a aderir a seus ensinamentos teológicos, morais e sociais, explica The Catholic Thing.

Contrariamente à visão individualista segundo a qual a Igreja tem que se adaptar ao mundo moderno, estes jovens querem se adaptar à Igreja vendo n’Ela a pilastra por excelência da verdade e da sabedoria, acrescentou.

No início do século XX o Estado Maior do Império Alemão ficou alarmado pela diminuição das capacidades dos recrutas.

Após inquirições, verificou que os jovens não estudavam mais latim. Encaminhou então uma queixa ao Ministério de Educação. Este, por sua vez, revidou dizendo que o assunto não era de alçada do Exército, cuja missão era apenas fazer o soldado.

O Estado Maior respondeu: “dêem-nos o homem, e nós faremos o soldado”, como se o aprendizado do latim tornasse os seres humanos, ainda mais plenamente humanos.

De fato, os grandes talentos da Civilização ocidental ‒ inclusive anti-cristãos, como Hegel ou Marx ‒ desenvolveram plenamente seu espírito graças à influência insubstituível do latim.


Desejaria receber atualizações instantâneas e gratuitas de "Luzes de Esperança" em meu email

segunda-feira, 8 de junho de 2009

Paulistanos preferem estilo neoclássico enquanto templo da modernidade cai de podre

Faculdade de Arquitetura e Urbanismo (FAU) da Universidade de São Paulo, pano azul segura blocos
O prédio da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da USP (FAU-USP) de estilo moderno brutalista foi tido como "obra prima". Vinham vê-lo artistas contemporâneos de todo o mundo.

Hoje é a vergonha dos mestres e alunos. Assemelha-se a uma casa assombrada que beira a ruína.

Setores interditados, enxurradas de água suja nos dias de chuva que entrando por grandes fissuras, caixas de água recolhem a água das goteiras.

Uma grande rede azul visa segurar os blocos de concreto que soltam do teto e podem ferir alunos distraídos. Há estalactites um pouco por toda parte.

Professores e arquitetos discutem as soluções possíveis. Mas, as reformas feitas só aumentaram as disputas. Na corrida pelo mais moderno possível qualquer absurdo aconteceu.

Até uma porta de jacarandá com muxarabiê, último tributo ao passado de arquitetura colonial do País, foi arrancada da entrada do auditório. Em seu lugar, ficou uma porta chinfrim, boa para cozinha.

Varais assomam nas janelas do Conjunto Residencial da USP (Crusp), insensíveis ao fato que os enfadonhos prédios são tidos em conta de vacas sagradas do modernismo arquitetônico.
360º, projeto de Isay Weinfeld
No Departamento de Engenharia Elétrica, um novo teto de alumínio impede a entrada de luz natural em salas de aula e terraços.

Parece brincadeira, mas essa faculdade que investiga novas formas de consumo sustentável de energia, depois da reforma tem que acender a iluminação elétrica 24 horas sobre 24.

Entrementes, anuncia-se outro prédio símbolo, sucessor tal vez dos feitos da FAU-USP: o Edifício 360° a ser construído na zona oeste de São Paulo.

Até ganhou o Future Projects Awards, prêmio outorgado pela inglesa Architectural Review. O projeto apresenta ares de uma Cingapura de apartamentos caros. Um bloco retangular composto de caixotões empilhados como contêiner no cais.

Chegou-se a falar que, se o prédio for concluído, poderia ser o “novo símbolo da cidade”.

Neoclássico em SPEle quer divergir gritantemente do estilo neoclássico que os paulistanos de bom gosto preferem largamente.



Desejaria receber atualizações instantâneas e gratuitas no meu email