segunda-feira, 5 de maio de 2008

Terço promovido pelo presidente Uribe teria evitado a guerra

Virgem de Chiquinquirá, padroeira da Colombia, Luzes de Esperança
O principal diário da capital colombiana, “El Tiempo”, informou que o conflito entre a Colômbia, Equador e Venezuela foi debelado após ter o presidente da Colômbia, Álvaro Uribe, confiado a crise à intercessão de Nossa Senhora.

O Exército colombiano liqüidou com um dos mais sanguinário chefes da narcoguerrilha FARC no lado equatoriano da fronteira.

As FARC recebem cobertura dos governos esquerdistas do Equador e da Venezuela que se sentiram atingidos.

Virgem de Coromoto, padroeira da Venezuela, Luzes de EsperançaO grave atrito bélico poderia ter degenerado numa guerra com péssimos efeitos nas fronteiras brasileiras, já tão ameaçadas por agitadores e ONGs como o CIMI e outras internacionais.

O Pe. Júlio Solórzano, capelão do palácio presidencial de Bogotá, revelou que no auge da crise o presidente convocou os funcionários do palácio, incluídos os ministros de Defesa e do Interior, para rezar o terço na capela presidencial, a fim de evitar a guerra.

Uribe invocou oficialmente as padroeiras dos três países: Nossa Senhora de Chiquinquirá (Padroeira da Colômbia), Nossa Senhora de Coromoto (Venezuela) e Nossa Senhora das Mercês (Equador).

Virgem das Mercês, padroeira do Equador, Luzes de EsperançaA oração oficial de um chefe de Estado costuma ter um especial valor, e atrai de modo possantíssimo a benevolência do Céu.

Em sentido contrário, o ateísmo prático dos governos é um dos fatores que mais afastam as graças divinas.

Quero atualizações instantâneas e gratuitas no meu email

Um comentário:

  1. Que belo exemplo!!
    Bem que gostaria que o nosso presidente tivesse uma atitude tão nobre assim. Tenho certeza que o Brasil seria um país muito melhor em todos os aspectos!

    ResponderExcluir

Obrigado pelo comentário! Escreva sempre. Este blog se reserva o direito de moderação dos comentários de acordo com sua idoneidade e teor. Este blog não faz seus necessariamente os comentários e opiniões dos comentaristas. Não serão publicados comentários que contenham linguagem vulgar ou desrespeitosa.